CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Em uma rua qualquer de algum lugar

Por um instante os olhos se abriram
Diante de si as imagens de um tempo remoto
De alegria e sonhos a serem realizados
Os olhos atentos buscavam entender
Sabia a sua triste situação
Deitado ali naquela sarjeta
Tendo jornais velhos como cobertor
E buscando no final do dia nas latas de lixo
O seu alimento para sobreviver.

A vida havia o empurrado para os becos
Na companhia de outros infelizes
Cuja vida não fazia mais sentido algum
Apenas uma existência vazia
Em um mundo contaminado pela dor
E abandonado pela hipocrisia de seus cidadãos.

Preferia viver entre as latas de lixo
Em meio a sujeira das ruas
Embrulhado nos jornais e cobertores velhos
Do que suportar a arrogância de gente hipócritas
Sentadas em suas cadeiras confortáveis
Explorando mais um indigente jogado nas sarjetas.

Mas nem sempre fora assim e isso o machucava sempre
Ao lembrar sua vida na juventude
A linda esposa, a família, o emprego
Os finais de semana no lago, na grama a brincar
Com sua linda filha pequena
E, ao lembrar tudo isso, não continha suas lágrimas
Que tentava esconder entre as barbas longas
No rosto triste de uma saudade.

A noite é fria e o vento silencioso empurra os jornais
Tenta se agasalhar como pode entre os trapos
E olha firme para o vidro de uma loja chique na esquina
No reflexo do espelho vê a imagem que muda seu coração
Do outro lado da rua duas mulheres
Com olhares entre a dor e a esperança
Faz com que seu coração quase deixe de bater.

A sua linda garotinha cresceu
E agora é uma jovem adolescente de rosto angelical
Seus passos são vacilantes entre o desejo de abraçá-la
Ou correr para bem longe
Onde poderá esconder a sua tragédia.

Sua esposa trás em si as marcas da dor
Em um rosto marcado pelo abandono de quem amava
Mas seu semblante também era de perdão
Como se o tempo pudesse mudar aquela situação
E tudo voltar ao normal outra vez.

A jovem dá os passos decisivos em sua direção
Não se importa com a sujeira e o mal cheiro do lixo
Com sinceridade e lágrimas nos olhos
Ela o abraça forte e sussurra em seus ouvidos:
- Papai!
Sob os olhares de seus colegas e transeuntes nas ruas
Há uma comoção nos corações
Que se alegram com esse reencontro.

Então o barulho estridente de um carro em alta velocidade
O faz acordar do sonho
E contempla atormentado a sua miséria
Deixa escapar lágrimas de seu rosto
E pensa na sua família a muito tempo deixada para trás.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com

Submited by

sexta-feira, julho 22, 2022 - 13:17

Poesia :

No votes yet

Odairjsilva

imagem de Odairjsilva
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 8 horas 30 minutos
Membro desde: 04/07/2009
Conteúdos:
Pontos: 8592

Comentários

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

imagem de Odairjsilva

Visitem os

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odairjsilva

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor O que está preso no coração 3 41 10/04/2022 - 23:02 Português
Poesia/Meditação Virtudes do sangue de Cristo 3 72 10/03/2022 - 12:56 Português
Poesia/Intervenção Praga daninha 3 103 10/02/2022 - 14:02 Português
Poesia/Meditação Nada termina para sempre 3 115 10/01/2022 - 14:38 Português
Poesia/Intervenção Hipocrisia 3 241 09/26/2022 - 12:45 Português
Poesia/Desilusão Desejos mal resolvidos 3 146 09/24/2022 - 13:52 Português
Poesia/Desilusão Tudo o que não sei 3 53 09/22/2022 - 20:21 Português
Poesia/Amor No olhar de quem ama 3 42 09/20/2022 - 20:00 Português
Poesia/Desilusão A canção do esquecimento 3 90 09/19/2022 - 13:59 Português
Poesia/Fantasia Perigo 3 70 09/16/2022 - 12:51 Português
Poesia/Pensamentos Memórias impertinentes em uma caverna 3 129 09/14/2022 - 14:08 Português
Poesia/Desilusão Na tarde quente de verão 3 59 09/13/2022 - 19:12 Português
Poesia/Amor Seus olhos na manhã do tempo 3 179 09/12/2022 - 13:28 Português
Poesia/Meditação O menino que não sonhava em ser poeta 3 227 09/10/2022 - 02:35 Português
Poesia/Meditação Aqui não é aqui 3 91 09/09/2022 - 15:54 Português
Poesia/Meditação A estrada a seguir 3 108 09/08/2022 - 20:35 Português
Poesia/Meditação Em uma estúpida curva fechada 3 110 09/07/2022 - 13:44 Português
Poesia/Intervenção Velhos conhecidos já estão mortos 3 189 09/05/2022 - 13:16 Português
Poesia/Amor Eu e esse meu coração 3 127 08/31/2022 - 19:51 Português
Poesia/Meditação Amnésia 3 117 08/30/2022 - 19:39 Português
Poesia/Amor O mar é grande 3 84 08/29/2022 - 20:12 Português
Poesia/Amor O voo das borboletas 3 163 08/19/2022 - 19:53 Português
Poesia/Meditação O Deus que espera 3 114 08/17/2022 - 21:12 Português
Poesia/Pensamentos A sentinela 3 113 08/16/2022 - 20:06 Português
Poesia/Amor Quase sem querer 3 243 08/15/2022 - 13:34 Português