CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A morte de Sofia 1. ª parte

Eu sempre pensei que eu acabaria me suicidando, nunca pensei que morreria em decorrência de um acidente de carro. Mas a vida e a morte sempre nos surpreendem e as coisas nunca são como esperamos. As coisas são como são. Várias vezes, estive à beira do suicídio, mas ou acontecia algo ou eu desistia. Será que existe livre-arbítrio ou haverá um destino à nossa espera? Por que tentei me matar tantas vezes? Por um motivo simples e seco: por não aguentar mais minha vida. Se eu dissesse a alguém minha intenção, diriam: mas você é jovem, tem toda a vida pela frente. Justamente por isto eu queria me matar. Eu não queria toda uma vida pela frente se isto significasse uma vida sem graça, vazia e sem emoções. 
Agora, estou flutuando no vazio. Tudo que vejo é a escuridão. Há pouco tempo, eu podia ver as pessoas se amontoando em torno do carro que eu dirigia e meu corpo gravemente ferido. Não demorei a compreender que morrera. E foi tudo muito rápido. Eu somente vi o carro vindo na contramão e, logo depois, vi-me ao volante, com um grande corte na testa, o rosto caído sobre o volante, os olhos fechados. Não me assustei ao ver que finalmente acontecera o que eu tanto procurara para mim: a morte, a libertação absoluta, para sempre longe da minha família. Não haveria mais amarras nem teria mais que acordar e ver logo a cara do meu pai nem aguentar suas conversas monótonas e suas críticas cruéis. 
Talvez eu deva me apresentar. Meu nome é Sofia. Meu pai me deu este nome. Não sei por que ele me deu um nome que significa "sabedoria" se as palavras preferidas dele para me definir sempre foram "burra", "idiota" e "pateta". Agora que morri, estou livre dele. E não pretendo voltar como espírito para assombrar nem a a ele nem a ninguém da minha família. Quero apenas não vê-los nunca mais. 
Se sofrerão com minha morte? Não sei e nem quero saber. Pouco me importa que sofram com minha partida se ninguém sofreu com o fato de eu ter vivido uma vida infeliz que agora deixo para trás. O que verei agora? Uma caveira com uma foice ou um anjo? Haverá céu, inferno? Deus existe? Não sei. Morte não traz paz, nem conhecimento. Morri e continuo tão ignorante como sempre fui em vida. 
Para que me entendam um pouco, vou contar a história da minha vida até o momento da minha morte. Assim, entenderão porque eu queria mesmo morrer. 
Neste momento, eu lembro do meu corpo morto. Exceto pelo corte na testa, eu parecia adormecida e em paz. 

Submited by

sexta-feira, fevereiro 6, 2015 - 14:14

Prosas :

No votes yet

Atenéia

imagem de Atenéia
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 1 semana
Membro desde: 03/21/2011
Conteúdos:
Pontos: 2453

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Atenéia

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Don't call me anymore 1 1.679 03/14/2018 - 13:22 inglês
Poesia/Geral Now, we are together 1 1.992 03/13/2018 - 21:29 inglês
Poesia/Fantasia Give me wings 1 1.635 03/13/2018 - 21:29 inglês
Poesia/Amor How can I show you 1 1.936 03/13/2018 - 16:48 inglês
Poesia/Tristeza You'll never be forgotten 2 1.973 03/10/2018 - 13:37 inglês
Poesia/Geral Não haverá mais segredos 1 972 02/09/2018 - 10:39 Português
Poesia/Tristeza We're never ready to say goodbye 0 1.867 03/12/2017 - 11:42 inglês
Poesia/Amor Sentimentos 0 1.082 01/19/2017 - 23:46 Português
Poesia/Geral Irmão 0 1.136 01/07/2017 - 21:42 Português
Poesia/Desilusão I'll never see you again 0 1.841 01/03/2017 - 15:02 inglês
Poesia/Desilusão O seu melhor 0 1.895 01/03/2017 - 14:58 Português
Poesia/Desilusão O último adeus 0 1.159 12/28/2016 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Aonde pensamos 0 1.170 12/28/2016 - 16:32 Português
Poesia/Gótico A velha do saco de ossos 0 1.715 11/23/2016 - 16:45 Português
Poesia/Gótico Presenças espectrais 0 1.334 11/23/2016 - 16:36 Português
Poesia/Desilusão Don't come back to me 0 1.594 11/17/2016 - 16:11 inglês
Poesia/Geral Teu grito 0 1.484 11/17/2016 - 16:08 Português
Poesia/Gótico Peso morto 0 1.726 11/16/2016 - 23:36 Português
Poesia/Desilusão Learn to live alone 0 3.187 11/12/2016 - 11:23 inglês
Poesia/Meditação Torta 0 1.321 11/10/2016 - 16:23 Português
Poesia/Gótico O coração dilacerado 0 1.804 11/07/2016 - 15:48 Português
Poesia/Fantasia O presente 0 1.446 11/07/2016 - 15:45 Português
Poesia/Amor Ready to love 0 2.149 10/27/2016 - 21:42 inglês
Poesia/Amor Laços 0 1.747 10/27/2016 - 21:38 Português
Poesia/Fantasia Esta loucura 0 2.514 10/26/2016 - 16:18 Português