CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um conto de dor e neve (AjAraujo)

Da janela de uma casa ornada em momento preparatório para a ceia de Natal.
- O que aquela mulher e crianças estão fazendo?
- Ah, é provável que esteja louca, onde já se viu uma coisa dessas: catar flocos de neve nos pratos...
- Mas olha só a alegria deles (diz a vovó, extasiada com a cena)
- O avô (ranzinza para variar), patriarca da família, diz logo, melhor fechar essas cortinas, não quero estragar a nossa ceia com esta cena patética.
- Uma das crianças, Isaac que está em remissão de leucemia, afasta um pouco as cortinas fechadas por ordem do avô, bate na madeira, uma das pequenas crianças vê e olha sorrindo para ele.
- Isaac não atende aos inúmeros chamados do avô bastante zangado que dizia "com essa gente pestilenta não se mistura, ainda mais você com esta leucemia".
- Mas, o pequeno Isaac faz ouvidos de mercador, dá um sinal de me espera, apanha seu saquinho de brinquedos, chocolates e outras guloseimas e alguns cachecóis que insistem que use, arranca para a porta abre e em disparada vai para a rua.
- Ficam todos em polvorosa, o que este menino foi fazer lá fora? No mínimo vai pegar uma pneumonia e ainda por cima estragar nosso Natal, diz a inconformada mãe Ivana.
- O que está fazendo Josef, vá logo lá fora buscar esse menino, o tempo está muito ruim.
- Enquanto isso, Isaac se abraça com as três crianças, lhes entrega o muito que tinha, e recebe do pouco ou quase nada que eles possuíam, um forte abraço e o aconchego de ser humano que lhe faltava - ele era sempre o coitadinho, tinha que usar sempre máscara, os abraços eram raros, sempre meticulosamente traçados.
- Isaac lhes pergunta os nomes e eles se chamam Juan, Guadalupe e Ramon, e a mãe Sara, são de uma família sem teto de latinos, despejados após o pai morrer de câncer há um mês apenas, sem renda para bancar o aluguel do trailer, o dono não teve dó, eles estão nas ruas há 5 dias.
- Isaac pede também um prato e também começa a coletar os flocos de neves que parecem coloridos como guloseimas e todos fazem círculos cantando aquele momento mágico.
- Isaac perguntou a Ramon o que significava aquela neve colhida nos pratos, ele disse que era um sonho que teve, pois, a neve era o alimento que o nosso papai nos enviava dos céus para que sempre estivéssemos juntos, e que deixássemos a tristeza de lado, e fizéssemos o Natal como o menino Jesus que ao nascer não teve uma casa que o acolhesse junto a Maria e José.
- O pai em vão tentou chegar até eles, no afã de interromper aquele "baile de neve", não teve o cuidado para atravessar a neve e teve um tombo espetacular que levou todos aos risos inicialmente pela trapalhada e depois suscitou preocupações, pois não conseguia se levantar.
A família interrompeu a ceia e foi socorrer Josef que não conseguia mexer as pernas havia batido fortemente com a coluna cervical em uma pedra do jardim em frente à casa...
As crianças da família de Sara tomaram Isaac - que estava estático com a cena - pelas mãos e se dirigiram a seu pai...
O que aconteceu então era inimaginável...
Enquanto chamavam o socorro para Josef, as crianças de Sara, chamaram os irmãos de Isaac que eram Mary e John e juntos cada qual foi, orientado por Ramon, a segurar cada braço e perna de Josef.
Bem, e se ele havia tido traumatismo cervical, o que era provável, o que fazer? Ramón fez uma oração circundando com as mãos o pescoço dolorido de Josef que olhava incrédulo...
Então Ramon pediu a Josef que movimentasse os dedos dos pés, depois das mãos, os joelhos, o que ele fez bastante temoroso...
Depois Ramon lhe pediu que olhasse para o céu abrisse bem os lábios e recebesse "a neve da cura", ele fez isso, ante os olhares de todos os familiares e do avô que somente balançava a cabeça e olhava para o relógio torcendo que logo chegasse a ambulância.
- Finalmente chega a ambulância, faz os procedimentos de imobilização de praxe, leva Josef, Ramon e Isaac insistem em acompanhá-lo.
Qual não foi a surpresa da equipe médica após a tomografia e ressonância, havia sinais de uma fratura das vértebras cervicais C2 e C3, e com um estranho calo de cicatrização que protegia a medula cervical ainda abalada, com discreta inflamação em volta. Mas este calo demoraria dias, semanas, meses para se formar, era como se algo tivesse "acelerado" o processo, liberando a medula encarcerada, mas não rompida, e ossificando em tempo recorde aquelas vértebras tão fragilizadas após a queda.
A equipe médica olhou perplexa, repetiu os exames neurológicos, e Josef já sentia todos os movimentos, embora ainda sem a força necessária para deambular sozinho.
Um dos médicos foi lá fora e colocou os braços sobre os ombros das crianças e disse que "o papai milagrosamente" escapou, ele poderá andar com auxílio de muletas e terá que ficar em observação por 24 horas.
Disse mais, "como ele insiste muito" poderá ir para a casa cear com vocês, mas qualquer coisa nos avisem e amanhã precisará vir ao hospital para ser avaliado, e também precisará usar este colar cervical para proteger a medula.
- Isaac com os olhos descerrando lágrimas se abraça ao médico neurologista Thomé e ao menino Ramon.
O médico pede que esperem e traz uma bela caixa de bombons para cada um, e Ramon lhe diz, mas doutor são seus, foram presente que lhe deram?
- O médico lhe diz, vocês são o maior presente deste Natal, este homem foi curado, e isso não foi obra nossa, foi de vocês, essa energia de vocês é muito forte, não consigo explicar, diz emocionado e aos prantos.
Josef chega em casa, estavam todos à porta, o avô se apressa a pedir para prepararem um prato para cada uma das crianças de Sara.

