CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Odisséia

Dirijo pela rota que leva aos peregrinos
Rumo ao norte
Cruzes enfeitam e amedrontam as curvas da estrada
Cada uma esconde uma história.
O sol se põe cai a noite
O sol nasce amanhece o dia
Em algum posto esconde-se um psicopata
Em busca duma vítima que o faça tremer
E relembrar os seus complexos de criança.

Uma garota chamada Simone
Só, tão só.
Uma morte prevista
Olhos flamejantes de um gladiador das estradas.

Não chore, relembre apenas dos dias bons
Quem sabe não passa de um sonho?

Pobre ser que viveu até o seu último crepúsculo...
Lembra do dia em que escrevia para mim?
Não se lembra do dia em que sorrimos?
Mas tu fugiste
Não quis ser feliz por gostar de ser triste.
Uma explicação para o inimaginável
Um mundo que transcende
Uma dor que alimenta a sede
Por querer ver o que nunca viu
Olhar com estes olhos
E ver um mundo que ninguém vê
Por vivenciar esta Odisséia.

Imagine abrir as janelas e ser eterno.
Sei que só queres ter lembranças
Enxergar com os olhos fechados.
Lembraria de nossas doces conversas
E das nossas brigas
Lembraria que um dia te vi e ouvi,
Mas as palavras são mais fortes.

Lembra do pacto?

Quero ver-me correndo na imensidão
Atravessar séculos
Menosprezar o tempo
Segurar com força os dias
Não deixar as horas escaparem pelos dedos
E ver até quando posso agüentar.

Vamos violentar as estrelas
E vê-las chorarem e se apagarem.

Submited by

quinta-feira, dezembro 17, 2009 - 00:01

Ministério da Poesia :

No votes yet

FranciscoEspurio

imagem de FranciscoEspurio
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 34 semanas
Membro desde: 11/08/2009
Conteúdos:
Pontos: 450

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of FranciscoEspurio

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 2085 0 1.207 11/24/2010 - 00:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Tentativas inúteis na sacada 0 603 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Odisséia 0 819 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado No caminho das pedras brilhantes (São Thomé das Letras) 0 1.636 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O viço dos seios 0 957 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção A pele iraquiana 0 1.044 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O revés 0 764 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O guardião 0 773 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O Demônio Interior 0 716 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Morte ao amanhecer 0 708 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Death to be born wise 0 738 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado O texto de um pai 0 1.342 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Fantasia Ninfas 0 1.002 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Atado ao Umbigo 0 648 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Pentáculo 0 837 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Jean Baptiste Grenouille 0 1.233 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O estocástico 0 527 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Sido Ser 0 781 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Grão latente 0 1.622 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O salto das horas 0 923 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Segure minhas mãos 0 849 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Decepção da obra e do poder 0 836 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O ensejo da soma 0 883 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Perdição 0 664 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Figura de madeira disforme que orna a proa de minha embarcação (Carrancas) 0 686 11/19/2010 - 19:10 Português