CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Super-Pouco (Dêem-me Um Pouco De Atenção, Por Favor, Se Faz Favor)

Super-Pouco (Dêem-me Um Pouco De Atenção, Por Favor, Se Faz Favor)

Sou sou, sou a puta de um génio capado
Quando é para queimar pontes e ficar a arder
Afogado nos cadernos do meu subterrâneo
Nada sem capa dura a esgotar d’escrever
O vosso herói já ok num ko de espontâneo

Chamas chamas, abram valas para o rapaz metáfora
Lástima andante com pernas de fazer de conta que o são
Qual crise desistencial, o meu querer querer em diáfora
Tão meta por cruzar a paixão por ter neste gelo diário
Ao me convencer delírio de desígnio divino em catáfora...

Porque ser não sei se sou, a hipocondria ou o visionário
Nesta cidade de burros boémios mais burros do que eu
Quando bêbado na varanda que cai e o nariz mobiliário
Merda Parkinson merda, o Doutor Internet em apogeu
Sim setenta só se p'las costas, o dom a Geração deserda

Estereótipos pra sanidade, Lois Lane, a minha onde?
(Porra, o gás não sei se ligado na cozinha que explode)
Universo indiferente, concede-me a heroína defronte
(Melhor correr a casa ou a prisão negligente me fode
Mas dá-me a donzela em perigo do apartamento em redor)
Como juro, à espera só de um -herói e o meu super- eclode.

No bueno ser smoking vazio do amanhecer obrigatório
Desertar ao supersuperego na próxima cabine telefónica
Onde rasgo o fato e, BOLAS, estou com elas no observatório
De todos vidrados (Socorro!) na minha micro nudez cónica
Bela bosta trancado e ninguém atende as chamadas que queria fazer
Se tivesse mãos para salvar o dia e reféns mijados para crescer...

A minha senhora pila medida à grandeza de depois libertar
O meu estado civil: patético no vosso suplicante couro inferior
(Porque Francisco já sabes, a inveja temporal e a tua obra a voar
Pela Unicórniolândia, e olha tira-me deste poema, oh ESCRITOR!)
Desculpem retomando juro até... que bom senso já tentei
Apontar uma arma à cabeça donde nunca paladino sairei.

Tau tau...tologia e as veias correm-me no tédio do cu acima
Espancado em verborreia e quantos anos passam-me no prédio
Abaixo onde ruo cave que já não sai à rua daninha que rima
Comigo quanto mais velho mais como este mundo intermédio
De quem não sente a cinza metálica de sermos só o braille dos ricos
Porque ser escuso-me ser, alheio mérito nepotista de ultraje vestido.

Mafarricos dane-se, tenho os pulsos a saltar à corda no pescoço
Possuído por traças carcomendo-me o fígado pelo respiradouro
Da mansarda em que ficheiro secreto podia ser o ogre almoço
Vomitado só de me verem a acne dióptrica neste muito suadouro
A que chamo rosto putativo de tudo ao nem monologar vexado:
Coimbra, monstra-me até aos ossos inexistentes do meu ego quebrado!

E então chegamos a isto, sem chegar pra slogan de gente triste
Eu quando abominável homem do gelo já vítima de vida prolongada
A sonhar com clorofórmio pra dormir esta noite s'empatia em riste,
Eu qual atropelamento duma ova pela ambulância não chamada,
Chacha teorética pra velhinha hipotética a definhar na sarjeta da estrada
Logo ao largo onde a importância me ergueu uma estátua de borracha.

(14-03-2017)

Submited by

terça-feira, março 14, 2017 - 22:07

Poesia :

No votes yet

Fran Silveira

imagem de Fran Silveira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 15 semanas 1 dia
Membro desde: 09/29/2012
Conteúdos:
Pontos: 142

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Fran Silveira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Comédia Super-Pouco (Dêem-me Um Pouco De Atenção, Por Favor, Se Faz Favor) 0 129 03/14/2017 - 22:07 Português
Poesia/Paixão Adoração 0 111 02/25/2017 - 11:48 Português
Poesia/Pensamentos (Turquesa '98) 0 133 12/29/2016 - 06:09 Português
Poesia/Fantasia Avelãs & Libélulas 1 99 12/08/2016 - 12:53 Português
Poesia/Amor Ganchos 0 166 10/26/2015 - 02:13 Português
Poesia/Fantasia (En)Canto Do Cisne Laranja 0 316 11/23/2013 - 01:57 Português
Poesia/Paixão 14 0 291 11/11/2013 - 00:12 Português
Poesia/Paixão Quimono Circunflexo 0 337 11/01/2013 - 02:28 Português
Prosas/Pensamentos Espiral 0 259 08/16/2013 - 00:44 Português
Prosas/Pensamentos Ecrã 0 344 08/15/2013 - 19:42 Português
Poesia/Fantasia Alba Atroz / Panda Crónico 0 336 07/31/2013 - 22:50 Português
Prosas/Pensamentos Transcorrer 0 249 02/10/2013 - 23:31 Português
Prosas/Outros Manifesto Depurista 0 243 02/09/2013 - 16:29 Português
Poesia/Pensamentos Memento Mori 0 320 11/29/2012 - 03:25 Português
Poesia/Pensamentos Rosa Em Azul 0 281 10/28/2012 - 19:22 Português
Poesia/Pensamentos Lanterna De Papel 3 419 10/15/2012 - 21:41 Português
Poesia/Pensamentos Anos De Chocolate 1 284 10/06/2012 - 15:17 Português
Poesia/Pensamentos Palavra Puxa Silêncio 0 223 10/06/2012 - 14:13 Português
Poesia/Fantasia Última Noite Na Ponte Dos Sonhos 0 301 10/04/2012 - 13:57 Português
Poesia/Paixão Reacção À Química 0 295 10/04/2012 - 13:54 Português
Poesia/Desilusão Enfado-me Deste Fado / Epopeia Do Fracasso 0 475 10/04/2012 - 13:44 Português
Poesia/Tristeza Catalisa Dor 0 235 10/01/2012 - 00:52 Português
Poesia/Pensamentos 1993-2008; 2011-? 0 244 10/01/2012 - 00:50 Português
Poesia/Pensamentos Ruptura Adolescente 0 264 10/01/2012 - 00:48 Português
Poesia/Tristeza Sou Uma Ilha Deserta 1 378 09/30/2012 - 22:14 Português