- Então o próprio Josef lhe repreende e diz, "papai, eles são nossos convidados especiais, são os anjos enviados por nosso Senhor para abençoar a nossa ceia de Natal, quero que eles se sentem aqui conosco, Isaac nos deu uma lição de grandeza, humildade, solidariedade e amor hoje, e o que Ramon fez foi de uma grande generosidade, ele que havia perdido o pai há tão pouco tempo". Ramon havia lhe contado sua história no caminho de volta para casa.
- Sara fez a oração de Natal, todos sentaram-se a mesa e perceberam uma forte luz irradiar por entre as cortinas ainda entrecerradas, foi a avó se dirigiu para abri-las e disse: é hora de receber o Deus de amor em nossas vidas e em nossos corações, quero primeiro chamar a Ramon e a Isaac para me ajudar na entrega dos presentes.
Ao anoitecer, após muitas cantigas de Sara e das crianças que não conheciam, abrigaram aquela família despojada de tudo no sótão aquecido da casa, e de nada adiantaram os argumentos, Isaac quis e foi dormir com eles.
Foi o último Natal de Isaac, e ele havia dito para todos que havia sido o mais feliz de todos, uma semana depois teve uma recaída e não suportou dessa vez. Em sua última noite pediu a sua mãe que levasse Ramon para ficar com ela e Josef. Os pais atenderam seu pedido, no último soluçar, pediu que abrissem as cortinas e olhou para a neve caindo e disse: Ramon quando brincar com seus irmãos separe um pratinho deixe a neve cair, eu virei em flocos para brincar com vocês. Papai...
- Diga meu filho, falou com a voz embargada Josef.
Ampare Ramon e seus irmãos, ofereça um trabalho para Sara, e chame ela para o coral da nossa Igreja.

O pai acenou que sim, os dedos de Isaac foram perdendo força e se soltando das mãos de Josef, sua mãe e do amigo Ramon, esboçou um último sorriso e disse nos veremos na neve Ramon, no próximo Natal, agora vou dormir...

AjAraujo, o poeta humanista, escrito em 3 de novembro de 2016.

Submited by

terça-feira, dezembro 20, 2016 - 10:42

Prosas :

No votes yet

AjAraujo

imagem de AjAraujo
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 48 semanas 3 horas
Membro desde: 10/29/2009
Conteúdos:
Pontos: 15557

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of AjAraujo

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Prosas/Contos Um conto de dor e neve (AjAraujo) 0 830 12/20/2016 - 10:42 Português
Prosas/Contos Conto de Natal (Rubem Braga) 0 341 12/20/2016 - 10:28 Português
Prosas/Contos A mensagem na garrafa - conto de Natal (AjAraujo) 0 1.084 12/04/2016 - 12:46 Português
Poesia/Intervenção Educar não é... castigar (AjAraujo) 0 325 07/07/2016 - 23:54 Português
Poesia/Intervenção Dois Anjos (Gabriela Mistral) 0 1.164 08/04/2015 - 22:50 Português
Poesia/Dedicado Fonte (Gabriela Mistral) 0 661 08/04/2015 - 21:58 Português
Poesia/Meditação O Hino Cotidiano (Gabriela Mistral) 0 646 08/04/2015 - 21:52 Português
Poesia/Pensamentos As portas não são obstáculos, mas diferentes passagens (Içami Tiba) 0 808 08/02/2015 - 22:48 Português
Poesia/Dedicado Pétalas sobre o ataúde - a história de Pâmela (microconto) 0 1.354 03/30/2015 - 10:56 Português
Poesia/Dedicado Ode para a rendição de uma infância perdida 0 856 03/30/2015 - 10:45 Português
Poesia/Tristeza Entre luzes e penumbras 0 997 03/30/2015 - 10:39 Português
Poesia/Tristeza No desfiladeiro 1 1.327 07/25/2014 - 23:09 Português
Poesia/Intervenção Sinais da história 0 898 07/16/2014 - 23:54 Português
Poesia/Fantasia E você ainda acha pouco? 0 1.617 07/16/2014 - 23:51 Português
Poesia/Aforismo Descanso eterno 2 2.106 07/03/2014 - 21:28 Português
Poesia/Intervenção Paisagem (Charles Baudelaire) 0 1.314 07/03/2014 - 02:16 Português
Poesia/Meditação Elevação (Charles Baudelaire) 0 1.282 07/03/2014 - 02:05 Português
Poesia/Intervenção A uma mendiga ruiva (Charles Baudelaire) 0 2.484 07/03/2014 - 01:55 Português
Poesia/Intervenção Coração avariado 1 1.027 06/25/2014 - 02:09 Português
Poesia/Fantasia Flores bonecas 2 1.183 06/24/2014 - 19:14 Português
Poesia/Intervenção Caminho de San Tiago 0 1.612 06/23/2014 - 23:31 Português
Poesia/Soneto Há em toda a beleza uma amargura (Walter Benjamin) 1 1.526 06/20/2014 - 20:04 Português
Poesia/Soneto Vibra o passado em tudo o que palpita (Walter Benjamin) 1 1.043 06/19/2014 - 22:27 Português
Poesia/Meditação Sonhe (Clarice Lispector) 1 1.211 06/19/2014 - 22:00 Português
Poesia/Intervenção Dá-me a tua mão (Clarice Lispector) 0 1.209 06/19/2014 - 21:44 Português