CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

ADEUS A DOIS …

O teu choro é um rio de lama e cinza,
um jorro de indizíveis cores,

um relâmpago de violentas chicotadas
a eclipsar-me o sol e a lua da alma.

As tuas dores são cegueiras que me empurram
para os abismos das tuas penumbras.

As tuas lágrimas são pregos que me pregam ao chão,
vidros quebrados pelo não que o teu olhar cospe,
espinhos afiados por suspiros angustiantes.

A tua tristeza é o fio de uma navalha semântica
por onde a expressão das minhas palavras se passeia
em eco picotado pelos poços sem fundo do teu silêncio.

O teu dar-me amor é um pântano
de geleias pegadiças a rendições presas
a um passado acorrentado por adornos de medo.

Musa infestada de solidão,

que em pranto estagnado te escrevo afastada
das arritmias que em branco me encardam a alma
com insónias que me fazem o sorriso desfeito em nada.

Coberto de morte, o frio fúnebre do teu corpo
é o alfaiate que me faz e veste a rota roupa da noite
com as medidas que se arrojam sem ti pálidas no meu corpo.

O deserto do nosso a dois, é o carrasco
que degola o pescoço das procuras que as minhas mãos
de ti cantarolavam e as minhas sinas sobre ti estampavam.

A tempestade insípida do nosso beijo,
fustiga-nos de bonança o desejo.

O adeus de ti,

é um aceno inanimado do tempo, um momento
sepultado num ninho de serpentes que envenenam
de raiva a saudade que a nós se enrosca na nossa cama…

… vazia de nós num adeus a dois.

.
.
.
.

Submited by

segunda-feira, março 4, 2013 - 22:13

Poesia :

Your rating: None (5 votes)

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 6 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 37.046 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.631 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.245 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.151 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 2.003 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.019 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.706 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.695 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.455 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.843 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.289 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.375 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.644 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.860 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.199 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.878 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.769 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.778 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.937 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.566 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.478 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.397 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.435 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.768 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.675 01/16/2015 - 20:47 Português