CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Uma grande serpente segue engolindo o horizonte

Aqui neste silêncio do amanhecer
Palavras escritas fluem pelas veias
Como essência de vida que incomodam
Mentes medíocres que insistem em permanecer à minha volta
Quando desejo libertar-me de toda essa angústia
Que corrói o intelecto.

Escrevo porque preciso ver o desmascaramento da pólis
Revelar o mais sórdido conselho
Realizado às espreitas nos grandes salões
Com as figuras mais emblemáticas
Que acreditam piamente serem donos de tudo isso.

O entorpecimento enfumaçado da poluição da cidade
Deturpam os mais sensíveis olhares
Que realmente poderiam enxergar os acontecimentos
E são impedidos pela fúria incontrolável
Dos trogloditas de plantão abraçados a sua inércia corriqueira
Impedindo quem quer que seja que deseja alcançar o sucesso.

Uma grande serpente
Segue engolindo o horizonte diante de nossos olhos
Destruindo os sonhos até então possíveis de realização
Mas que são varridos para baixo dos tapetes
Escondidos a meia boca pelos salafrários
Que só desejam a destruição da moral.

Fantasmas pelos becos sórdidos da metrópole
Espreitam as pobres vítimas indefesas
Que buscam auxílio pelas madrugadas
Esperando que coisas boas possam acontecer
E sabemos que nada pode mudar esse caos fantasmagórico.

Procuro a fé dentro das extinções das crenças
Para que veja esperança na humanidade que ai caminha
E não se pode encontrar nada disso em seus passos
Que são trôpegos como dos ébrios que cambaleiam nas calçadas
Dando a impressão de que o mundo está pendido
Ora para um lado, ora para outro.

Quando sozinho posso encontrar-me a mim mesmo
E pensar que tudo isso não passa de uma agonia inválida
Que só eu mesmo posso sentir e nada fazer a respeito
Porque está dentro de mim e a maioria das pessoas
Seguem suas vidas normais nesse mundo perfeito para elas.

E estas são palavras testamentárias na boca de um solitário
Palavras que transcrevo no silêncio do amanhecer
Registro de uma inquietação que perturba minha mente
Por achar que poderia ser diferente as ações humanas
Quando se olha para a nossa existência.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

segunda-feira, maio 30, 2022 - 12:48

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 20 horas
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 8560

Comentários

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Tirado do fundo do poço 3 149 07/15/2022 - 13:39 Português
Poesia/Alegria A sublime alma do poeta 3 224 07/14/2022 - 13:44 Português
Poesia/Amor Escrevo e descrevo minh'alma 5 324 07/14/2022 - 13:43 Português
Poesia/Desilusão A cama que sonhava 3 139 07/13/2022 - 13:36 Português
Poesia/Meditação Nos porões 3 141 07/12/2022 - 14:47 Português
Poesia/Meditação O caminho percorrido até aqui 3 150 07/11/2022 - 20:15 Português
Poesia/Intervenção A ideologia do mito 3 307 07/11/2022 - 13:55 Português
Poesia/Amor Amor impossível, possível amor 3 211 07/08/2022 - 21:56 Português
Poesia/Intervenção A chegada do estranho 3 141 07/08/2022 - 20:25 Português
Poesia/Amor O melhor sonho 3 145 07/07/2022 - 19:24 Português
Poesia/Meditação Os poetas ainda são crianças 3 115 07/06/2022 - 23:58 Português
Poesia/Intervenção Brigar por justiça e por respeito 3 196 07/06/2022 - 19:46 Português
Poesia/Intervenção Quem disse que quero endireitar o mundo? 3 104 07/06/2022 - 19:42 Português
Poesia/Meditação Não deixe de falar o que sente 3 126 07/05/2022 - 22:43 Português
Poesia/Meditação Os horrores do meu esforço secreto 3 107 07/04/2022 - 19:34 Português
Poesia/Desilusão Quem pede desculpas 3 146 07/04/2022 - 12:14 Português
Poesia/Fantasia Perdido entre tantos lugares ou uma noite no Café Nice 3 163 07/02/2022 - 02:00 Português
Poesia/Pensamentos Não deixe de falar o que sente 3 197 06/30/2022 - 21:57 Português
Poesia/Amor Sentir nos lábios 3 392 06/30/2022 - 21:54 Português
Poesia/Pensamentos Faz de conta 3 100 06/29/2022 - 19:59 Português
Poesia/Intervenção O regresso a inevitável casa 3 146 06/28/2022 - 20:10 Português
Poesia/Meditação Sem esperança não há vida 3 128 06/27/2022 - 20:18 Português
Poesia/Meditação Escravos do medo 3 212 06/27/2022 - 13:05 Português
Poesia/Meditação Mude a perspectiva da sua vida 3 277 06/24/2022 - 23:00 Português
Poesia/Paixão A mais pura paixão 3 161 06/24/2022 - 01:53 Português