Nicolau Gogol- Diário de um Louco

www.topeneda.blogspot.pt

Mas que homem! Para ele fazer um adiantamento sobre o mês que vem - Deus do Céu! - mais depressa virá o juízo anal. Pode a gente pedir, estar em extrema necessidade, rebentar, que o diabo do velho não adianta nada. Entretanto em casa - todo a gente sabe - leva bofetões até da cozinheira.

(…)Já na administração pública, nos tribunais e nas recebedorias o caso é outro. Lá, cada funcionário se encolhe no seu cantinho e vai escrevinhando, metido num fraque sujo, com uma cara de se escarrar nela; mas veja-se a casa de campo que ele aluga. Ninguém lhe ofereça de presente uma taça de porcelana, pois dirá logo: - "Isso é presente para um doutor"; mas aceitará uma parelha de cavalos, um carro ou uma peliça de castor de trezentos rublos. De aparência tão delicada, fala baixinho: - "Empreste-me, por favor, o canivetezinho para fazer ponta na peninha" - mas depois limpa o requerente de tal forma que mal lhe deixa a camisa do corpo.

(…)Foi então para isso que ela resolveu sair em dia tão chuvoso? Digam-me agora que as mulheres não são loucas por todos aqueles trapos.

O nosso director deve ser um homem inteligentíssimo. O seu gabinete está cheio de armários com livros. Já espiei os títulos de alguns: são todos livros de erudição, de tamanha erudição que estão fora do alcance de um homem como eu, pois são escritos em francês ou em alemão. Mas vejam só a cara dele: xi! que gravidade se irradia daqueles olhos! Nunca o ouvi dizer uma palavra supérflua, salvo talvez quando lhe entregam os papéis e ele pergunta: - "Que tempo faz lá fora?" - "Húmido, Excelência." Não, ele não pode ser comparado aos outros mortais. É um homem de Estado.

Que é que te faz imaginar que não há, além de ti, nenhuma pessoa decente? Dá-me um fraque de Rutch talhado na moda, deixa-me amarrar a gravata como a tua está amarrada - e nem me chegarás aos pés. Falta-me dinheiro, eis a minha infelicidade.

A respeito dos comerciantes diziam abertamente que enganam o povo, que seus filhos vivem na pândega e procuram introduzir-se na nobreza. No tocante aos jornalistas, houve também um couplet muito engraçado, onde se dizia que estes gostavam de criticar tudo e por isso o autor pedia a proteção do público.

O diretor gosta de ter na mesa um grande número de penas. Ih! deve ser um homem inteligente! Está sempre calado, mas dentro daquela cabeça, penso eu, há um mundo de meditações. Gostaria de saber sobre que coisa ele medita de preferência, o que é que projeta naquela cabeça. Gostaria também de ver mais de perto a vida desses senhores, todas essas complicações e truques da gente da corte, tudo o que fazem na sua roda... tudo isso eu teria vontade de saber.

Suspeito há muito tempo que o cachorro é mais inteligente do que o homem. Estou até convencido de que sabe falar, apenas tem uma espécie de teimosia. É um político extraordinário: observa tudo, todos os passos do homem.

Parece-me que partilhar com outrem os pensamentos, sentimentos e impressões é uma das maiores felicidades do mundo.

Ah, minha querida, como é evidente a aproximação da primavera! Bate-me o coração, como se esperasse alguma coisa. Nos meus ouvidos há como que um ruído perpétuo, a tal ponto que muitas vezes, levantando uma perna, fico parada à porta alguns minutos, atenta. Posso revelar-te que tenho muitos apaixonados. Muitas vezes, sentada à janela, observo-os. Se soubesses que monstros há entre eles!

Dai-me um homem! Quero ver um homem, preciso de um alimento que nutra e deleite a minha alma.

O amor é uma segunda vida.

Por toda parte, tudo o que há de melhor no mundo é para os fidalgos da corte ou generais. Encontra-se um pequeno tesouro, pensa-se atingi-lo com a mão - mas vem um general, e o arrebata. O Diabo que os leve! Eu também desejaria tornar-me um general. Não era para obter a mão dela e o resto, não: queria ser general apenas para ver como eles me cortejariam, como me fariam toda espécie de cerimónias e salamaleques, e para depois lhes dizer que escarro neles. O Diabo que os leve, a esses idiotas!

Oh, ele é ambiciosíssimo; sem a menor dúvida, é maçom, por mais que procure fingir isto ou aquilo; percebi rapidamente que ele é maçom, porque, ao dar a mão a alguém, estende apenas dois dedos.

Toda a manhã de hoje li jornais. Na Espanha estão acontecendo coisas estranhas. Nem consegui analisá-las bem. Escreve-se que o trono está vago e os graúdos se encontram em grande embaraço quanto à eleição de um sucessor; daí provém grande indignação. Acho isso extremamente esquisito. Como pode um trono estar vago? Diz-se que ele deverá ser ocupado por certa doña. Mas uma dona não pode ocupar um trono, de maneira nenhuma. Um trono deve ser ocupado por um rei. Sim, diz-se - mas não há rei. É impossível que não haja rei. Não pode haver Estado sem rei. Há um rei; apenas, ele se encontra em lugar desconhecido. Talvez se encontre lá mesmo, mas algum motivo de família, ou o medo de qualquer potência vizinha, como a França ou outros países, ou algum outro motivo, o obrigue a se esconder.

