CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

18 - Uísque

18 HORAS (DEPOIS)
Bate com igual propósito o meu coração
Aquele com o qual o bom Deus cada oração
Que eu lhe fiz ouviu. Vivo com a sobriedade
Do choque entre os meus lábios quentes e a frialdade
De três pedras de gelo, cheio de uma dor
Que só após uma longa noite ébria de amor
Poderia vir. Diluída num torpor. Constante.
Sentindo que de mim mesmo já fui o bastante.

Sobre tudo derrama-se uma estranha luz.
Sobre a minha cabeça Deus preso em sua cruz,
Mãos atadas, sem ter aonde ir ou o que fazer.
Apático. Ridículo. Nada a dizer.
Indiferente a tudo, o olhar de um peixe morto
Em seu próprio silêncio à deriva e absorto.
Cheio de suas palavras vazias sobre ternura
Nada além de uma face tão fria quanto dura.

Mas permaneço aqui, sob esta luz mortiça.
E enquanto à luz de outrora a alma é submissa
Observam-me as fotografias na parede.
Encaram-me dali, pregadas. Sentem sede
De si mesmas, de mim, de significado...
Faces desconhecidas por todos os lados
Que me assistem, deste espetáculo ridículo
O centro em torno do qual Jesus está... em círculos.

18 ANOS (ANTES)
Sobre tudo derramam-se os anos dourados,
Inúteis, sem fim agora que estão acabados,
Acabando comigo ou com o que há de mim,
As últimas gotas como litros sem fim.
Sou um litro por beber já tendo sido bebido,
O gelo que se perde em meio a isto diluído,
A mesma luz por todo o cômodo difusa
Como se entre si as estações estivessem confusas...

Um único copo infinitos pingos soma,
Enquanto um único eu dentro desta redoma
De vidro nada é muito além deste covarde
Cuja euforia líquida derrama-se sem alarde,
Cuja vida na morte do seu amor se afoga,
Cuja morte por uma razão de viver roga,
Cujas rogas ninguém nunca tem ouvido,
Cujo alarde de si mesmo não escolhe ouvidos.

Tal qual garrafa numa caixa adormecida,
Nunca esquecida, a espera do dia em que servida
Será; ou, ainda antes, tal o malte que descansa
Em barris vivemos, destilamos lembranças.
Deixamos frias pegadas neste escuro assoalho.
Levamos coisas da mobília de carvalho.
Quadros nós pomos nas paredes de madeira.
Ouvimos juntos o crepitar da lareira.

Cada peça escolhemos nós dois da mobília,
Mobília para qual não haverá mais família,
Sem propósito; quem as use não mais há
Tal quem meu coração use não mais haverá...
Eis amarela a alvura! encardidas as louças;
Murcha a memória de quando ainda era uma moça
Como uma flor num vaso com álcool em vez de água.
Meus olhos rasos, tudo imerso à mesma mágoa!

18 LITROS (AO TODO DE NADA)
Ah! Sobre a vida a luz derrama-se amarela,
Antes âmbar, mas mais e mais clara: feito ela,
Que se dissolve em mim e por toda a casa,
Cuja cor da pele que se atenua e esfria me arrasa
E a minha dor inflama e continua e me inflama
E me faz cair feito as folhas lá fora em chamas
Contudo suando, gélido contudo, e duro,
Mal fadada lasca do gelo mais impuro!

E estes amigos... de quem?! Péssimos garçons,
Que pensam que eu não sou capaz de ouvir o som
De quando cospem eles na minha bebida;
De quando querem tirar proveito da vida
Alheia com sempre, sempre! os seus mesmos papéis
E sorrisos vis sem lhes importar quem és
Ou tua vida, esta outra imunda contra o meu corpo
Esbarrando a fim de roubar-me o último copo!

