CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ciúme – Dança do Cortejo

Muitas vezes inventamos o ciúme pelo prazer do confronto dos corpos. Ssabemos que após a altercação ou a interrogação que nunca chegou a ser, surgirá a dança do cortejo. Este artifício permite a manifestação de belos galanteios para a reunificação dos corpos.
Assim faço ciúme como a aranha faz a teia para apanhar a sua presa.
O toque surge então como uma primeira carícia, a recordar aquela que inventamos no passado quando procuramos o acasalamento; surge então o paladar do primeiro beijo e, no arrepio do contacto com a epiderme expulsa-se definitivamente o ciúme malabarista.
Chega o momento em que digo:
- Sou teu e apenas só teu! O suor dobra com a fusão das almas.
A noite é minha, e o ciúme aliado. E da alma “frágil”, emerge afinal apenas a perícia da mulher em se servir, também ela, do ciúme cúmplice para fazer crescer a líbido.
Depois, os corpos dormem enrolados nas artimanhas do pecado venial, sabendo que num outro dia qualquer o ciúme voltará para fazer sorrir a noite.

Submited by

terça-feira, novembro 10, 2009 - 22:18

Prosas :

No votes yet

JoseLuisLopes

imagem de JoseLuisLopes
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 14 semanas
Membro desde: 06/28/2009
Conteúdos:
Pontos: 164

Comentários

imagem de RobertoEstevesdaFonseca

Re: Ciúme – Dança do Cortejo

Gostei dete belo texto.

Parabéns,
Um abraço,
REF

imagem de ÔNIX

Re: Ciúme – Dança do Cortejo

Tecer uma teia onde os corpos se enlacem e se desnudem até do seu próprio ego, é uma art-e-manha que dá um pouco de colorido ao leito disposto a tudo; saborear o suco agridoce que escorre pelo peito após a reunificação dos corpos; consentir no desejo, que é sentir ou não prazer na dor da ausência… Neste espaço in-corporal, a libido até se queixa de não poder continuar a ser fruto de ciúme, e consente numa clarificação das ideias, até chegar ao ponto de onde se vista de suculentas carícias, e se ramifique até atingir o momento, onde tudo deixa de ser básico e insatisfeito, para amar e deixar de lado o medo vencendo este sentimento, dos mais básicos no ser humano.
É bom quando usado e “suado” no cumprimento do objectivo proposto, mas a nossa complexidade leva-nos por caminhos difíceis e usa-se e abusa-se desta ferramenta, para se conseguir um pouco do muito que existe, mas que nem sempre acedemos.
Faz parte de um registo onde nos encontramos, caduco e ultrapassado,

José Luís gostei muito da forma como trataste este tema e também de ouvir Amália.

Bjs

Matilde D’Ônix

imagem de Moon_T

Re: Ciúme – Dança do Cortejo

O ciume é sinal de querer. querer demais. é veneno. é sufoco. consome. arde. queima. mata. é o que se apodera do inconsciente e altera o consciente para um estado sonambulo. submerso.
Isto é o que eu penso do ciume. que mata. nada tem a ver com o que aqui descreves. que é querer. e ter. o toque e caricias e ofertas. acabando no pecado da noite.
Lamento, mas embora reconheca a beleza desta escrita, que é, não consigo evitar o esforço de a ler sem associar um alerta mental à antagonia.
Não sei se me explico de forma perceptivel... em suma. Gostei e, na sua beleza, chocou-me.

imagem de JoseLuisLopes

Re: Ciúme – Dança do Cortejo

Claro que és perfeitamente perceptível e pode ser lido dessa maneira.
O que o texto diz é que muitas vezes os casais arranjam um “ciúme” que afinal nunca foi, inventam-no, dramatizam-no, apenas para terem uma reconciliação.
Obrigado pelo comentário Moon_T
Abraço
JLL

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of JoseLuisLopes

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - Solidão 0 405 11/24/2010 - 00:39 Português
Poesia/Aforismo VERGONHA 3 222 03/14/2010 - 16:10 Português
Poesia/Aforismo VIOLINO 6 187 03/12/2010 - 19:33 Português
Poesia/Geral Semente sou, semente serei 6 152 03/03/2010 - 22:00 Português
Poesia/Aforismo O Grito 9 296 02/02/2010 - 16:11 Português
Poesia/Geral O Outro 18 257 01/23/2010 - 20:46 Português
Poesia/Aforismo Eu quero que seja Natal 5 175 12/14/2009 - 01:47 Português
Poesia/Geral Putrefacção 14 254 12/05/2009 - 23:13 Português
Prosas/Pensamentos Luxúria das palavras 4 152 12/01/2009 - 00:48 Português
Prosas/Pensamentos Ciúme – Dança do Cortejo 4 206 11/13/2009 - 15:36 Português
Poesia/Dedicado Poema infantil - I 10 248 11/12/2009 - 22:40 Português
Poesia/Amor 25 10 304 11/05/2009 - 19:59 Português
Poesia/Dedicado Deixa lá 6 203 11/05/2009 - 19:56 Português
Poesia/Meditação Celebração da vida 12 266 11/05/2009 - 19:37 Português
Poesia/Amizade Notas soltas 8 270 11/05/2009 - 18:40 Português
Poesia/Aforismo Teatro 10 224 10/25/2009 - 18:17 Português
Poesia/Desilusão A Espiga 6 263 08/08/2009 - 17:49 Português
Poesia/Tristeza PAI - Uma Forma de Perdão 8 186 08/03/2009 - 00:14 Português
Poesia/Meditação PALAVRAS DO POETA 19 263 08/02/2009 - 19:10 Português