CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Esperanças

Parte I
.
Quando te observo penso que os teus olhos são duas pérolas,
e por isso dou graças a Deus
por não seres deputada na Assembleia da República.
Atravesso-os num barco feito de papel talhado pelas minhas mãos,
e é com os cones da retina
que vês a palidez com que às vezes sinto a saudade.
Aquela saudade que é imensa
como um barco à vela que um dia construí.
Viajo no teu sangue
e sei que as pálpebras se fecharam atrás de mim.
O silêncio é dourado e a noite de cristal.
Vagarosamente entro no teu mundo à descoberta.
.
Hoje sei que estás triste. Eu próprio me sinto triste.
Parece que vão continuar a cumprir à risca
as promessas que tanto apregoaram na campanha.
Ou talvez seja por causa deste dia cinzento que acontece lá fora
e que à medida que vai passando pesa ainda mais.
Ouço o teu coração bater, frágil, doce, assustado, carente.
Ando à procura dele num frenesim louco.
Não admira, já que as leis tão perfeitas do nosso país
me deixam neste estado.
Os remos partiram-se quando virei à esquerda e à direita,
naquele que deve ter sido um soluço da tua alma.
.
Parte II
.
Há no ar um perfume de camomila que tenta acalmar-te.
Parece que a conta de electricidade sobe tão depressa,
como depressa corre o atleta Usain Bolt.
Guerreiros brancos atacam o vírus que se instalou na tua carne.
Embora não os consiga ver,
sei que eles te protegem ao máximo
e constroem muralhas para optimizar esse esforço de equipa.
Entendo tão bem.
O barco é maior que o universo
e eu continuo a viagem
com o firme objectivo
de te abraçar e proteger o coração para sempre.
.
Acordo. Olho pela janela,
com a noite cravejada de estrelas tristes.
Talvez porque te encontras do outro lado do céu
e não consegues iluminar-me como desejas –
chove no teu rosto.
Sinto-me perdido,
navego à bolina como quem toma as decisões,
e as velas do barco parecem rasgar-se no meu corpo.
Mas tenho fé.
Há uma força divina
que me deixa pousar as mãos nas pedras
e desenhar o teu nome.
.
Parte III
.
Às vezes, quando precisas de mim e não estou,
vou pelas ruas balbuciando o teu nome.
Há ministros que são mestres
na conjugação do verbo balbuciar.
As folhas das árvores caem no passeio
e os vidros das montras dos stands de automóveis
estão cheios de pó.
Deve ser por causa dos benefícios fiscais
que temos quando compramos um automóvel –
o carro fica quase de borla.
Nesses vidros desenho um sorriso: o teu.
Aquele que quero tornar eterno.
.
Os meus passos são incertos e eu continuo a pensar em ti.
Uma andorinha passa sobre um candeeiro apagado.
A câmara municipal
ainda não pagou a conta de electricidade deste mês que passou,
mas a luz virá na mesma quando chegar a noite.
Ainda bem que tenho velas em casa,
caso me esqueça de pagar a minha.
.
Parte IV

Tens medo da tua própria viagem.
Muito de nós temos medo.
Mas tu és o mar a que regresso hoje,
a que regressarei sempre.
Balançarás inquieta,
mas lançarei âncoras que te darão equilíbrio e conforto.
Com o meu voto
o medo há-de vencer eleições no coração
quando eu tiver sede a dormir.
A esperança infinita vencerá.
Hás-de abrir os olhos
após uma longa noite de sono tranquilo,
povoado de sonhos, cheio de sensações doces…
E vou estar do teu lado.
Vais dizer-me que nunca desistirás,
mesmo que tenhamos de escalar montanhas
de processos com páginas que duram anos,
e enfrentar vendavais. Vais dormir um pouco mais.
.
Parte V
.
O sol brilha.
A noite chegará a transbordar de perigos.
Parece que os pirilampos fardados
ficam a jogar às cartas, em maior segurança.
Acenderei uma fogueira para afastar esses seres felinos
que se querem aproximar de ti.
Incendiarei o meu sorriso com o calor do amor que sinto.
Este tornar-te-á imune.
.
Hoje há sobremesa. Faço-a em banho-maria,
enquanto lentamente e sem burocracias
te acordo com a carícia leve dos meus lábios no teu rosto.
Quando a noite chegar outra vez a praia acolher-nos-á.
As estrelas vão sorrir de alegria
e poderemos estender a toalha na areia, dar as mãos…
e respirar fundo.
Porque é possível vencer o medo.
Porque a esperança nunca morre enquanto acreditamos.
Talvez hoje acerte nos números e me deixe de importar com o spread.
.
Eu sei que os teus olhos brilham no céu. Infinitos. Com amor.
Tenho esperança.
Um dia destes resolver-se-ão ambos os casos.

rainbowsky

Submited by

sexta-feira, março 19, 2010 - 22:59

Ministério da Poesia :

Your rating: None Average: 5 (1 vote)

rainbowsky

imagem de rainbowsky
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 50 semanas 3 dias
Membro desde: 02/20/2010
Conteúdos:
Pontos: 1944

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of rainbowsky

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Na dobra dos beijos 4 2.049 03/13/2018 - 16:46 Português
Poesia/Tristeza Aquela outra lágrima 11 867 03/10/2018 - 10:42 Português
Poesia/Dedicado Posso falar-te... 4 810 03/08/2018 - 18:10 Português
Fotos/Outros Grito de melancolia 1 2.356 03/08/2018 - 18:10 Português
Poesia/Tristeza Escreves ou não? 5 1.075 03/08/2018 - 18:08 Português
Poesia/Tristeza Frieza 3 1.215 02/27/2018 - 09:52 Português
Poesia/Intervenção Gestos relevantes 1 1.022 01/31/2012 - 00:02 Português
Poesia/Tristeza Mais que uma viagem 1 1.761 12/27/2011 - 00:44 Português
Poesia/Desilusão Volátil - Parte III de III 2 1.260 12/22/2011 - 14:59 Português
Poesia/Desilusão Volátil - Parte II de III 2 1.329 12/22/2011 - 14:41 Português
Culinária/Bolos TARTE DE MAÇÃ DO RAIN 1 1.456 11/28/2011 - 01:34 Português
Poesia/Desilusão Volátil - Parte I de III 8 1.604 11/23/2011 - 14:42 Português
Poesia/Tristeza Delírios 1 1.370 11/08/2011 - 19:42 Português
Poesia/Tristeza A verdade chega 3 1.419 11/01/2011 - 14:29 Português
Poesia/Tristeza A dimensão 1 1.533 10/27/2011 - 21:31 Português
Poesia/Tristeza Formas difíceis 3 1.477 10/25/2011 - 15:07 Português
Poesia/Tristeza Sanguessugas transversais 0 1.525 09/01/2011 - 21:12 Português
Poesia/Tristeza No avesso da alma 2 2.131 08/20/2011 - 23:27 Português
Poesia/Tristeza Luz fugitiva 2 2.178 08/15/2011 - 21:35 Português
Poesia/Tristeza VIOLA ODORATA 1 2.497 08/06/2011 - 00:23 Português
Poesia/Pensamentos Murmúrio e subtileza 6 1.138 07/18/2011 - 19:44 Português
Poesia/Tristeza Sentimento 2 1.579 07/10/2011 - 12:52 Português
Poesia/Desilusão Correndo para o abismo 2 1.588 06/28/2011 - 00:52 Português
Poesia/Meditação O campo da alma 4 1.795 06/14/2011 - 12:32 Português
Poesia/Intervenção Défice geométrico 1 1.461 05/03/2011 - 22:49 Português