In Vapore Sano

Talvez quatro da tarde.
O dia fingido de sol entre noivava os pólenes setembrinos com o vapore incenso do verão em agonia.
Um borboletário fermenta no ar um arranjo estival a voejar dentes-de-leão, formiga-feiticeira e poeira magra e fina. Havia um antigamente à beira do chafariz tatuado de musgo, um marco de correio, uma cabine telefónica, notas de 20 paus, brancos com mistura e uma taberna republicana cheia de velhos basálticos à espera do outro século, do bom, enfim. Um cortejo vestido de fado talvez quatro da tarde nublava o dia em onda média. Era um copo meio-cheio a razão suástica de insistir a roer torresmo e aguardente, talvez bem digo, ou mendigo, Rua da Palma, pão de anteontem, cruz de cristo e o Benformoso. Os marujos trazem nos olhos postais do outro mundo, as docas de londres o porto de Génova, rabelos, miragaia, porque então, talvez quatro da tarde, correm avenida abaixo de memória na mão, o bar dos livros, o Golo, o Record, Rua do Loreto, largo do calhariz, o bar 25, uma ginjnha, um cego, um meio cego dois trafulhas e um sovina, pasteis, batota, folha fininha, campo santana, cirurgia.
O dia fingido de sol entre noivava os pólenes setembrinos com o vapore incenso do verão em agonia.
Quatro da tarde, meio da vida.
Ao fim do rum, uma mota, ao longe passa.
Calou-se o mundo.
E acabou.

Submited by

Friday, June 20, 2014 - 15:36

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Lapis-Lazuli

Lapis-Lazuli's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 5 years 4 weeks ago
Joined: 01/12/2010
Posts:
Points: 1178

Comments

Joel's picture

Calou-se o mundo

Calou-se o mundo

Joel's picture

Calou-se o mundo

Calou-se o mundo

Joel's picture

Calou-se o mundo

Calou-se o mundo

Joel's picture

Calou-se o mundo

Calou-se o mundo

Add comment

Login to post comments

other contents of Lapis-Lazuli

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Fotos/Profile 3517 1 1.756 03/13/2018 - 21:32 Portuguese
Poesia/Aphorism In Vapore Sano 4 984 03/13/2018 - 21:32 English
Poesia/Aphorism Era só isto que eu queria dizer 1 756 02/27/2018 - 10:22 English
Poesia/Aphorism salgo :33 Isaías sonha que aos fala aos camones 0 799 06/20/2014 - 15:41 English
Poesia/General Boca Do Inferno 0 831 07/04/2013 - 22:44 Portuguese
Poesia/Thoughts veludo 3 1.524 05/15/2013 - 17:34 Portuguese
Poesia/Aphorism Segundo Reza a Morte 0 1.092 10/04/2011 - 17:19 Portuguese
Poesia/Meditation Fumo 0 1.342 09/23/2011 - 12:00 Portuguese
Poesia/Aphorism De olhos fechados 3 969 09/20/2011 - 22:11 Portuguese
Poesia/Aphorism Tundra 0 1.461 09/20/2011 - 16:36 Portuguese
Poesia/Meditation Vazio 3 1.496 09/16/2011 - 11:00 Portuguese
Poesia/Aphorism Intento 0 900 09/05/2011 - 16:52 Portuguese
Poesia/Aphorism Palma Porque sim...Minha Senhora da Solidão 0 1.123 08/29/2011 - 11:13 Portuguese
Poesia/Aphorism Editorial 0 1.283 08/29/2011 - 11:08 Portuguese
Poesia/Thoughts Ermo Corpo Desabitado 0 1.188 08/29/2011 - 11:04 Portuguese
Poesia/Aphorism Dos passos que fazem eco 1 1.048 06/21/2011 - 22:06 Portuguese
Poesia/Meditation Autoretrato sem dó menor 3 1.874 03/28/2011 - 23:34 Portuguese
Poesia/Aphorism Todo o mundo que tenho 2 1.204 03/09/2011 - 08:23 Portuguese
Fotos/Profile 3516 0 2.027 11/24/2010 - 00:55 Portuguese
Fotos/Profile 3518 0 2.063 11/24/2010 - 00:55 Portuguese
Fotos/Profile 2672 0 2.133 11/24/2010 - 00:51 Portuguese
Prosas/Others A ultima vez no mundo 0 1.056 11/18/2010 - 23:56 Portuguese
Prosas/Others Os filhos de Emilia Batalha 0 1.143 11/18/2010 - 23:56 Portuguese
Poesia/Disillusion Veredictos 0 939 11/18/2010 - 16:41 Portuguese
Poesia/Intervention Nada mais fácil que isto 0 1.478 11/18/2010 - 16:41 Portuguese