Vão-se os Modos, Esvai-se o Tempo

Dominadora da montanha
A sacudir as correntes mornas do rio
Rodopiando num frenesi inovador
É a mestria do vento
Usurpador do sol
E libertador de todas as forças estranhas
Em cada alvoroço da noite

Aguarda-se pelo rejuvenescer dos montes
Em cada amanhecer dos pinheiros
Enquanto as pinhas se soltam desregradas
E em queda livre
Apaziguada pelo tinir fresco da brisa matutina
A embaciar as vidraças ainda fechadas
Das casas dos romeiros
E dos pregoeiros
E até dos lamaceiros

As horas acasalaram já com os segundos
E os relógios não sabem quando é a hora
De rodar os ponteiros
Neste ermo coberto de musgo
Pela humidade crescente
E assente em cada morro esburacado

Vão-se todos de uma vez
Mas ficam as marcas
De uma lufada de ar fresco, talvez
A suavizar os gestos
Que de enxada na mão
Arremessam nas tumbas dos mais sacrificados
Com golpe de mestre
Os acervos
Mutilando os servos
E os almocreves, da dita plebe
Ainda sem motivação para rezar
Unificando os tempos das ditas temperanças

Vão-se os modos
Esvai-se o tempo em que se entrelaçavam
As contas do rosário
Na dureza da carne
Que enchia os dedos todos de uma só vez

Vai-se o tempo em que se castigava o chão
Com pegadas do homem a caminhar descalço
Com desembaraço
Mas esgaço 

Submited by

Thursday, December 1, 2011 - 20:29

Poesia :

No votes yet

ÔNIX

ÔNIX's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 8 years 40 weeks ago
Joined: 03/26/2008
Posts:
Points: 4027

Add comment

Login to post comments

other contents of ÔNIX

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Prosas/Others Enxugo as Lágrimas 0 991 01/19/2009 - 14:18 Portuguese
Prosas/Mistério Entre a Realdade e a Ficção, Uma visão 0 1.188 11/26/2008 - 11:08 Portuguese
Prosas/Romance Vale do Silêncio 0 651 11/17/2008 - 11:11 Portuguese
Poesia/Meditation A Tua Fonte 1 630 05/16/2008 - 11:39 Portuguese
Poesia/Dedicated Tu Mulher 1 945 05/08/2008 - 23:33 Portuguese