CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Serenidade

Serenidade. A palavra com que caracterizo este momento, final da manhã, sentada num dos cafés da nossa “baixa”. Sim, agora as cidades ditas de média dimensão também têm a sua “baixa”. A nossa avista um rio feito lago onde águas serenas se alindam com o reflexo das árvores, da luminosidade natural e artificial, mais profusa nesta quadra.
Dormi bem. Sei que sonhei sonhos difusos, organizei tarefas prementes. Seguiu a mensagem de Natal nas páginas onde escrevo, confidentes de mim e partilhadas para quem gosta de me ler. Também por mail. E algumas conversas de voz que são sempre o melhor. Faltam algumas sms, mas faltam sobretudo pessoas que gostava de ter comigo para o abraço real. No entanto, o afeto é conectividade, por isso também segue pelos fios elétricos, por satélite, sei lá que mais. Mas segue!
Pouca gente na rua, a estas horas. Calmaria, ausência de poluição sonora. Pessoas que riem e eu sorrio. Um sorriso imperceptível, de felicidade disfarçada. Nunca a sentirei plenamente. O que sou impede-me de esquecer as realidades deste mundo tão desigual.
Há pouco recebia uma sms de uma jovem que acompanhei, institucionalizada por circunstâncias da vida. É mais uma das minhas jovens amigas. Vejo sempre o seu olhar meigo e o sorriso doce que me envolvia, brincando com os meus sapatos de cordões ou algo do género. Talvez por isto ou aquilo é que dou ao sorriso a centralidade do ser. Mas fiquem sabendo que fico literalmente de ventas com atitudes que visceralmente me transfiguram…
Anjo, demónio. Dicotomia e coexistência.
Hoje serei, seguramente, um anjo de asas vermelhas. Só porque visto um casaco vermelho ou será porque é a cor do pai natal? Vá lá, um pouco de humor neste dia de consoada, predispõe para apurar o(s) sentido(s) dos vários sabores que esta quadra pode proporcionar.
Enfeite-mo-nos deles e pisaremos pedaços de céu apenas nossos!

Odete Ferreira 24-12-2011

http://portate-mal.blogspot.com/2011/12/serenidade.html

 

Submited by

quarta-feira, dezembro 28, 2011 - 20:12

Prosas :

Average: 5 (1 vote)

Odete Ferreira

imagem de Odete Ferreira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 13 semanas 13 horas
Membro desde: 01/11/2011
Conteúdos:
Pontos: 1918

Comentários

imagem de Teresa Almeida

Gosto muito do texto

Gosto muito do texto precisamente porque foste escrevendo afloramentos, ideias que se soltaram, relatos do que fazes, do que vês, do que sentes...

Paixões e inquietações de um tempo vermelho de Natal.

Xi heart

 

imagem de Odete Ferreira

P/Teresa Almeida (Serenidade)

Querida amiga: não tenho pretensões a personlidade literária do ano smiley, logo escrevo a meu bel prazer e deixando deslizar os dedos no caderninho...

Obg por gostares destes "sentires" serenos!

kiss e um xiheart

imagem de bobbysouza

Amei ler esse seu relato tão

Amei ler esse seu relato tão original e autêntico!!! Tens uma percepção da vida aberta ao que pode vir e ainda sim conservando o que já tens e esse sinceramente é o segredo da felicidade! Aceitar o novo sem desprezar o velho que já nos trouxe tão belas lembranças...  Beo lugar a que descrevestes e faz-me sonhar em cada linha...

"Enfeite-mo-nos deles e pisaremos pedaços de céu apenas nossos!"

Obrigado pelo prazer de ler-te,

- Grande Beijo - Bobby Souza

imagem de Odete Ferreira

P/ bobbysouza

Grata pelo que escreveste, sentido que te deu prazer este relato de mim, do meu estar e de mim no estar deste cenário/circunstãncias com que o fui salpicando....

Sou assim mesmo, sobretudo quando escrevo, nada é antecipado, apenas vem!

