CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Imagina-se, depois pensa-se em entrar

As portas brilham quentes
Cheias de luz
Ruborizando o rosto das mulheres
Que se encolhem à entrada,
Cristalizando as próprias pernas
Ao vento frio nesse doce gosto
Envolvido em sopros
Ardentes, nos lanhos envoltos numa
Barreira de tecido e vidro.

                                          O rosto
                                         moderno
                                                   destas mulheres
                                                           de agora,
                                                                     são
                                                                 nobres
                                                             como   
                                              as fachadas
                                        destas portadas
                                    que parece sustentarem
                                 tal e qual cada azulejo
                                           cravado,
                                                    várias histórias pintadas
à mão

Nas noites que amanhecem tarde para mim
Os pensamentos encharcados
Que secaram um jarro de barro
De uma cantadeira assustada
Perdida num tempo que não é dela
Vendo imagens de infernos aprendidos à força por obra e graça
Do espírito santo
Que se perdeu bêbado num bar
Ouviu Miles Davis,
Recordou Marquês de Sade, e suando
Com um dedo metido tocou a noite
Molhada e esponjosa da cidade suja,
Para espanto desértico das artérias principais
Cheias de corpos deitados
E cobertos
Pela imponência de betão construído
Para alguns, os diferentes
                    [pobre cantadeira, porque fugistes da contínua corrente do tempo, minha inocente criança violada, não percebes que nada pode salvar os meandros obscuros dos meus pensamentos que deixei ensopados numa mesa de café qualquer…]

É,
Isto estará perdido
Mas as mulheres continuam
Esperando o amanhã
Nas portas da Rua de Santa Catarina,
E começo a pensar como é fácil
Santificar os nomes
Quando aquilo que sente, o que é palpável
Ás mãos dos que respiram
É sempre tão violento
Perverso, e a isso chama-mos
Realidade.

Submited by

terça-feira, dezembro 18, 2012 - 20:33
No votes yet

jgff

imagem de jgff
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 31 semanas
Membro desde: 07/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 176

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of jgff

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Arquivo de textos Imagina-se, depois pensa-se em entrar 0 232 12/18/2012 - 20:33 Português
Poesia/Arquivo de textos Manhã 1 446 03/31/2011 - 01:31 Português
Poesia/Arquivo de textos A vida é uma arte cruel 0 416 03/30/2011 - 18:56 Português
Poesia/Arquivo de textos Olhar o spleen de Candido dos Reis 0 507 03/30/2011 - 18:32 Português
Poesia/Arquivo de textos O sono do pensar 0 447 03/30/2011 - 18:19 Português
Poesia/Arquivo de textos Nada se encontra 0 356 03/30/2011 - 18:15 Português
Poesia/Arquivo de textos A procura da resposta pela dor 0 383 03/30/2011 - 18:12 Português
Poesia/Arquivo de textos Um fado cantado 0 471 03/30/2011 - 18:05 Português
Poesia/Arquivo de textos Poema sobre um taxi e um escarro que se saiu 0 920 03/30/2011 - 18:00 Português
Poesia/Arquivo de textos O sossego das palavras 0 355 03/30/2011 - 17:47 Português
Poesia/Arquivo de textos Escolha 0 407 03/30/2011 - 17:42 Português
Poesia/Arquivo de textos História sobre pétalas e uma ponte 0 374 03/30/2011 - 17:36 Português
Poesia/Arquivo de textos Compreensão 0 410 03/30/2011 - 17:27 Português
Poesia/Arquivo de textos Sopro 0 528 03/30/2011 - 17:20 Português
Poesia/Arquivo de textos Gaivotas 0 546 03/28/2011 - 20:00 Português
Poesia/Arquivo de textos Memória 0 457 03/28/2011 - 19:50 Português
Poesia/Arquivo de textos Gozar a morte 0 491 03/28/2011 - 19:46 Português
Poesia/Arquivo de textos Fumo os meu cigarros 0 558 03/28/2011 - 17:52 Português
Poesia/Arquivo de textos Não se encontra a resposta que procuramos 0 616 03/28/2011 - 17:50 Português
Poesia/Arquivo de textos A morte de uma paixão 0 405 03/28/2011 - 17:49 Português
Poesia/Arquivo de textos Verão de Março 0 360 03/28/2011 - 17:48 Português
Poesia/Arquivo de textos O dia nasceu chuvoso 0 610 03/28/2011 - 17:46 Português
Poesia/Arquivo de textos A taberna 0 488 03/28/2011 - 17:45 Português
Poesia/Arquivo de textos O passo 0 411 03/28/2011 - 17:44 Português
Poesia/Arquivo de textos Banco de jardim 0 696 03/28/2011 - 17:43 Português