CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Noites com Caína

Naquela tarde tu usavas um belo corpo,
Lembrava das penas aos cabelos
E dos ventos que assopravam a noite com a lua
Alheio ao salve seja repartido espargido

Amei Caína jogado nas gramas e debaixo da chuva,

Amei Caína como um louco,
Naquelas noites fomos ébrios por toda a vida,
Apaixonados nos verões sagrados,
Sagazes, tal qual petulantes
No torcer nu dos dedos abarcados em dorsos
De mares gregos até os pântanos

Não me sai nunca da cabeça a febre que tive
Por deixar escapulir os beijos de Caína.
Naquela hora deus cuspiu-me o rosto
E esfolou-me por inteiro
Com sua rasteira bêbada
Na costura de franzinas canelas tristes

Gostava de quando me olhava longe do casto
Para que revólveres e ramalhetes de abdomens
Sugassem das blandícias
Simples arrepios da alma

Era uma vez o assim que matei-me
Por matar-meamar-me em Caína
Com Caína.

A sorte malvada silencia o canto de meus choros
Por isso sofro feio.

Caminhávamos num sono de sexta feira,
Passavam por nós os rostos “tantos” das calçadas
E das poças d’água

O mundo caiu

Os pássaros sussurraram seu nome em suas asas de ida
Por um tempo Caína escorreu pelas minhas mãos.
Eu me esqueci
E quando acordei no espaço debruçado no universo
As letras
Eram como se escritas à mão de tão tímidas e brincalhonas
De tão tímidas e brincalhonas.

Submited by

terça-feira, abril 24, 2012 - 16:19

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 36 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 654 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 615 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 840 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 703 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 959 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 449 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.005 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 670 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 635 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 617 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 448 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 639 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.094 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 876 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 526 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 954 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 651 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 570 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 739 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 606 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 591 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 850 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 637 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.352 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 830 04/24/2012 - 16:19 Português