CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Decepção da obra e do poder

Quero voar bem alto sobre os prédios
Não quero estar afogado dentro dos bueiros
Da imunda cidade plantada,
Em luzes e ilusões.

Na flor sem graça que nasceu no campo ao lado de nossa casa

Numa evolução que regride
E que nos leva a sermos mais do que nunca autodestrutíveis

(Tentaremos destruir os pórticos de concreto)

Até onde vai a artificialidade das coisas...
Prefiro o feio desde que seja original

Nesta constante inércia
Me vi - nos vendo
Nesta extravagante viagem homérica.

Corrente humana pulsante
Sangue – veículos jorrantes
Da jugular cortada desta garganta cidade

A Política
É a mão que tenta estancar sem êxito
Nossas vidas de sangue se esvaindo.

Submited by

quarta-feira, dezembro 16, 2009 - 23:55

Ministério da Poesia :

No votes yet

FranciscoEspurio

imagem de FranciscoEspurio
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 10 anos 36 semanas
Membro desde: 11/08/2009
Conteúdos:
Pontos: 450

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of FranciscoEspurio

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 2085 0 1.347 11/24/2010 - 00:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Tentativas inúteis na sacada 0 1.107 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Odisséia 0 1.279 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado No caminho das pedras brilhantes (São Thomé das Letras) 0 1.886 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O viço dos seios 0 1.450 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção A pele iraquiana 0 1.348 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O revés 0 1.113 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O guardião 0 1.064 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O Demônio Interior 0 975 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Morte ao amanhecer 0 1.162 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Death to be born wise 0 1.187 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado O texto de um pai 0 1.648 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Fantasia Ninfas 0 1.460 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Atado ao Umbigo 0 1.205 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Pentáculo 0 1.296 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Jean Baptiste Grenouille 0 1.597 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O estocástico 0 945 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Sido Ser 0 1.022 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Grão latente 0 2.074 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O salto das horas 0 1.315 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Segure minhas mãos 0 1.217 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Decepção da obra e do poder 0 1.115 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O ensejo da soma 0 1.226 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Perdição 0 1.128 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Figura de madeira disforme que orna a proa de minha embarcação (Carrancas) 0 995 11/19/2010 - 19:10 Português