CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Pai de tempos idos

Pai, poema, poesia!
Recordo-te com a nostalgia
de tempos idos,
de medieval encanto,
em castelos de areia
feitos apenas de fantasia…

Sentia-me protegida
com o teu olhar de afago,
tantas vezes dilatado
do líquido avermelhado
que, inimigo, te seduzia…

Olhava-te e calava
a raiva ardendo no peito,
fogo que ateava
com palavras mordazes
produzindo contrário efeito…

Não eras tu,
ser de natural doação
na ajuda ao alheio.
Despojado de teres e haveres,
delapidavas teu nobre coração,
seduzindo a roda de amigos,
rostos abertos em sorrisos.

Vidas pobres em espírito…
A feira não era de vaidades…
Conversas eivadas de vacuidades,
subiam rápido em delírio…

Havia bocas a sustentar,
um futuro a preparar,
família para amar
e longo caminho a desbravar…

Pai de tempos idos
Ausentes mas não esquecidos!

OF 19-03-12

http://portate-mal.blogspot.pt/

Submited by

terça-feira, março 20, 2012 - 02:31

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Odete Ferreira

imagem de Odete Ferreira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 22 semanas 6 dias
Membro desde: 01/11/2011
Conteúdos:
Pontos: 1918

Comentários

imagem de Jorge Humberto

Minha, querida, amiga, Odete,

Minha, querida, amiga, Odete,
 

belo poema, dedicado a quem foi tua ancora, teu porto, aconchego nas horas mais tardias.
Gostei de como terminas tua poesia: "Pai de tempos idos
Ausentes mas não esquecidos!... Nunca se nos esquece, quem em vida foi tudo para nós.
Hoje lembrança, no colo de teus braços, morando juntinho a teu coração. Lindo demais, querida!
 

Beijinhos mil.
Jorge Humberto.

imagem de Odete Ferreira

P/Jorge Humberto (Pai de tempos idos)

Amigo Jorge Humberto: sim, concordo com o teu carinhoso comentário. São tempos idos mas não esquecidos...

Tenho consciência que (ainda) tenho boa memória e esta é a principoal característica da nossa identidade. Daí que haja o lado que me é mais querido e um outro ao

qual era alheia, mas nada podia fazer...

Grata pela tua generosa apreciação.

Bjosmiley

imagem de bobbysouza

Olá minha amiga Odete, O

Olá minha amiga Odete,

O passado mutas vezes toma o lugar do nosso presente, creio que isso aconteça pelas marcas fundas deixadas em nossas almas.

Ainda hoje tento esquecer meu passado que só me atormenta, é como se tudo aquilo tivesse acontecido ontem. Paro, respiro e digo:

"Passou, Charlles. Se acalme, isso foi a muito tempo..." Nossa mente não tem noção de tempo, se não assumimos as rédeas dela, surtamos e perdemos o controle de nós mesmos!

Adorei cada linha desse poema, minha nobre amiga Odete...

Um beijo do Bobby ;)

imagem de Odete Ferreira

P/bobbysouza (Pai de tempos idos)

Amigo bobbysouza: escrevi este poema para participar num desafio de escrita, apesar de não ser nada o meu estilo escrever sobre "demanda"...

Entendo que o passado não posso ser "dourado" só para ser politicamente correto e todas as marcas "nos fizeram como somos": as genéticas, as circunstâncias, o

meio, etc (há tantas teorias...).

Alma sensível, acredito que tenhas "bebido" cada palavra, sobretudo, entendeste o poema.

Bjosmiley

imagem de Henrique

Pai de tempos idos

Ausentes mas não esquecidos....

 

Os teres e os haveres sem efeito em tão nobre sentir,

Fazer que abandona a fantasia para ser real....

 

Belo poema amiga Odete...

 

Beijinho

 

:-)

imagem de Odete Ferreira

Para Henrique (Pai de tempos idos)

Querido amigo Henrique: pai aporta um significado enorme mas isso não significa que não seja um ser humano, sujeito a circunstâncias várias...

Nem tudo é idílico...Posso fantasiar, se me apetecer, mas não gosto de pintar com cores aquilo que me é mais incolor....

Grata...Bjo smiley

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odete Ferreira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Intervenção E a festa veste-se em cada madrugada 0 383 04/25/2016 - 02:29 Português
Prosas/Outros No sopé da montanha 0 311 12/30/2015 - 22:42 Português
Poesia/Meditação À míngua 0 499 12/30/2015 - 22:36 Português
Poesia/Fantasia Surrealidades 0 447 12/13/2015 - 19:07 Português
Poesia/Intervenção Não invoquem o meu nome em vão 0 576 11/25/2015 - 02:18 Português
Poesia/Fantasia Surreal XXVIII 2 407 09/05/2015 - 19:00 Português
Prosas/Outros Da alma 0 297 09/01/2015 - 19:58 Português
Poesia/Intervenção Da destemperança 0 593 08/26/2015 - 01:35 Português
Poesia/Meditação E no entre-Tanto faço caminho 0 396 07/02/2015 - 23:55 Português
Poesia/Meditação E continuamos pequeninos! 0 457 06/02/2015 - 20:15 Português
Poesia/Intervenção Nem te renego nem me nego 0 488 04/25/2015 - 02:08 Português
Poesia/Dedicado Laudatória 0 360 03/24/2015 - 19:03 Português
Poesia/Dedicado És...Mulher 0 740 03/08/2015 - 18:53 Português
Poesia/Amor Vida(s) 0 590 02/14/2015 - 18:07 Português
Poesia/Amor Moras nos meus sonhos 0 637 02/13/2015 - 16:30 Português
Poesia/Dedicado Olhares 0 912 01/22/2015 - 01:58 Português
Prosas/Outros Do exato momento da VIragem 0 641 12/30/2014 - 14:27 Português
Poesia/Geral Semeio-me de Natal 0 601 12/23/2014 - 00:14 Português
Poesia/Meditação Beleza horizontal 0 666 12/05/2014 - 20:07 Português
Poesia/Geral Tens o milagre na mão 0 541 11/17/2014 - 02:27 Português
Poesia/Dedicado E eu seguia-te 0 516 11/08/2014 - 17:06 Português
Poesia/Soneto Resgate 0 649 11/03/2014 - 01:47 Português
Poesia/Tristeza Vazios 0 675 10/21/2014 - 16:01 Português
Poesia/Geral Versos molhados 0 524 10/09/2014 - 00:52 Português
Poesia/Fantasia Da vida extraímos sinfonia 0 532 10/03/2014 - 00:57 Português