CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A Crucificação Da Musa

Porque te verti,
ao redondo álveo da transição,
como ornato à lustrosa seda,
congeminada penumbra,
por fragrância ao brando porte,
como opiáceo incenso,
flutuaste à púrpura inebriante.

Porque te embriaguei,
aos dóceis licores de plumas,
provocadas nuas ao portentoso,
sublimado posicionamento ao delicado,
por harmonia de feições fáusticas,
vagueaste espíritos sedentos ao sereno.

Porque te embalei,
à ternura da contemplação,
por pernas luzidias em fulgores,
por seios pendentes ao aprazível,
por ombros ocultos em flamejantes crinas,
por pétalas fechadas à amena escuridade,
por delineada silhueta às carícias da aragem existencial,
e,
em magia do retrato em encanto,
admirei-te,
puro êxtase arrebatado.

Porque te prendi,
por rituais laços de enveludada corda,
pulsos em doçura,
na palpitação límpida,
porque atados ao martírio,
tornozelos de si a si,
como tálamo de pedúnculos,
em virilhas a passagem para a suspensão,
voltas e voltas aos íntimos dos bustos,
ponteados à cinta,
réplicas às circularidades,
invertidas circunferências,
delineamentos aos desenhos da filamentosa,
e,
em magia do retrato em encanto,
admirei-te,
puro êxtase arrebatado.

Porque te elevei,
por roldanas impregnadas a apogeus,
cadentes melodias de seduções,
em nívea miragem da entidade,
braços estirados em recta de horizonte,
crinas pendentes sobre seios tenazes,
revestido corpo em probidade,
à adornada crucificação dos fascínios,
suspensão em auges,
e,
em magia do retrato em encanto,
admirei-te,
puro êxtase arrebatado.

Porque te observei,
enquanto as pétalas não abriram,
ao esplendor,
paciente entre licores de plumas,
entre os cheiros das essências,
porque queria a esfinge,
do retrato em encanto,
das disseminações em contemplação,
por martírio em prazeres.

E,
quando foi,
as tuas pétalas abertas explodiram transcendência.

Tatuei a esfinge na minha alma.

© BM Resende

Submited by

segunda-feira, maio 18, 2009 - 08:36

Poesia :

No votes yet

BMResende

imagem de BMResende
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 7 anos 34 semanas
Membro desde: 08/08/2008
Conteúdos:
Pontos: 431

Comentários

imagem de jopeman

Re: A Crucificação Da Musa

Mais um...fabuloso
"em magia do retrato em encanto, admirei-te, puro êxtase arrebatado"... só na crucificação a esfinge se transcendeu para a tatuares na alma.
Transcendente :-)
Abraço

imagem de BMResende

Re: A Crucificação Da Musa

Obrigado pelo comentário, penso que poéticamente se explora pouco o bondage.

Abraço.

imagem de Henrique

Re: A Crucificação Da Musa

Porque te embriaguei,
aos dóceis licores de plumas,
provocadas nuas ao portentoso,
sublimado posicionamento ao delicado,
por harmonia de feições fáusticas,
vagueaste espíritos sedentos ao sereno.

Espectacular, intenso e muito agradável de ler!!!

:-) :pint:

imagem de BMResende

Re: A Crucificação Da Musa

Obrigado. Tive por objectivo deambular na volúpia.

Abraço.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of BMResende

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos hidromorfose IV – zumbidos da diástole 0 989 05/13/2011 - 02:10 Português
Poesia/Pensamentos hidromorfose III – cerejas de âmbar 0 769 05/13/2011 - 02:08 Português
Poesia/Pensamentos hidromorfose I – escarpa lacrimária 1 1.022 05/13/2011 - 02:03 Português
Poesia/Pensamentos hidromorfose II – anseio ovular 0 1.094 05/13/2011 - 01:56 Português
Poesia/Intervenção porque o cavaco é uma avantesma parida de si mesmo 4 1.459 03/26/2011 - 00:08 Português
Fotos/Natureza azimute 0 1.608 03/08/2011 - 20:03 Português
Fotos/Natureza descravidades 0 1.165 03/08/2011 - 19:57 Português
Fotos/Natureza entre vês II 0 1.102 02/25/2011 - 03:24 Português
Fotos/Natureza fogueiras reticulares 5 1.581 01/16/2011 - 05:44 Português
Fotos/Outros porticularidades II - fechadura de enraizamento luzicída 1 1.288 01/05/2011 - 23:00 Português
Prosas/Pensamentos sobre os biscoitos 0 1.131 12/30/2010 - 15:58 Português
Prosas/Pensamentos sobre o vermelho 0 1.313 12/30/2010 - 15:57 Português
Fotos/Outros porticularidades XIII - arena satânica no devir de fogo circular 0 2.161 12/29/2010 - 20:27 Português
Fotos/Outros porticularidades XII - intermezzo 0 961 12/29/2010 - 20:18 Português
Fotos/Outros porticularidades XI - frequências canalizadas ao epicentro 0 1.139 12/29/2010 - 20:12 Português
Fotos/Outros porticularidades X - pensamento ramificado 0 1.202 12/29/2010 - 19:35 Português
Fotos/Outros porticularidades IX - renascimento do zoomórfico abstracional 0 2.880 12/29/2010 - 19:27 Português
Fotos/Outros porticularidades VIII - pesologia leiterária na destreza canhota 0 1.790 12/29/2010 - 19:21 Português
Fotos/Outros porticularidades VII - dizer água 0 1.138 12/29/2010 - 19:15 Português
Fotos/Outros porticularidades VI - quatro degraus aos quais falta o primeiro 0 1.144 12/29/2010 - 19:07 Português
Fotos/Outros porticularidades V - isomorfismo do espelho no horizonte 0 1.513 12/29/2010 - 17:03 Português
Fotos/Outros porticularidades IV - tendendo para a sua forma 0 1.093 12/29/2010 - 17:01 Português
Fotos/Outros porticularidades III - degrau porticular 0 958 12/29/2010 - 16:59 Português
Fotos/Outros porticularidades I - pórtico da desnatalidade trigésima quarta 0 1.268 12/29/2010 - 16:52 Português
Prosas/Teatro as natalícias [ensaio de teatro] 0 812 12/28/2010 - 15:23 Português