Tormentus

Zarpou ao vigésimo sétimo dia do mês de Novembro sob o céu avermelhado. Zarpou e naufragou. Não sei quem sou. Não me lembro do meu nome, da minha idade, da minha família... se deixei alguém para trás, o propósito concreto de ter atravessado o oceano. Não sei nada de mim. Parece que as minhas memórias estão mergulhadas numa imensa camada impermeável, não me deixando aceder a nenhuma memória.
Lembro-me de ter acordado na costa. Rosto espalmado contra a areia molhada, leves ondas batendo-me nos tornozelos e uma brisa fresca a levantar a minha camisa. Questionei-me se estava no Céu. Contudo, achei que era demasiado bom para ser verdade. E era.
A minha boca sabia a sal. Parecia que tinha estado mergulhado durante anos a fio numa solução salgada e que o cheiro chegava até à medula dos meus ossos. Provocava-me náuseas. A custo, parecendo um idoso, levantei-me, mas deixei-me cair novamente. As minhas pernas estavam demasiado frouxas para se dignarem a locomover. No entanto, lembrei-me que tinha de sair dali, daquele local que era uma ilha com um céu apocalíptico, negro, onde palmeiras exuberantes esvoaçavam ao sabor do vento.
Durante dias explorei a ilha. Nada. Não havia nada. Não havia uma casa nem vestígios de humanos e os que haviam estavam já em osso. Animais havia de sobra. Macacos. Cobras. Roedores... Uma biodiversidade exímia mas assustadora principalmente quando a noite me embalava e insistia para que eu curasse a exaustão. Fiquei doido. Não me conseguia adaptar. Um simples estrépito era motivo para me fazer enrijar o tronco e adoptar uma postura defensiva. Quando um animal se aproximava de mim, o meu instinto era atravessar-lhe uma lança no peito como se ele me tivesse ameaçado. Estava a tornar-me um animal autêntico, sem limites, onde matar era o essencial para a sobrevivência, mais até que comer.
Fiquei realmente demente. Noites sem dormir. Pesadelos intermitentes. Alucinações... Eram o prato do dia.
Pensava como era possível dizerem que o Homem precisava de se livrar do que era mundano. Provavelmente eu tinha uma boa quantia monetária que me permitiria subsistir até ao fim da minha vida. Conseguia ver os destroços da embarcação e parecia-me realmente cara. Eu devia ser um tipo cheio de massa. 
De que me vale se agora sei que sou Harry Clapton, que tenho trinta e dois anos, que não tenho família e que sou multimilionário?
Estou a morrer. Nem o dinheiro me salvará.

Submited by

Wednesday, November 21, 2012 - 22:15

Prosas :

No votes yet

Samanthalves

Samanthalves's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 6 years 12 weeks ago
Joined: 09/13/2012
Posts:
Points: 43

Add comment

Login to post comments

other contents of Samanthalves

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Prosas/Contos A Minha Sombra 1 541 12/14/2012 - 22:51 Portuguese
Prosas/Contos Tormentus 0 1.060 11/21/2012 - 22:15 English
Poesia/Gothic Criaturas 2 449 11/07/2012 - 15:23 Portuguese
Poesia/Thoughts Sessenta Segundos 1 548 10/26/2012 - 18:01 Portuguese
Poesia/Dedicated Eu sou um pássaro 1 742 10/22/2012 - 22:57 Portuguese
Poesia/Meditation Crazy little thing 1 360 10/22/2012 - 06:00 Portuguese
Críticas/Miscellaneous "Somos feitos da mesma matéria que os nossos sonhos" 1 685 10/17/2012 - 21:14 Portuguese