CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

SEM ONDE NEM QUANDO

Temo o poder
da linguagem que amesquinha
o meu ser qualquer coisa senão morro.

Sou corpo amarrado
num sono desnorteado
ao colo de uma insónia intensa,
transformando-me desconhecido
como os mistérios por desmascarar
nas profundezas do oceano por explorar.

Sinto-me eclipse
nas palavras escritas na luz jusante
do meu caminho de sombras agrestes,
aliadas à agonia do meu sorriso perdido
numa ilha qualquer nas minhas visões insanas.

Arrasto-me fantasma
pelos pântanos de um anel de medo
no pânico do meu olhar enforcado nas vozes
dos meus Anjos da guarda salvos pelo meu choro.

Estrangulo o ar que respiro
vezes sem conta a contas com a solidão
no silêncio das bestas que profanam a sepultura
sem onde nem quando no meu cérebro paranóico.

Fecho os olhos
como quem salta de um abismo
neste escuro que me toca a alma de vazio
matando a cor dos corais que restam neste tormento.

Sou filho do tempo
delirando ao vento como um rochedo
desprezado à beira-mar para receber o infatigável
esmurraçar das ondas vivas nesta face esculpida de dor.

Estendo-me
num lençol de lágrimas,
seco meu sangue até que sucumba a tristeza
que estruma o meu solo e me lava do suor de ódio
que me suja a fé à mercê de uma mão que pede perdão.

Este seria o meu último poema
se o meu lema fosse morrer já neste deserto
de cactos que se lamentam na minha ferida do passado.

Submited by

domingo, novembro 29, 2009 - 01:20

Poesia :

No votes yet

Henrique

imagem de Henrique
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 5 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 34817

Comentários

imagem de jopeman

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

Intenso, sufocante, derradeiro
Uma ferida do tempo, sem onde nem quando que cicatrize

Poderoso
Abraço

imagem de AnaCoelho

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

Cheguei ao fim deste poema sem fôlego...inspirado e sublime numa força que marca a leitura...

Brilhante

Beijos

imagem de RobertoEstevesdaFonseca

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

Parabéns pelo belo poema.

Gostei.

Um abraço,
REF

imagem de marialds

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

Poema contundente, tristeza profunda, um belo traçado.
Parabens.

imagem de MarneDulinski

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

LINDÍSSIMO POEMA, GOSTEI MUITO!

CHEGUEI ATÉ A TEMER, MAS QUANDO CHEGUEI A FIM FIQUEI FELIZ COM SUA DECISÃO!
Este seria o meu último poema
se o meu lema fosse morrer já neste deserto
de cactos que se lamentam na minha ferida do passado.
Meus parabéns,
MarneDulinski

imagem de KeilaPatricia

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

DESTACO:
"Estendo-me
num lençol de lágrimas,
seco meu sangue até que sucumba a tristeza
que estruma o meu solo e me lava do suor de ódio
que me suja a fé à mercê de uma mão que pede perdão."

PROFUNDO

MT BOM

:-)

imagem de FlaviaAssaife

Re: SEM ONDE NEM QUANDO

Henrique,

Noite, insônia, passado, tormenta...um coquetel e tanto!! Ainda bem que é um poema onde expressas de forma metafórica toda esta agonia em tristeza sentida. Mas, que não seja o último, pois tua poesia não poderia morrer e do passado só nos resta aprender!

abraço

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henrique

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Videos/Outros Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 36.993 06/11/2019 - 09:39 Português
Poesia/Tristeza TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.606 03/06/2018 - 21:51 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.217 02/28/2018 - 17:42 Português
Poesia/Pensamentos APALPOS INTERMITENTES 0 2.139 02/10/2015 - 22:50 Português
Poesia/Aforismo AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.985 02/03/2015 - 20:08 Português
Poesia/Pensamentos ISENTO DE AMAR 0 4.007 02/02/2015 - 21:08 Português
Poesia/Amor LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.684 02/01/2015 - 22:51 Português
Poesia/Pensamentos PELO TEMPO 0 1.682 01/31/2015 - 21:34 Português
Poesia/Pensamentos DA POESIA 0 5.422 01/30/2015 - 23:06 Português
Poesia/Pensamentos DO AMOR 0 1.827 01/30/2015 - 21:48 Português
Poesia/Pensamentos DO SENTIMENTO 0 2.247 01/29/2015 - 22:55 Português
Poesia/Pensamentos DO PENSAMENTO 0 2.362 01/29/2015 - 19:53 Português
Poesia/Pensamentos DO SONHO 0 1.628 01/29/2015 - 01:04 Português
Poesia/Pensamentos DO SILÊNCIO 0 2.818 01/29/2015 - 00:36 Português
Poesia/Pensamentos DA CALMA 0 2.159 01/28/2015 - 21:27 Português
Poesia/Pensamentos REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.870 01/27/2015 - 22:48 Português
Poesia/Pensamentos MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.741 01/27/2015 - 16:59 Português
Poesia/Aforismo NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.748 01/26/2015 - 20:44 Português
Poesia/Pensamentos SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.917 01/25/2015 - 22:36 Português
Poesia/Pensamentos MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.558 01/22/2015 - 22:32 Português
Poesia/Pensamentos ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.463 01/21/2015 - 18:00 Português
Poesia/Pensamentos PALAVRAS À LUPA 0 2.388 01/20/2015 - 19:38 Português
Poesia/Pensamentos MADRESSILVA 0 1.425 01/19/2015 - 21:07 Português
Poesia/Pensamentos NA SOLIDÃO 0 1.752 01/17/2015 - 23:32 Português
Poesia/Pensamentos LÁPIS DE SER 0 1.659 01/16/2015 - 20:47 Português