CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O salto das horas

Capturei meu sonho na armadilha do sono
Salte!
Mas salte com toda força do mundo para fora de ti mesmo
Erga bandeira ao ferro de seu verdadeiro nome
Não deixe cair de seu semblante o que inexiste,
A vontade que transforma perguntas em mais perguntas.

Tu sabes muito bem!

E digo para o rosto que aparece no espelho seco e material,
Empunho sua sorte, fodo com sua imagem recalcada.

Quero do espelho da alma a resposta de minhas indagações.

Aflito, fito meus olhos até me ver dentro da cisterna que me prende,
Dentro do escuro de possibilidades
E ansioso por novas lentes de novidades.

Combalido cambaleio bêbado nas palavras.

(O Todo como Um,
Um como um Todo)

O livro sempre morre quando lido
E renasce mais forte na mente daquele que o lê
Reencarnando no mundo da mente
Após ter vivido em letras e papéis
Páginas e capítulos.

Eu nasci para ser um objeto
Um abajur na cabeceira da cama
Para plagiar o que o leitor lê
O que o poeta escreve
O que o sonhador sonha antes de dormir
E sou incapaz de tal plágio
Quando desligado pelas mãos
Que não se cansam de me apagarem
Para apagarem-se.

Submited by

quarta-feira, dezembro 16, 2009 - 23:53

Ministério da Poesia :

No votes yet

FranciscoEspurio

imagem de FranciscoEspurio
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 10 anos 30 semanas
Membro desde: 11/08/2009
Conteúdos:
Pontos: 450

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of FranciscoEspurio

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 2085 0 1.336 11/24/2010 - 00:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Tentativas inúteis na sacada 0 981 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Odisséia 0 1.205 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado No caminho das pedras brilhantes (São Thomé das Letras) 0 1.873 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O viço dos seios 0 1.331 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção A pele iraquiana 0 1.229 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O revés 0 1.102 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O guardião 0 1.014 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O Demônio Interior 0 952 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Morte ao amanhecer 0 1.065 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Death to be born wise 0 1.071 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado O texto de um pai 0 1.550 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Fantasia Ninfas 0 1.438 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Atado ao Umbigo 0 1.109 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Pentáculo 0 1.215 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Jean Baptiste Grenouille 0 1.578 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O estocástico 0 778 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Sido Ser 0 946 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Grão latente 0 2.054 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O salto das horas 0 1.220 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Segure minhas mãos 0 1.170 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Intervenção Decepção da obra e do poder 0 1.036 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral O ensejo da soma 0 1.211 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Geral Perdição 0 1.026 11/19/2010 - 19:10 Português
Ministério da Poesia/Dedicado Figura de madeira disforme que orna a proa de minha embarcação (Carrancas) 0 926 11/19/2010 - 19:10 Português