CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

COMO FAZER SUCO

 

Sente-se confortavelmente e apoiando os cotovelos sobre a mesa, segure firme sua cabeça. Tente abri-la com cuidado e dentro dela coloque os diálogos, as imagens, todas as sensações, os cartazes que você viu durante o dia, os outdoors, os panfletos, os folhetos, os jornais, as revistas... não deixe de incluir as novelas, os noticiários, etc... Comece a comprimir suavemente, com delicadeza e quando sentir-se esmagado, torça.

Primeira pergunta: O que você acha que vai escorrer sobre a mesa?
Segunda pergunta: A mídia, ou mais especificamente a televisão, o que tem a oferecer?

Bem, se não há opções, como haver escolhas?
A falta de cultura, de conhecimento, de identidade, de patriotismo facilita para que sejam despejadas em nossas cabeças, as mais fúteis, insípidas e inúteis atrações. Com o tempo, vamos nos acostumando com tantas nulidades, que o bárbaro, o horrendo, o bizarro, chegam a parecer normais.

Os meios de comunicação, quando em mãos erradas, sem princípios, sem ética cristã, são armas lentas e letais.
Estamos sendo contaminados lentamente, ingerindo  um veneno mortal.

Vejamos os noticiários: estes informam e nos deformam. Eles nos levam a conclusão de que nada acontece de normal, de bom e louvável. Tudo está perdido? Tudo é bala perdida? Tudo é abuso contra menor? Tudo é seqüestro relâmpago? Tudo é insegurança? A televisão nos faz pensar que sim. Na verdade, ela procura sabiamente a melhor estratégia para explorar a nossa curiosidade, para despertar nossos sentidos e nos atingir. Reparem que os programas policiais seguem o mesmo desenho, o mesmo esquema. Os apresentadores se beijam, se copiam e se digladiam em busca da audiência.

Estão estereotipados desde a voz estridente até nó da gravata. Num discurso hipnótico , criam a expectativa no desenlace final da noticia, fazendo ecoar repetidamente, palavras e frases que soam como mantras. Desta forma, eles prendem (ou agridem) o telespectador, não completando a notícia de imediato. Criam ansiedade e estresse, martirizam vítimas e famílias, evocando repetidas vezes, as circunstâncias mais chocantes.
O desfecho final deveria nos atingir de forma fria e doída, mas isso não acontece. Já somos zumbis impotentes, insensíveis, sem lágrimas.

As mazelas e tragédias são enxertadas em nossas mentes, tão coloridas e tão bem editadas que passamos aceitá-las como triviais e sem importância. Estamos enfraquecendo nossos valores em conseqüência do que vemos.

Bem, não desligue ainda o televisor. Você acha realmente que não temos bons programas? Temos novelas, Big-Brother, fazendas, temos anúncios, temos shopp isso, shopp aquilo, e temos programas que jogam tortas na cara. Até pouco tempo, você podia ficar interligado naquele programa da tarde que humilhava pré-adolescentes, fazendo perguntinhas fáceis, às quais eles sempre respondiam “não sei” e corriam felizes para bater o sino. No mesmo programa você via cenas escravagistas, que cortesmente obrigavam os estudantes a comer higiênicas minhocas, asseadas baratas, grilos saltitantes, cérebro de centopéias, e sei lá mais o quê.

A televisão tornou-se catalisadora de toda informação, produção artística e pseudo-artística. Ela julga, e é quem diz o que é bom ou mau. Ela se arvora em educadora do seu filho e mostra o que ele deve vestir, o que ele deve comer, o que ele beber, o que deve vestir, para onde viajar, que esporte praticar... Você concorda com isso? Mas, você gosta de uma novelinha? Não precisa responder. Também não quero saber se a televisão é “do bem ou do mal” (esta expressão foi criada para os desenhos animados).

Repare que é com os desenhos que começam os bombardeios das mensagens negativas e subliminares, que minam as cabecinhas.
Você já pensou quem é a babá do seu filho? Você já reparou em quem a está ajudando na educação dele? Vou parar de escrever e desligar o meu televisor.

Submited by

domingo, maio 8, 2016 - 14:20

Prosas :

No votes yet

J. Thamiel

imagem de J. Thamiel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 dia 8 horas
Membro desde: 05/02/2016
Conteúdos:
Pontos: 3576

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of J. Thamiel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão O POETA TRISTE 0 206 05/11/2021 - 15:41 Português
Poesia/Geral REFLEJO DE UNA GALINNA 0 209 05/05/2021 - 16:46 Português
Poesia/Geral O POETA FERIDO 3 289 04/22/2021 - 20:43 Português
Poesia/Desilusão AGORA É SAUDADE 0 230 04/21/2021 - 15:14 Português
Poesia/Fantasia H A R M O N I A 4 316 04/07/2021 - 15:39 Português
Poesia/Geral A CHUVA MOLHA AS ALMAS DISTRAÍDAS 0 215 04/03/2021 - 16:13 Português
Poesia/Geral REFLEJO DE UNA GALLINA 0 196 03/11/2021 - 18:39 Espanhol
Poesia/Geral R E F L E X Ã O DE U M A G A L I N H A 0 353 03/11/2021 - 17:38 Português
Poesia/Desilusão D E S T I N O 0 438 03/10/2021 - 13:24 Português
Poesia/Fantasia R E V E R Ê C I A 0 488 02/28/2021 - 19:01 Português
Poesia/Amor PERDIDOS NO TEMPO 0 331 02/25/2021 - 22:55 Português
Poesia/Poetrix GUARULHOS HOJE 0 720 02/23/2021 - 20:03 Português
Poesia/Amor O MAIS BELO POEMA FEITO PARA VOCÊ 0 385 02/18/2021 - 20:19 Português
Poesia/Amor TUA BELEZA 0 232 02/15/2021 - 13:49 Português
Poesia/Amor O ETERNAMENTE 0 318 02/15/2021 - 12:39 Português
Poesia/Amor UMA ILUSÃO LETAL 1 344 02/13/2021 - 20:20 Português
Poesia/Geral JOSÉ DE TAL 1 144 02/10/2021 - 22:42 Português
Poesia/Geral CORAL DE MARMANJOS 1 219 02/10/2021 - 22:27 Português
Poesia/Geral E, AS VACAS ? 1 231 02/10/2021 - 22:20 Português
Poesia/Geral PORQUE ME TORNEI POETA 4 337 02/10/2021 - 12:36 Português
Poesia/Amor FLORES DE HORTELÃ 0 222 02/05/2021 - 23:55 Português
Poesia/Haikai VENTO ANDALUZ 0 267 02/05/2021 - 18:27 Português
Poesia/Fantasia SOLIDÃO - (Rimas interpoladas) 3 305 02/04/2021 - 10:24 Português
Poesia/Fantasia TROAM TROVAS TRIVIAIS 0 280 02/03/2021 - 20:44 Português
Poesia/Desilusão SONHO PERDIDO - (ensaio de rimas) 0 228 02/03/2021 - 18:56 Português