Incompreensível (Como Tantos Outros)

A minha solidão é corrosiva,
Corrompe a carne a cada injunção
Destas centúrias mortas em procissão,
Pois que minha cegueira é abrasiva,

Quando o sibilo aprazível não vem
E o indizível postula um não-querer,
O ritmo do meu verso é autofágicoser,
Traz a Peste e torna a lástima aquém,

Assim, a tortuosidade faz sua morada,
E eu acabo por repetir a con-dicção malograda
De apenas assistir enquanto me consumo.

Cada nova icterícia poética que promulgo,
Propõe as mesmas bilirrubinas sem vulgo,
Pois atesto o fracasso com mais este insumo.

 

 

Submited by

Martes, Enero 11, 2011 - 00:33

Poesia :

Sin votos aún

malentacchi

Imagen de malentacchi
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 9 años 11 semanas
Integró: 06/22/2009
Posts:
Points: 704

Comentarios

Imagen de Henrique

a tortuosidade faz sua morada

Como tantos outros em que a solidão corrompe a carne com cegueiras!!!

 

Um desaguar bem intenso!!!

 

:-)

Imagen de malentacchi

A linha entre a solidão que é

A linha entre a solidão que é necessária e a que é sintomática é bem tênue. Por vezes nos pegamos pulando para o lado em que a solidão corta e o corte não é na carne, é na alma.

 

Obrigado por ler e comentar!

 

Um abraço fraternal

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of malentacchi

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/Tristeza Lamúrias 0 1.112 03/21/2011 - 04:53 Portuguese
Poesia/Tristeza O Torniquete Atenuado 0 1.262 02/28/2011 - 02:25 Portuguese
Poesia/Tristeza Solve et Coagula 0 765 02/28/2011 - 02:22 Portuguese
Poesia/Tristeza Incompreensível (Como Tantos Outros) 2 976 01/26/2011 - 01:13 Portuguese
Poesia/Soneto O Aviltamento do Verso 0 888 01/26/2011 - 01:03 Portuguese
Poesia/Tristeza Quando os Espectros Machucam A Carne 0 1.028 01/26/2011 - 01:00 Portuguese
Poesia/Tristeza Primaveras Mortas 0 918 01/19/2011 - 02:22 Portuguese
Poesia/Tristeza Escrita Inferior 0 1.106 01/02/2011 - 20:59 Portuguese
Poesia/Tristeza Mais Uma Injúria Afásica Para Os Pronomes Em Primeira Pessoa 0 802 01/02/2011 - 20:56 Portuguese
Poesia/Tristeza Dificuldades Com o Verso Amaldiçoado 0 855 12/26/2010 - 20:57 Portuguese
Poesia/Tristeza Exi[s]t-ência 0 741 12/26/2010 - 20:55 Portuguese
Poesia/Tristeza Entre A Sociopatia E A Filosofia Dos Não Valores 0 1.535 12/22/2010 - 04:13 Portuguese
Poesia/Tristeza Uma Alegoria Para As Almas Desgraçadas 0 1.442 12/22/2010 - 04:05 Portuguese
Poesia/Tristeza Conclave Para Um Diálogo Entres Sombras 0 1.459 12/22/2010 - 04:00 Portuguese
Poesia/Tristeza Sobre a Perversidade e seus Hematoversos 0 1.401 12/21/2010 - 05:52 Portuguese
Poesia/Tristeza A Filosofia dos Túmulos 0 1.403 12/21/2010 - 05:50 Portuguese
Poesia/Tristeza Da Ínfima Procura 0 1.501 12/21/2010 - 05:49 Portuguese
Poesia/Tristeza A Exumação de Todas As Minhas Mortes 0 726 12/21/2010 - 05:48 Portuguese
Poesia/Tristeza Exurgent mortius at ad me venient (o morto se levante e venha a mim) 0 1.102 12/17/2010 - 05:23 Portuguese
Poesia/Tristeza Um Punhado de Versos Fúnebres Para Josef K. 0 1.235 12/17/2010 - 05:21 Portuguese
Poesia/Tristeza A Proeminência da Falha 0 874 12/17/2010 - 05:19 Portuguese
Poesia/Tristeza Ode à Tânatos 0 927 12/17/2010 - 05:16 Portuguese
Videos/Perfil 855 0 1.075 11/24/2010 - 23:04 Portuguese
Videos/Perfil 482 0 1.145 11/24/2010 - 22:58 Portuguese
Videos/Perfil 481 0 1.392 11/24/2010 - 22:58 Portuguese