CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

INSULTO

Insulto

 

 

 

A terra insultada vinga-se dando flores,

Em troca das feridas  e dos horrores,

Que todos lhe fazemos sem antes pensar,

Que vivemos nela, devíamos beijar,

Esta terra que pisamos com desprezo,

Sendo ela nossa mãe desde o terno berço.

 

Caem as bombas fica a terra desventrada,

E a terra em troca, fica calada,

Cria sementes nas feridas cheias de água,

Sem vingança e sem motivos de mágoa,

Cria vida para tapar o luto da morte,

E deixa os homens decidir a sua sorte.

 

Cortam os seus braços erguidos ao céu,

Deixam a terra nua insultada, nem tudo se perdeu,

Opera transformações mas não muda o seu semblante,

Continua a dar flores sem se tornar arrogante,

Dando exemplos aos seus filhos de benevolência,

Mas esta terra que faz nascer também perde a paciência.

 

O que os seus filhos levam anos a fazer,

Esta terra em segundos de tempo faz tudo morrer,

Mas não é de vingança, é a sua Natureza,

Dá flores aos seus filhos e eles dão-lhe tristeza,

Dá-lhes também inteligência para poderem pensar,

Que tudo o que ela cria para ela tudo vai voltar.

 

A terra que insultamos jamais se vinga em nós,

Apenas nos cria e nos transforma, sem ter voz,

Dá-nos as condições para podermos viver,

Dá-nos as flores e o trabalho logo ao nascer,

E cada um de nós que haja segundo a sua vontade,

E cada um com o seu conceito de felicidade.

 

 

Tavira, 25 de Junho de 2011-Estêvão

Submited by

terça-feira, novembro 26, 2013 - 11:31

Poesia :

No votes yet

José Custódio Estêvão

imagem de José Custódio Estêvão
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 semanas 2 dias
Membro desde: 03/14/2012
Conteúdos:
Pontos: 7749

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of José Custódio Estêvão

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Fantasia DANÇA DOS SONHOS 0 312 12/18/2015 - 09:46 Português
Poesia/Meditação OS PASSOS QUE EU DOU 0 495 12/09/2015 - 10:59 Português
Poesia/Meditação QUERO SER EU PRÓPRIO 0 607 12/02/2015 - 16:15 Português
Críticas/Outros O MEU EU E O OUTRO 0 3.953 11/25/2015 - 10:38 Português
Poesia/Amor FALTA DE AMOR 0 621 11/18/2015 - 11:36 Português
Poesia/Meditação DE PASSO APÓS PASSO 0 402 11/11/2015 - 10:28 Português
Poesia/Amor SENTE-SE E NÃO SE VÊ. 0 391 11/09/2015 - 11:17 Português
Poesia/Meditação PRINCÍPIO E FIM 0 769 10/22/2015 - 09:17 Português
Poesia/Meditação VIVENDO 0 947 10/14/2015 - 09:47 Português
Poesia/Meditação O SEGURO E APRUDÊNCIA 0 523 10/07/2015 - 09:59 Português
Poesia/Amor O AMOR É CEGO 0 589 09/30/2015 - 09:04 Português
Poesia/Amor AI O SABONETE 0 976 09/24/2015 - 08:50 Português
Poesia/Meditação LÁGRIMAS 0 493 09/16/2015 - 16:21 Português
Poesia/Meditação A RODA DO TEMPO 0 771 09/09/2015 - 14:59 Português
Poesia/Amor OS TEUS ABRAÇOS 0 562 09/02/2015 - 09:46 Português
Poesia/Meditação A REFORMA 0 623 08/19/2015 - 08:59 Português
Poesia/Meditação A MINHA CAMA 0 760 08/12/2015 - 08:53 Português
Poesia/Intervenção SONETO À CRISE 0 490 08/05/2015 - 08:52 Português
Poesia/Meditação SER SONHADOR SEM SER 0 971 07/29/2015 - 08:52 Português
Poesia/Meditação A CONSCIÊNCIA 0 1.060 07/22/2015 - 09:28 Português
Poesia/Amor DO LONGE SE FAZ PERTO 0 768 07/15/2015 - 08:48 Português
Poesia/Meditação A FELICIDADE TAMBÉM SE MULTIPLICA 0 1.460 07/08/2015 - 08:41 Português
Poesia/Meditação SOU E SEREI 0 499 07/01/2015 - 09:28 Português
Poesia/Fantasia ERA UMA VEZ 0 384 06/25/2015 - 08:28 Português
Poesia/Meditação AI SE EU SOUBESSE 0 864 06/17/2015 - 10:01 Português