Por vezes digo para mim mesma "estou apaixonada"  e sinto-o, sem alvo concreto; pode ser o passo que dou, o sorriso que aflora, momentos de vida...Assim,

escrever em prosa ou verso é estar num estado de paixão. É a forma de envolver coisas ou pessoas em abraços que não posso dar ou receber por circunstâncias

diversas smiley

Abraço-te, Bobby Souza

 

imagem de SuzeteBrainer

Querida Odete, Belíssimo

Querida Odete,

Belíssimo texto!!

"Talvez por isto ou aquilo é que dou ao sorriso a centralidade do ser."

E depois dessa tua bela construção poética, deixo o meu sorriso de satisfação ao percorrer por esse teu texto...

Beijinho, amigasmiley

 

imagem de Odete Ferreira

P/SuzeteBrainer (Serenidade)

Sempre um enorme prazer encontrar -te neste espaço!

E, uma vez mais, muito obrigada por te ser prazeiroso ler este texto, por isso também te sorrio, abertamementelaugh

Bjo, amiga de alma doce...

 

imagem de Nostalgia

Uma bela interiorização, da

Uma bela interiorização, da felicidade possível.yes

Que 2012 lhe traga a concretização de sonhos ainda por realizar.  Muitos poemas e prosas, etc, lindos, para deliciar quem os lê.
O sonho comanda a vida e enquanto houver sonhos, então é porque a nossa mente ainda funciona em pleno.
kiss

imagem de Odete Ferreira

P/Nostalgia (Serenidade)

Obg pela presença e comentário, amiga Nostalgia.

Um texto "quase" transparente, confessional no sentido de sentir que o escrevia partilhando algo de muito positivo com quem o viessse a ler...

Irei deixar os votos de Ano Novo num poema que postarei daqui a pouco.

Agradeço os teus! (como já não seo quem trato por tu ou você, vou começar a usar o tu :)

Bjo smiley

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odete Ferreira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Intervenção E a festa veste-se em cada madrugada 0 570 04/25/2016 - 01:29 Português
Prosas/Outros No sopé da montanha 0 344 12/30/2015 - 21:42 Português
Poesia/Meditação À míngua 0 602 12/30/2015 - 21:36 Português
Poesia/Fantasia Surrealidades 0 575 12/13/2015 - 18:07 Português
Poesia/Intervenção Não invoquem o meu nome em vão 0 852 11/25/2015 - 01:18 Português
Poesia/Fantasia Surreal XXVIII 2 472 09/05/2015 - 18:00 Português
Prosas/Outros Da alma 0 333 09/01/2015 - 18:58 Português
Poesia/Intervenção Da destemperança 0 684 08/26/2015 - 00:35 Português
Poesia/Meditação E no entre-Tanto faço caminho 0 467 07/02/2015 - 22:55 Português
Poesia/Meditação E continuamos pequeninos! 0 587 06/02/2015 - 19:15 Português
Poesia/Intervenção Nem te renego nem me nego 0 547 04/25/2015 - 01:08 Português
Poesia/Dedicado Laudatória 0 397 03/24/2015 - 18:03 Português
Poesia/Dedicado És...Mulher 0 827 03/08/2015 - 17:53 Português
Poesia/Amor Vida(s) 0 644 02/14/2015 - 17:07 Português
Poesia/Amor Moras nos meus sonhos 0 800 02/13/2015 - 15:30 Português
Poesia/Dedicado Olhares 0 1.102 01/22/2015 - 00:58 Português
Prosas/Outros Do exato momento da VIragem 0 663 12/30/2014 - 13:27 Português
Poesia/Geral Semeio-me de Natal 0 798 12/22/2014 - 23:14 Português
Poesia/Meditação Beleza horizontal 0 720 12/05/2014 - 19:07 Português
Poesia/Geral Tens o milagre na mão 0 589 11/17/2014 - 01:27 Português
Poesia/Dedicado E eu seguia-te 0 545 11/08/2014 - 16:06 Português
Poesia/Soneto Resgate 0 907 11/03/2014 - 00:47 Português
Poesia/Tristeza Vazios 0 724 10/21/2014 - 15:01 Português
Poesia/Geral Versos molhados 0 552 10/08/2014 - 23:52 Português
Poesia/Fantasia Da vida extraímos sinfonia 0 733 10/02/2014 - 23:57 Português