CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

JOSÉ ROBERTO ARRUDA

JOSÉ ROBERTO ARRUDA

Nome de planta medicinal
Que nos cura o organismo.
Arruda na Capital Federal
É símbolo de má fé, cinismo.

José arruda diz em Brasília:
Estes milhões que aqui estão
Não significam nada de mal.
São para a brasileira família
Comprar muitos alimentos, pão,
Também panettones no natal.

O José, cínico e sem coração,
Afirma que o que fez não é mau.
Então é boa a corrupção?
Arruda é muito cara de pau.

Mas ele não está sozinho
Estão envolvidos outros mais.
Este esquema de corrupção
É um enorme torvelinho
Que esta sujando os maiorais
Governantes da nossa nação.

Abra o olho ó meu povão.
Se quiser ser mais feliz
Rejeite na próxima eleição
Todos os "Arrudas" deste país.

Victor Alexandre

Submited by

domingo, dezembro 2, 2012 - 13:11

Poesia :

No votes yet

VICTOR ALEXANDRE

imagem de VICTOR ALEXANDRE
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 42 semanas
Membro desde: 03/13/2011
Conteúdos:
Pontos: 1162

Comentários

imagem de VICTOR ALEXANDRE

JOSÉ ROBERTO ARRIDA

RETIFICAÇÃO

Caros Amigos,
Nesta edição repetimos o poema ARRUDA para o retificarmos, pois na última quadra dizia:
Abra o olho ó meu povão.
Se quiser ser mais feliz
Rejeite na próxima eleição
Todos os Arrudas deste país.
Devíamos ter posto Arrudas entre aspas. Isto porque o sentido do poema é expor a atuação do Governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, a qual foi divulgada na mídia brasileira e internacional. Como também diz o poema: Estão envolvidos outros mais, por isso mesmo o que o poema rejeita é: Todos os políticos, que tal como Arruda e os seus amigos estão sendo culpados da corrupção que assola a política do nosso país. Nunca passou pela cabeça do autor expurgar o sobrenome ou apelido ARRUDA. Há muitas pessoas que tem Arruda no seu nome, por exemplo, aquela moça, Geyse Arruda, que foi expulsa da universidade por usar um vestido muito curto. Existem senadores e deputados sérios que tem ARRUDA no seu nome. Existem futuros candidatos que também se chamam ARRUDA. Até existe um clube de Futebol que se chama ARRUDA Futebol Clube. Portanto os “Arrudas” que o eleitor brasileiro deve rejeitar são todos os candidatos que tiverem de perto ou de longe algo a ver com a corrupção. Podem-se incluir também aqueles que tem pouco respeito pelo cargo que ocupam e os já provados incompetentes.
Queremos pedir desculpas a todos aqueles se sentiram visados.
O autor Victor Alexandre

imagem de VICTOR ALEXANDRE

JOSÉ ROBERTO ARRIDA

RETIFICAÇÃO

Caros Amigos,
Nesta edição repetimos o poema ARRUDA para o retificarmos, pois na última quadra dizia:
Abra o olho ó meu povão.
Se quiser ser mais feliz
Rejeite na próxima eleição
Todos os Arrudas deste país.
Devíamos ter posto Arrudas entre aspas. Isto porque o sentido do poema é expor a atuação do Governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, a qual foi divulgada na mídia brasileira e internacional. Como também diz o poema: Estão envolvidos outros mais, por isso mesmo o que o poema rejeita é: Todos os políticos, que tal como Arruda e os seus amigos estão sendo culpados da corrupção que assola a política do nosso país. Nunca passou pela cabeça do autor expurgar o sobrenome ou apelido ARRUDA. Há muitas pessoas que tem Arruda no seu nome, por exemplo, aquela moça, Geyse Arruda, que foi expulsa da universidade por usar um vestido muito curto. Existem senadores e deputados sérios que tem ARRUDA no seu nome. Existem futuros candidatos que também se chamam ARRUDA. Até existe um clube de Futebol que se chama ARRUDA Futebol Clube. Portanto os “Arrudas” que o eleitor brasileiro deve rejeitar são todos os candidatos que tiverem de perto ou de longe algo a ver com a corrupção. Podem-se incluir também aqueles que tem pouco respeito pelo cargo que ocupam e os já provados incompetentes.
Queremos pedir desculpas a todos aqueles se sentiram visados.
O autor Victor Alexandre

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of VICTOR ALEXANDRE

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral O CHORO DA POETISA 1 813 02/27/2018 - 09:19 Português
Poesia/Geral AMBIÇÃO PODER E DINHEIRO 0 585 02/12/2013 - 10:12 Português
Poesia/Geral SEDE DE PODER 0 912 02/09/2013 - 17:43 Português
Poesia/Geral MONOLOGO 0 501 02/05/2013 - 12:05 Português
Poesia/Geral CARNAVAL NO RIO DE JANEIR 0 1.531 01/28/2013 - 07:54 Português
Poesia/Geral CARNAVAL NO RIO DE JANEIR 0 572 01/28/2013 - 07:54 Português
Poesia/Geral A LUTA DE UM VELHO PADRE 0 521 01/27/2013 - 08:29 Português
Poesia/Geral O RESPEITO 0 671 01/24/2013 - 08:23 Português
Prosas/Outros RAZÕES PARA DORMIR E DESPERTAR CEDO... 0 918 01/22/2013 - 08:12 Português
Poesia/Geral FAZER O BEM 0 535 01/18/2013 - 09:22 Português
Poesia/Geral VIVA A SOLIDARIEDADE! 0 427 01/16/2013 - 07:53 Português
Prosas/Outros ESTAMOS VIVENDO OS ÚLTIMOS DIAS DESTE MUNDO? 0 711 01/11/2013 - 07:36 Português
Prosas/Outros CASA DA SORTE / JOGO DA SORTE! 0 1.592 01/09/2013 - 21:08 Português
Prosas/Outros AULAS DE ESPANHOL OU FRANCÊS, PARTICULARES OU EM GRUPO 0 550 12/29/2012 - 06:54 Português
Poesia/Geral ARTES E CULTURA 0 469 12/21/2012 - 18:27 Português
Poesia/Geral ARTES E CULTURA 0 526 12/21/2012 - 18:27 Português
Prosas/Outros EM 2012 SERÁ FIM DO MUNDO? 0 1.085 12/16/2012 - 17:55 Português
Prosas/Outros EM 2012 SERÁ FIM DO MUNDO? 0 662 12/16/2012 - 17:55 Português
Prosas/Outros EM 2012 SERÁ FIM DO MUNDO? 0 592 12/16/2012 - 17:55 Português
Prosas/Outros FALE COM SEUS JOVENS SOBRE OS CUIDADOS COM O CORPO. 0 596 12/13/2012 - 18:31 Português
Poesia/Geral JOSÉ ROBERTO ARRUDA 2 633 12/03/2012 - 16:37 Português
Prosas/Cartas SÉRIE: CARTAS DE AMOR 0 1.288 11/24/2012 - 10:39 Português
Prosas/Outros DE DENTRO DA LAGOA, MÉRCIA NAKASHIMA GRITA: CADÊ OS MEUS DIREITOS? 0 654 11/18/2012 - 13:58 Português
Poesia/Geral CILENE A DISCRETA 0 665 11/09/2012 - 14:08 Português
Poesia/Geral FÁTIMA É NOME DE SANTA 0 726 11/09/2012 - 14:04 Português