CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O estocástico

O abajur é a única luz do escritor,
O único álibi da sua existência.

O olhar atravessa o vidro da janela,
Os prédios cercam o desejo de liberdade
Pessoas vivem em caixinhas de surpresas.

O fragor dos trovões blasfema mais uma vez
Numa voz engasgada.
O céu pisca deixando à mostra os seus cabelos cinza
De nuvens umbrosas.

O ser humano é triste e solitário
Na minha perspectiva aqui de cima,
Num desequilíbrio do meu estado compenetrado
Das vidas em movimento vistas daqui de dentro.
Sou uma migalha tentando não desaparecer.

Os edifícios são rostos malévolos.
Onde deixei a bagagem dos meus sentimentos?
Onde esqueci minha esposa?
Será que a perdi em alguma gaveta?
Onde estão meus irmãos, minhas irmãs, meus pais...?
Tento lembrar das palavras, das conversas,
Mas de nada vale.
Ainda corro sem olhar para trás,
Escalo a maré na mutante enfermidade da “memória”.

Acho que não estou perdido
Acho que meu coração é quem se esqueceu de mim.
Às vezes aprendemos a falar
E, de repente a fala se esquece que foi aprendida.

Minhas mãos rabiscam entropias de textos estocásticos.
Os tijolos dos meus “ontem” são entulhos.

Esvai, esvai, esvai até o dia chorar,
Não posso tentar ser eu,
Porque o “eu” não passa da individualidade do ser humano.

Não sou humano,
Nem sei o que significa ser humano.

Se sou técnico,
Sou mecânico
Sou eletricidade,
Hidráulica
Pneumática.
Troco o amor pelo calor da máquina
Troco a carne pelo aço, êmbolos, hastes, gaxetas...
Meu pulmão é ar comprimido
Meu sangue é óleo
Meu cérebro é um logic program.
Penso metrologicamente.
Choro a pressão adiabática.

Minha vida é a vida útil.
Se “paro” para morrer preventivamente
É porque minha vida foi fria
E deixei-me levar pelas coisas sendo as coisas,
Sendo que as coisas eram para serem apenas “coisas”.
Eu tinha que ser o sentido do sentimento contido dentro da carne,
Só que me fizeram de lata e não de carne.

Na natureza confusa desta época
Suplico que me deixem em paz,
Pois estou orgulhoso por ser nada...
Apenas nada.

Submited by

quarta-feira, dezembro 16, 2009 - 23:50

Ministério da Poesia :

No votes yet

FranciscoEspurio

imagem de FranciscoEspurio
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 29 semanas
Membro desde: 11/08/2009
Conteúdos:
Pontos: 450

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of FranciscoEspurio

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 2085 0 1.198 11/24/2010 - 00:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Tentativas inúteis na sacada 0 583 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Odisséia 0 804 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado No caminho das pedras brilhantes (São Thomé das Letras) 0 1.614 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O viço dos seios 0 939 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção A pele iraquiana 0 1.025 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O revés 0 744 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O guardião 0 752 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O Demônio Interior 0 702 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Morte ao amanhecer 0 692 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Death to be born wise 0 714 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado O texto de um pai 0 1.332 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Fantasia Ninfas 0 987 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Atado ao Umbigo 0 628 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Pentáculo 0 819 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Jean Baptiste Grenouille 0 1.211 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O estocástico 0 518 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Sido Ser 0 772 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Grão latente 0 1.609 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O salto das horas 0 911 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Segure minhas mãos 0 837 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Decepção da obra e do poder 0 826 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O ensejo da soma 0 862 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Perdição 0 657 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Figura de madeira disforme que orna a proa de minha embarcação (Carrancas) 0 674 11/19/2010 - 19:10 Português