A MORTE VIVE EM MIM …

A morte está aqui,

no vinho e bingo do meu pensar.

Silenciosa sombra de olhos arregalados,

olhos que me olham em pálido tombo
e o olhar me esfriam.

Escravos sopros,

que me sopram sobre a pele
as profundezas sem fundo do inferno,

sopros de um rude inverno que me arrepiam.

É esta morte de não viver,

a mais morta das mortes
do meu acontecer em branco.

Esta morte de alma em dor,

vestida de coagulações de amor,
calçada de emoções em pranto e desnorte.

A morte está aqui no vazio do meu lugar,

como uma voz em cinza pelo ar
que o vento gosma sobre a minha cara.

Esta morte que em mim chora

como uma lágrima pelos ângulos da noite
onde o amanhecer se esconde na insónia da saudade.

Esta morte que em mim vive,

como uma frágil fraga,
caída onde o nada mais sobra me engasga
emoldado em palavras mudas no fôlego das visões,

que me traça em pó as sinas das ilusões,
que me desmonta o verbo ser de todas as luzes,

que me desacredita de todos os acreditares,
que me crucifica a todas as cruzes do passado.

E esta morte aqui em mim,

como uma adaga que atalha o sentir,
uma mortalha que me amortalha em desencontro,

que me espelha invisível,

que me espalha na boca de uma multidão indizível.
.
.
.
.

Submited by

Wednesday, March 27, 2013 - 01:45

Poesia :

Your rating: None (5 votes)

Henrique

Henrique's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 6 years 17 weeks ago
Joined: 03/07/2008
Posts:
Points: 34815

Comments

Henricabilio's picture

vida versus morte

a morte com seus nós
habita em todos nós:
Por vezes sentimos-lhe a voz!
Felizmente
também a vida
nos convida
e diz: Presente!

Belo trabalho!

1 abraç0o!

Abilio

Add comment

Login to post comments

other contents of Henrique

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/Thoughts DA POESIA 1 6.425 05/26/2020 - 23:50 Portuguese
Videos/Others Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 38.943 06/11/2019 - 09:39 Portuguese
Poesia/Sadness TEUS OLHOS SÃO NADA 1 2.375 03/06/2018 - 21:51 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 3.039 02/28/2018 - 17:42 Portuguese
Poesia/Thoughts APALPOS INTERMITENTES 0 2.952 02/10/2015 - 22:50 Portuguese
Poesia/Aphorism AQUILO QUE O JUÍZO É 0 2.756 02/03/2015 - 20:08 Portuguese
Poesia/Thoughts ISENTO DE AMAR 0 4.895 02/02/2015 - 21:08 Portuguese
Poesia/Love LUME MAIS DO QUE ACESO 0 3.592 02/01/2015 - 22:51 Portuguese
Poesia/Thoughts PELO TEMPO 0 2.336 01/31/2015 - 21:34 Portuguese
Poesia/Thoughts DO AMOR 0 2.635 01/30/2015 - 21:48 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SENTIMENTO 0 3.102 01/29/2015 - 22:55 Portuguese
Poesia/Thoughts DO PENSAMENTO 0 3.058 01/29/2015 - 19:53 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SONHO 0 2.480 01/29/2015 - 01:04 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SILÊNCIO 0 3.730 01/29/2015 - 00:36 Portuguese
Poesia/Thoughts DA CALMA 0 3.132 01/28/2015 - 21:27 Portuguese
Poesia/Thoughts REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 2.608 01/27/2015 - 22:48 Portuguese
Poesia/Thoughts MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 2.639 01/27/2015 - 16:59 Portuguese
Poesia/Aphorism NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 2.463 01/26/2015 - 20:44 Portuguese
Poesia/Thoughts SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 3.624 01/25/2015 - 22:36 Portuguese
Poesia/Thoughts MIGALHAS DE SAUDADE 0 2.236 01/22/2015 - 22:32 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 2.006 01/21/2015 - 18:00 Portuguese
Poesia/Thoughts PALAVRAS À LUPA 0 3.126 01/20/2015 - 19:38 Portuguese
Poesia/Thoughts MADRESSILVA 0 2.122 01/19/2015 - 21:07 Portuguese
Poesia/Thoughts NA SOLIDÃO 0 2.450 01/17/2015 - 23:32 Portuguese
Poesia/Thoughts LÁPIS DE SER 0 2.397 01/16/2015 - 20:47 Portuguese