CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Além dos limites do eu

Há flores num espaço aberto
Molho com a minha saliva, as pétalas roxas
Cubro com os meus lábios, os caules já avermelhados

Há um lugar ermo, amparo de um sonho distante
Ergo os braços ao encontro de um punho fechado
Há um pensamento abstracto a roçar no sobrado onde me deito
Na bajulação de um momento
E só…
O corpo é figura desenhada nas tábuas polidas pelo tempo

Há nas memórias a antemanhã que me diz - Sim
E um amontoado de células vivas, amarrotadas no sótão dos afectos
Que me diz - Não
A dor contrai-se perante o som agudo, onde o existir é um puro manifesto
Mas há um corpo deitado na acalmia da terra, coalhando o sereno da noite

Sobre o dorso um caminho estreito
Na longitude dos braços, um carreiro oblíquo
Nas pernas, a fortaleza a caminhar para o vazio ainda virgem
No peito, um batimento incerto como um relógio a emendar o tempo
No rosto, as rugas escancarando a única certeza das estátuas caídas
Nos olhos, dois sinais que indicam um olhar a perder-se no escuro

Ali se propaga e se desmembra por todos os quadrantes do seu universo
Ali se entrega ao submundo e se cruza com os fogos que o consomem
E eu, atendendo à nova teoria do pensamento
Escondo-me
Rendo-me aos contrários
Sustento o manto que me cobre a alma

Há no topo da montanha, um sem-fim de terra
É ponto de passagem a um corpo que balança sob as nortadas baixas
Encontros que espelham a dor
Desencontros ameaçadores das fugas por entre dentes
Uma boca que reluz no escuro

(Um quilate de ouro a mais na dentição genuína e demolida na boca do mundo)

Há um sonho que acorda a madrugada
E eu póstuma constelação à espera de outra marca do tempo
Que me conte os ossos e me endireite o corpo
Que me remende a sorte, para eu caminhar a Norte
Que me reconte as sobras que ficaram perdidas nos bolsos
E me refaça o meu inverso

E o mar, sempre o mar a galgar sobre a terra orvalhada
Sem no entanto resistir ao mundo que o fez mar salgado
Tempero dos que falham no ponto
Onde o lusco-fusco se fez vida
Alem dos limites do eu

Submited by

quinta-feira, setembro 16, 2010 - 16:27

Poesia :

No votes yet

ÔNIX

imagem de ÔNIX
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 anos 18 semanas
Membro desde: 03/26/2008
Conteúdos:
Pontos: 4027

Comentários

imagem de PessoasBoas

Re: Além dos limites do eu

INQUIETANTE TEXTO.

Li e reli.

Certamente uma obra criada
com um tempero a mais.

Um toque a mais de capricho da poetisa.
Uma obstinação severa do seu Eu para com o seu propósito literário.

O talento da criação posto em prática.
A arte de fazer daquilo que seria bom,
ficar ainda melhor ao ponto de perfeito.

PARABÉNS!

Gostei

O seu poema é clássico

Pessoas Boas

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of ÔNIX

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Acordar da Manhã 2 1.567 03/22/2018 - 22:16 Português
Poesia/Amor Céu 2 1.624 03/14/2018 - 22:25 Português
Poesia/Meditação Vida lá fora 5 1.251 03/14/2018 - 22:24 Português
Poesia/Dedicado Saudações 2 1.936 03/01/2018 - 11:13 Português
Fotos/Corpos Rendas 1 2.957 03/27/2016 - 03:20 Português
Poesia/Meditação Selváticas Emoções 0 1.166 01/17/2012 - 23:36 Português
Poesia/Meditação Talvez 2 1.361 01/17/2012 - 21:35 Português
Poesia/Meditação Jardins Aquáticos 1 1.259 01/04/2012 - 23:07 Português
Poesia/Meditação Eram rosas os meus olhos 1 1.936 12/27/2011 - 23:48 Português
Poesia/Meditação Verdes lembranças 0 1.773 12/15/2011 - 15:50 Português
Poesia/Meditação Se eu fosse só eu 0 1.537 12/09/2011 - 11:19 Português
Poesia/Meditação Bruma Intemporal 1 1.610 12/07/2011 - 02:03 Português
Poesia/Meditação Eras 1 1.688 12/06/2011 - 21:49 Português
Poesia/Meditação Vão-se os Modos, Esvai-se o Tempo 0 1.083 12/01/2011 - 21:29 Português
Poesia/Meditação Pensamento invulgar 1 1.874 11/30/2011 - 00:21 Português
Poesia/Meditação Dor 0 4.121 11/24/2011 - 13:45 Português
Poesia/Meditação Extraviados 6 2.882 11/23/2011 - 12:12 Português
Poesia/Meditação Bom Dia 1 2.461 09/29/2011 - 22:16 Português
Poesia/Tristeza Um nada somente 1 1.584 09/14/2011 - 12:23 Português
Prosas/Outros Sol da Manhã 0 1.544 09/12/2011 - 10:24 Português
Poesia/Amor Nu 0 1.860 09/07/2011 - 11:07 Português
Poesia/Amor Tu 2 1.384 08/30/2011 - 01:57 Português
Poesia/Meditação Só Alma 1 1.340 08/26/2011 - 10:23 Português
Poesia/Meditação O Avesso de Mim 2 1.392 08/23/2011 - 22:26 Português
Poesia/Meditação Grãos D'Ouro 3 1.687 08/23/2011 - 22:22 Português