Diz-me: o que é vida se não uma destilaria
Pintada com as cores todas da alegria
Por cujo patrocínio até Deus faz desfile
Quando na verdade serve-se apenas bile?
Dos corpos todos, sem mais gota de emoção,
Sacrificam sem misericórdia o coração
Os outros órgãos por um pouco de energia
Em louca de ébria abstênica sinergia!

Cada órgão que se move, em verdade, não pulsa,
Porém se manifesta tamanha a repulsa
Ante a tudo como não deveria ter sido!
As lágrimas dela no meu sangue diluído!
O meu ser tal qual um evangelho sem propósito!
Pueril e velho de bebidas como um depósito
Sombrio, rangendo de tanto vazio completo.
De lembranças que lhe me consomem repleto.

UÍSQUE
O meu coração bate, se é que ele ainda bate,
Feito um cachorro que aflito pro dono late,
Porque nunca ouve. Parece não se importar.
Está em casa, porém não se sente num lar.
Tem as opções, mas se sente sem escolha...
Como sinto que não há terno colo que o acolha,
Somente o uísque aquecendo-me algum pouco o peito
Enquanto ela jaz na frialdade do seu leito.

Autor: Adolfo J. de Lima

2014; João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Submited by

quarta-feira, agosto 27, 2014 - 21:13

Poesia :

No votes yet

Adolfo

imagem de Adolfo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 17 semanas 1 dia
Membro desde: 05/12/2011
Conteúdos:
Pontos: 3526

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Adolfo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Soneto Boemia 0 200 08/13/2017 - 14:46 Português
Poesia/Paixão Konijntje 2 191 04/20/2017 - 16:11 Português
Poesia/Desilusão Uma nau sem rumo 0 257 04/20/2017 - 16:04 Português
Poesia/Erótico Austeridade 2 209 04/14/2017 - 14:48 Português
Poesia/Soneto Última lua juntos 1 148 01/20/2017 - 09:50 Português
Poesia/Amor Leviatã 0 356 02/22/2016 - 23:36 Português
Poesia/Fantasia Meu pequeno mito da criação 2 415 07/12/2015 - 17:01 Português
Poesia/Paixão A sós em Cabo Branco 2 663 08/27/2014 - 21:21 Português
Poesia/Desilusão 18 - Uísque 0 830 08/27/2014 - 21:13 Português
Poesia/Haikai Hai-kai da lua 1 2.007 06/13/2014 - 23:07 Português
Poesia/Poetrix Do quarto-minguante 2 493 06/13/2014 - 22:35 Português
Poesia/Intervenção Choque! 0 858 06/21/2013 - 19:30 Português
Poesia/Soneto Eu quero ver a grande confusão! 0 738 06/19/2013 - 21:31 Português
Poesia/Soneto Revisão De Princípios - Fim Dos Princípios 0 973 04/12/2013 - 00:31 Português
Poesia/Meditação Aranhas 0 856 04/05/2013 - 00:49 Português
Poesia/Soneto Cochilo do ímpeto 1 787 04/04/2013 - 09:43 Português
Poesia/Soneto Pontius Pilatus 0 732 04/01/2013 - 15:29 Português
Poesia/Soneto O bem (que) teria ficado para trás 2 452 03/26/2013 - 17:24 Português
Poesia/Soneto Tão mal, feito raro, querendo esquecer 2 778 03/25/2013 - 23:39 Português
Poesia/Soneto Revisão de princípios – A esmo nada além de si mesmo 4 556 03/19/2013 - 19:58 Português
Poesia/Pensamentos Rainha de copas 2 732 02/26/2013 - 20:55 Português
Poesia/Soneto "Deus está morto!" 0 1.008 02/22/2013 - 16:01 Português
Poesia/Soneto Bárbara Barbara 0 805 02/14/2013 - 19:44 Português
Poesia/Pensamentos inSônia 0 1.019 02/13/2013 - 23:03 Português
Poesia/Soneto Mikaella II 0 611 02/08/2013 - 16:47 Português