CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Mar da virgindade

À espera fez do silêncio a ausência sem oração
Por isso quebramos nossos peitos,
Cortamos as mãos com os cacos,
Depois disso restou-nos
Botar pétalas nas pupilas ofegantes...
Fomos por outra vertente

Aquelas escadas eram ondas,
Qual mar?
Não sei,
Eram elas ondas,
Altas tempestuosas apaixonadas,
Eram ondas...
Qual mar?
Não sei,
Só sei que sepultado nele estou,
Quero assim,
Pois amo isto.
Meu mar chamado olhos verdes,
De cosmo indefinido
Debruçado por todo amor do que pode ser maior, tão sem explicação.
Sejas assim!
O mar que virgemente me sepulta.

Submited by

segunda-feira, agosto 20, 2012 - 12:53

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 23 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Comentários

imagem de cecilia

Caro amigo...

Sempre gostei da tua escrita, ela sempre me coloca a buscar o sentimento que estava degustando no momento da criação das palavras, das estrofes. Sempre me é um prazer interpreta-las.

No início senti amargura ao escolher não ter vida se não for ao lado de que se quer ter, mais depois a poesia ficou mais leve, tomou outro rumo.

"À espera fez do silêncio a ausência sem oração"
A conciência da mente a escolher o silêncio como prece no momento em que o corpo prefere se fechar

"Debruçado por todo amor do que pode ser maior, tão sem explicação."
Como colocar peso ou medida em algo que não vemos, tocamos apenas sentimos e não conseguimos base definida para expressar o que realmente é.

"Só sei que sepultado nele estou,O mar que virgemente me sepulta."
Magnifico, lindo, a renuncia, a escolha certa de amar e esperar

Adorei te ler

imagem de Alcantra

Belissímo comentário minha

Belissímo comentário minha cara Cecília.

Um forte abraço,

Alcantra

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 621 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 560 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 802 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 659 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 894 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 417 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 962 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 625 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 610 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 594 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 401 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 601 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.050 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 821 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 496 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 904 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 627 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 539 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 682 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 588 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 552 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 802 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 597 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.321 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 793 04/24/2012 - 16:19 Português