CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

CRUZ …

Nenhum escuro é mais escuro

do que a insonolência do meu olhar
nesta engelhada escuridão de ódio e desamor.

Nenhum deserto é mais deserto

do que esta saudade de sentir saudade,
miragens onde o meu coração é um cacto,

sentires onde cada pulsar é um acto de suicídio.

Nenhuma água me molha tanto

como este dilúvio de lágrimas na solidão.

Não há sede mais seca

do que esta insana sede de viver.

Nenhum silêncio grita mais alto

do que este silêncio que agita o meu sofrer.

Não há fundo mais profundo

do que este chão imundo em dor
que minhas palavras pisam suspensas em nenhures.

Nenhum covil alberga tantos diabos

como esta gruta que o destino cava em pranto
e me crava em sujo e triste branco na cruz do tempo.

Não há pedra mais pesada e tosca

do que esta dura pedra de loucura e raiva
que me sepulta o pensamento no esquecimento.

Nenhuma hora demora mais

do que esta espera sem esperança.
.
.
.
.

Submited by

sábado, março 30, 2013 - 00:03

Poesia :

Your rating: None (5 votes)

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 6 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Comentários

imagem de Jorge Humberto

Olá Henrique!

Sempre profundo no teu sentir.
Este teu poema traz-me à lembrança algo de António Nobre,
de seu livro "Só".

Estou retirado, faz muitos meses, por motivos de saúde...
mas não esqueço.

Um Abraço!
Jorge Humberto

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 36.996 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.613 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.219 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.140 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.988 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.009 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.685 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.685 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.422 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.830 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.255 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.363 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.630 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.826 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.169 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.872 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.749 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.751 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.918 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.560 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.464 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.389 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.426 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.753 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.662 01/16/2015 - 20:47 Português