CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

MURALHA DE VAZIO

Quero acordar da noite vil
onde dorme o meu fôlego febril,
pela fadiga do quão seco existo
e me assisto de cabeça perdida.

Que a perpétua perda de tempo se cale
ao estremecimento mudo do pensamento,
suspendendo o espírito na ultima verdade
repousada na profundidade do gelo,
que me cobre o rosto com a distância do gosto
da minha hora de viver.

E do tão alto silêncio do sonho caia a luz
sobre as asas da minha voz que reluz
na sombra dos olhos abertos para a foz,
de onde vigio os restos de um sentimento
abandonado no dorso de besta sem sono,
nas águas sem dono de uma fonte
enterrada nas ruínas do esquecimento.

Esvoaço pelo exterior do meu corpo
como as abas de um vestido,
alumiado pelo signo da dor fechada
num cálice de lágrimas,
onde ternura é tortura de uma árvore jovem
sobre as minhas margens de homem.

Caminho,
por ruelas de gritos nos bosques aflitos,
da criança que há em mim poeira,
erguendo-me os calcanhares
pela escada de esperança escura,
enxotando o meu pulso para a tempestade
da minha própria ausência.

O tédio escava a cor da morte nua,
sendo a lua o odor da cólera,
separando-me da força que exalta
o sofrimento ao fundo de um espelho
desmoronado,
opondo à minha liberdade
uma muralha de vazio.

Submited by

sábado, novembro 15, 2008 - 16:55

Poesia :

No votes yet

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 7 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Comentários

imagem de Henrique

Re: MURALHA DE VAZIO

É bom desabafar a tristeza na poesia…

:-)

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 37.076 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.640 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.267 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.161 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 2.011 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.024 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.719 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.705 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.478 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.854 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.311 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.384 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.654 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.874 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.212 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.883 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.782 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.790 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.951 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.569 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.483 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.416 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.441 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.777 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.691 01/16/2015 - 20:47 Português