CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O lenço dela

Quando, a primeira vez, da minha terra
Deixei as noites de amoroso encanto,
A minha doce amante suspirando
Volveu-me os olhos úmidos de pranto.

Um romance cantou de despedida,
Mas a saudade amortecia o canto!
Lágrimas enxugou nos olhos belos...
E deu-me o lenço que molhava o pranto.

Quantos anos, contudo, já passaram!
Não olvido porém amor tão santo!
Guardo ainda num cofre perfumado
O lenço dela que molhava o pranto...

Nunca mais a encontrei na minha vida,
Eu contudo, meu Deus, amava-a tanto!
Oh! quando eu morra estendam no meu rosto
O lenço que eu banhei também de pranto!

Submited by

terça-feira, abril 14, 2009 - 01:32

Poesia Consagrada :

No votes yet

AlvaresdeAzevedo

imagem de AlvaresdeAzevedo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 13 anos 35 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 303

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AlvaresdeAzevedo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Alvares de Azevedo 0 1.556 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo IV — Gennaro) 0 1.727 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo V — Claudius Hermann) 0 2.112 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo VI — Johann) 0 1.640 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo VII — Último Beijo de Amor) 0 1.333 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Macário - Introdução 0 1.130 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Macário - Primeiro episódio 0 894 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Macário - Segundo episódio 0 1.013 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Sombra de D. Juan 0 1.090 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Na várzea 0 1.046 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral O editor 0 978 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Oh! Não maldigam! 0 1.425 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Dinheiro 0 1.225 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Adeus, meus sonhos! 0 1.225 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Minha desgraça 0 1.159 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Página rota 0 994 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo I — Uma noite do século) 0 1.271 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo II — Solfieri) 0 1.646 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Conto Noite na Taverna (Capítulo III — Bertram) 0 2.438 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Panteísmo 0 913 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Desânimo 0 1.049 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral O lenço dela 0 1.042 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Relógios e beijos 0 1.109 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Namoro a cavalo 0 1.349 11/19/2010 - 16:52 Português
Poesia Consagrada/Geral Pálida imagem 0 1.086 11/19/2010 - 16:52 Português