Até hoje, não sei como, tudo diante de mim estava como que envolvido em uma espécie de névoa. E tudo isto, penso eu, vem do facto de que a gente imagina que o cérebro humano se encontra na cabeça. Pois absolutamente não: ele é trazido pelo vento do lado do Mar Cáspio.

Como é insidiosa a natureza feminina! Só agora cheguei a compreendê-la. Até agora ninguém tinha adivinhado de quem é que a mulher gosta; fui eu quem o descobriu. Não estou brincando. Os homens de ciência escrevem asneiras, afirmando que ela gosta disto ou daquilo. Pois bem, ela gosta unicamente do Diabo.
Ainda agora o Diabo lhe fez um sinal com os dedos. Ela vai casar com ele, vai mesmo. Vêem todos esses pais de alta categoria a insinuarem-se em toda parte, a treparem até à Corte, a proclamarem que são patriotas e mais isto e mais aquilo? Pois o que esses patriotas querem são rendas e nada mais!

A Lua é um globo tão pouco sólido que nela não pode viver gente de maneira alguma; quem vive lá são apenas os narizes. Nós justamente não vemos os próprios narizes porque eles se encontram todos na Lua.

Submited by

Monday, April 1, 2013 - 11:49

Poesia :

No votes yet

topeneda

topeneda's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 2 years 13 weeks ago
Joined: 08/12/2011
Posts:
Points: 4308

Add comment

Login to post comments

other contents of topeneda

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/Meditation George Orwell- 1984 0 2.059 04/05/2013 - 18:06 Portuguese
Poesia/Meditation Nicolau Gogol- Diário de um Louco 0 2.279 04/01/2013 - 11:49 Portuguese
Poesia/Meditation Aldous Huxley-Admirável Mundo Novo 0 1.888 04/01/2013 - 11:46 Portuguese
Poesia/Meditation Sem Esquecer o País 2 1.737 04/01/2013 - 11:41 Portuguese
Poesia/Meditation Richard Bach-Fernão Capelo Gaivota 0 3.109 03/24/2013 - 13:26 Portuguese
Poesia/Meditation Sophia de Mello Breyner Andressen- A Menina do Mar 0 2.214 03/24/2013 - 13:21 Portuguese
Poesia/Meditation Modelo Social de Iceberg 0 1.921 03/17/2013 - 11:11 Portuguese
Poesia/Meditation Ernest Hemingway-O Velho e o Mar 0 2.214 03/17/2013 - 11:07 Portuguese
Poesia/Meditation Edgar Allan Poe – Contos de Terror, Mistério e Morte 0 2.125 03/17/2013 - 11:05 Portuguese
Poesia/Meditation Consciência de Força ( Dedicado à Manifestação) 0 1.716 03/03/2013 - 20:17 Portuguese
Poesia/Meditation Milan Kundera - A Imortalidade 0 2.475 03/03/2013 - 14:48 Portuguese
Poesia/Meditation José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina (Perspetiva Ocidental) 0 2.032 02/27/2013 - 19:41 Portuguese
Poesia/Meditation José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina (Perspetiva Muçulmana) 0 2.495 02/27/2013 - 19:38 Portuguese
Poesia/Meditation José Rodrigues dos Santos - Fúria Divina 0 1.628 02/27/2013 - 19:33 Portuguese
Poesia/Meditation Joseph Conrad - O Coração das Trevas 0 2.409 02/24/2013 - 14:51 Portuguese
Poesia/Meditation Gustave Flaubert- Madame Bovary 2 1.770 02/24/2013 - 14:48 Portuguese
Poesia/Meditation Liev Tolstói - Guerra e Paz 2 2.747 02/20/2013 - 20:28 Portuguese
Poesia/Meditation Anton Tchekhov - A Gaivota 0 2.374 02/13/2013 - 20:31 Portuguese
Poesia/Meditation Sófocles - Rei Édipo 0 1.577 02/09/2013 - 11:57 Portuguese
Poesia/Meditation Jean Paul Sartre- A Náusea 0 2.253 02/05/2013 - 22:40 Portuguese
Poesia/Thoughts Soren Kierkgaard - O Banquete 0 2.033 02/03/2013 - 13:11 Portuguese
Poesia/Thoughts Erasmo de Roterdão - Elogio da Loucura 0 1.941 01/27/2013 - 23:42 Portuguese
Poesia/Thoughts Nicolau Maquiavel- O Príncipe 3 1.751 01/23/2013 - 16:18 Portuguese
Poesia/Thoughts Thomas More - Utopia 0 1.795 01/23/2013 - 14:51 Portuguese
Poesia/Thoughts Antoine de Saint-Exupéry- O Principezinho 0 2.845 01/19/2013 - 14:37 Portuguese