CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Óperas, guia para iniciantes - LA TRAVIATA - Histórico - Final

A palavra italiana, “Traviata”, foi traduzida para o português do Brasil como “Transviada”; ou seja, aquela que se “transviou dos bons caminhos”.

Foi a forma encontrada, pelos produtores em solo nacional, de não escandalizar a pudíca sociedade do início do século XX, época em que a Ópera debutou no Rio de Janeiro.

Utilizar as outras traduções possíveis, como “cortesã”, “prostituta” etc. seria impensável, já que o gênero se prendia às normas da “moral e dos bons costumes” e qualquer transgressão poderia representar fracasso de crítica e de público.

Contudo, essa concessão acabou gerando um involuntário acerto, haja vista que a atenuação bem combina com a delicadeza de Violetta, apesar de seu comportamento ser dissonante ao padrão. Delicadeza de gestos, de fala e de expressões, que foi magistralmente captada por Verdi, como se pode notar na adequação das Árias que ele compôs para a personagem, as quais, ademais, ressaltam a nobreza de seus sentimentos mais íntimos.

Como já citamos na nota alhures, a personagem original nasceu da pena de Alexandre Dumas Fº, baseada em uma mulher que existiu realmente: a belíssima Alphonsine Plessis, falecida em 1847, aos vinte e três anos de idade, vitima de pneumonia, após uma vida atribulada por paixões, aventuras, festas e escândalos.

A vida de Alphonsine fascinava o público de todas as camadas sociais, tanto por sua enorme beleza, quanto pela forma independente de viver. E com os artistas não era diferente, resultando em uma grande legião de admiradores entre os pintores, os escultores, os escritores etc.

Consta, aliás, que ela teria sido uma das grandes paixões vividas por Dumas que, por isso, imortalizou-a na figura de Marguerite Gauthier, a célebre “Dama das Camélias”, no romance homônimo, publicado em 1848.

O sucesso que o romance logo alcançou foi imenso e quatro anos após o seu lançamento a história foi levada para o Teatro, onde Verdi e o poeta Piave, seu libretista doutras obras, a conheceram, tornando-se imediatamente admiradores da trama, sequiosos em transformarem-na em Ópera.

Após negociar seus direitos, a dupla entregou-se ao trabalho com tamanho afã que Verdi gastou apenas um mês para concluir a parte melódica, sendo acompanhado pari passu por Piave na parte dramatúrgica. Um recorde, já que o prazo normal era de quatro vezes isso.

E ao contrário do adágio popular “a pressa não foi inimiga da perfeição”, pois o trabalho foi feito com enorme competência e sensibilidade e, dessa sorte, após os trinta dias de trabalho diuturno a obra estava pronta para receber os primeiros elogios, que, desde então, nunca mais deixaram de lhe ser ofertados.
 

São Paulo, 11 de março de 2015.

Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro, Verão de 2015.

 

Submited by

quarta-feira, março 11, 2015 - 16:08

Prosas :

No votes yet

fabiovillela

imagem de fabiovillela
Offline
Título: Moderador Poesia
Última vez online: há 3 anos 26 semanas
Membro desde: 05/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 6158

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of fabiovillela

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza A Canção de Alepo 0 1.923 10/01/2016 - 22:17 Português
Poesia/Meditação Nada 0 1.455 07/07/2016 - 16:34 Português
Poesia/Amor As Manhãs 0 1.315 07/02/2016 - 14:49 Português
Poesia/Geral A Ave de Arribação 0 1.360 06/20/2016 - 18:10 Português
Poesia/Amor BETH e a REVOLUÇÃO DE VERDADE 0 1.416 06/06/2016 - 19:30 Português
Prosas/Outros A Dialética 0 1.633 04/19/2016 - 21:44 Português
Poesia/Desilusão OS FINS 0 1.717 04/17/2016 - 12:28 Português
Poesia/Dedicado O Camareiro 0 2.572 03/16/2016 - 22:28 Português
Poesia/Amor O Fim 1 1.416 03/04/2016 - 22:54 Português
Poesia/Amor Rio, de 451 Janeiros 1 1.408 03/04/2016 - 22:19 Português
Prosas/Outros Rostos e Livros 0 1.399 02/18/2016 - 20:14 Português
Poesia/Amor A Nova Enseada 0 1.723 02/17/2016 - 15:52 Português
Poesia/Amor O Voo de Papillon 0 1.185 02/02/2016 - 18:43 Português
Poesia/Meditação O Avião 0 1.065 01/24/2016 - 16:25 Português
Poesia/Amor Amores e Realejos 0 1.964 01/23/2016 - 16:38 Português
Poesia/Dedicado Os Lusos Poetas 0 1.351 01/17/2016 - 21:16 Português
Poesia/Amor O Voo 0 1.275 01/08/2016 - 18:53 Português
Prosas/Outros Schopenhauer e o Pessimismo Filosófico 0 2.129 01/07/2016 - 20:31 Português
Poesia/Amor Revellion em Copacabana 0 1.489 12/31/2015 - 15:19 Português
Poesia/Geral Porque é Natal, sejamos Quixotes 0 1.385 12/23/2015 - 18:07 Português
Poesia/Geral A Cena 0 1.571 12/21/2015 - 13:55 Português
Prosas/Outros Jihadismo: contra os Muçulmanos e contra o Ocidente. 0 1.355 12/20/2015 - 19:17 Português
Poesia/Amor Os Vazios 0 2.440 12/18/2015 - 20:59 Português
Prosas/Outros O impeachment e a Impopularidade Carta aberta ao Senhor Deputado Ivan Valente – Psol. 0 853 12/15/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor A Hora 0 2.042 12/12/2015 - 16:54 Português