CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ecrã

Ecrã

Sou uma pilha de vidros quebrados e espalhados por todos os locais em que vagueei. Em cada um deles está um reflexo que me pertence. Sei de cor o ponto em que descansa cada um dos fragmentos e tenho esta estranha obsessão de lhes passar por cima e dispersá-los ainda mais.

Às vezes, a chuva corre-me na face e solidifica com um qualquer sopro frio, já depois de ter escorrido pelo meu corpo, fixando-se mesmo debaixo dos meus pés. Permaneço aí, num desespero congelado de querer (sem poder) fugir. Outras vezes, uma fortuita borboleta faz incidir em mim o seu calor através de raios de fogo oblíquos e eu posso-me mover enfim. No entanto, de livre iniciativa, viciado na efémera febre da borboleta e facilmente persuadido pela nostalgia que adoça a chuva passada, decido-me pela estadia. O frio volta e o calor sucede-o, o escultor retorna e o calafrio vem de novo. Outra vez, outra vez e outra vez…

Aí eu percebo que sou a arte da não locomoção. Todo o vidro que estilhaço está em mim sob a forma de cicatrizes. Tenho-me pisado há estações sem conta e o meu reflexo é um gémeo omnipresente, por muito que distorcido e vago de mais para me ser captável. Vivo tempos sem bússola, guia-me a procura de uma. O passado, um meio que se torna fim, quando nele busco um presente com futuro.

Como um aspirante a cosmonauta, a maturidade autoproclamada com que observo o recinto em que me habito é um quase nada num todo que ignoro e imagino inocente e ingénuo. Tudo o que sei é o solo que piso no momento. Sem a tímida leveza de consciência de correr em círculos, quando tudo o que gira é a minha cabeça e os meus pés estão bem enterrados no velho planeta pessoal do costume.

Duas forças: temporal e espacial. Escapam-me ao controlo pelo intervalo entre os dedos de uma mão que até está fechada e logo surge um pânico adjacente. O tempo acelera-me, o espaço trava-me, o tempo engole-me como água, o espaço mastiga-me como pastilha elástica.

Cruzamento e encontro? Ambos me aniquilam em arritmias existenciais e fico um vaivém hesitante perante um par de dimensões em batida dessincronizada. Jogam-me a um claustrofóbico gato e rato mesclado num quem é quem. Desorientação óbvia… Pista única: os dois tropeçam em vidros negros ou rosas. É esse o invariável clímax das sucessivas histórias narradas.

Deitado na mesma cama de sempre, todas as noites fecho os olhos: pelo pára-brisas de um carro, avisto um enorme retrovisor do tamanho de uma vida e um amontoado de recordações nascidas num diminuto lugar, o lugar habitual. Esse vidro em particular não existe. É este ego cristalino imune ao que não é a visão do ontem no horizonte, cego à ínfima periferia do túnel solitário em que arquitectou a destruição... Os verdadeiros vidros, esses, juntos, são apenas a soma das partes de um espelho a preto e branco da idade de quem o criou. São as melodias compostas e as letras escritas que há muito quero para trás das costas. Posso viver com elas, só não quero viver delas. 

(08-05-2011)

Submited by

quinta-feira, agosto 15, 2013 - 20:42

Prosas :

No votes yet

Fran Silveira

imagem de Fran Silveira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 semanas 3 dias
Membro desde: 09/29/2012
Conteúdos:
Pontos: 147

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Fran Silveira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Horror Ao Vazio 0 82 05/08/2018 - 05:18 Português
Poesia/Comédia Super-Pouco (Dêem-me Um Pouco De Atenção, Por Favor, Se Faz Favor) 0 195 03/14/2017 - 23:07 Português
Poesia/Paixão Adoração 0 171 02/25/2017 - 12:48 Português
Poesia/Pensamentos (Turquesa '98) 0 206 12/29/2016 - 07:09 Português
Poesia/Fantasia Avelãs & Libélulas 1 128 12/08/2016 - 13:53 Português
Poesia/Amor Ganchos 0 190 10/26/2015 - 03:13 Português
Poesia/Fantasia (En)Canto Do Cisne Laranja 0 340 11/23/2013 - 02:57 Português
Poesia/Paixão 14 0 310 11/11/2013 - 01:12 Português
Poesia/Paixão Quimono Circunflexo 0 360 11/01/2013 - 03:28 Português
Prosas/Pensamentos Espiral 0 278 08/16/2013 - 01:44 Português
Prosas/Pensamentos Ecrã 0 384 08/15/2013 - 20:42 Português
Poesia/Fantasia Alba Atroz / Panda Crónico 0 355 07/31/2013 - 23:50 Português
Prosas/Pensamentos Transcorrer 0 278 02/11/2013 - 00:31 Português
Prosas/Outros Manifesto Depurista 0 255 02/09/2013 - 17:29 Português
Poesia/Pensamentos Memento Mori 0 340 11/29/2012 - 04:25 Português
Poesia/Pensamentos Rosa Em Azul 0 300 10/28/2012 - 20:22 Português
Poesia/Pensamentos Lanterna De Papel 3 442 10/15/2012 - 22:41 Português
Poesia/Pensamentos Anos De Chocolate 1 302 10/06/2012 - 16:17 Português
Poesia/Pensamentos Palavra Puxa Silêncio 0 238 10/06/2012 - 15:13 Português
Poesia/Fantasia Última Noite Na Ponte Dos Sonhos 0 320 10/04/2012 - 14:57 Português
Poesia/Paixão Reacção À Química 0 305 10/04/2012 - 14:54 Português
Poesia/Desilusão Enfado-me Deste Fado / Epopeia Do Fracasso 0 488 10/04/2012 - 14:44 Português
Poesia/Tristeza Catalisa Dor 0 251 10/01/2012 - 01:52 Português
Poesia/Pensamentos 1993-2008; 2011-? 0 266 10/01/2012 - 01:50 Português
Poesia/Pensamentos Ruptura Adolescente 0 282 10/01/2012 - 01:48 Português