NA SAUDADE CULPAS CAEM FALIDAS

Leio em ti
sinais que travam
a fundo o sustento do meu sorriso.

Dizes que estou longe
denunciando protestos
da nossa distância sem pretexto.

O tempo que nos separa
evoca o confim clandestino do limite
contrabandeado por palavras de saudade.

Ausentes,
esta falta de calor na alma não nos mente.

Curiosamente
na saudade culpas caem falidas,
redimidas na burla do nosso destino
que nos isenta o dia seguinte das emoções.

Somos sentimentos
impertinentes porque são verdadeiras
em nome de um amor sem jogo sujo nem ingenuidade.

Emparedamos
promessas evacuadas
em cada beijo sem conflito,
reabilitando o olhar num acredito
que cresce em nós unanimidade de sentir.

Submited by

Sunday, July 5, 2009 - 00:08

Poesia :

No votes yet

Henrique

Henrique's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 5 years 1 week ago
Joined: 03/07/2008
Posts:
Points: 34817

Comments

marialds's picture

Re: NA SAUDADE CULPAS CAEM FALIDAS

"Dizes que estou longe
denunciando protestos
da nossa distância sem pretexto"
Lindo verso.
Gostei muito.

mariamateus's picture

Re: NA SAUDADE CULPAS CAEM FALIDAS

Emparedamos
promessas evacuadas
em cada beijo sem conflito,
reabilitando o olhar num acredito
que cresce em nós unanimidade de sentir.

Olá meu poeta :-)

Brindemos a esse desabafo!.. :oops: :pint:
Há que fazer cedências de ambas as partes!
Parabéns por ser assim...

Beijinho :-) :roll:

Danielagomes's picture

Re: NA SAUDADE CULPAS CAEM FALIDAS

Um poema de amor muito lindo,
repleto de palavras que tocam a alma!
Gostei muito.
bjo :-)

Add comment

Login to post comments

other contents of Henrique

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Videos/Others Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 36.805 06/11/2019 - 08:39 Portuguese
Poesia/Sadness TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.544 03/06/2018 - 20:51 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.157 02/28/2018 - 16:42 Portuguese
Poesia/Thoughts APALPOS INTERMITENTES 0 2.078 02/10/2015 - 21:50 Portuguese
Poesia/Aphorism AQUILO QUE O JUÍZO É 0 1.940 02/03/2015 - 19:08 Portuguese
Poesia/Thoughts ISENTO DE AMAR 0 3.943 02/02/2015 - 20:08 Portuguese
Poesia/Love LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.622 02/01/2015 - 21:51 Portuguese
Poesia/Thoughts PELO TEMPO 0 1.654 01/31/2015 - 20:34 Portuguese
Poesia/Thoughts DA POESIA 0 5.287 01/30/2015 - 22:06 Portuguese
Poesia/Thoughts DO AMOR 0 1.801 01/30/2015 - 20:48 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SENTIMENTO 0 2.152 01/29/2015 - 21:55 Portuguese
Poesia/Thoughts DO PENSAMENTO 0 2.315 01/29/2015 - 18:53 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SONHO 0 1.596 01/29/2015 - 00:04 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SILÊNCIO 0 2.757 01/28/2015 - 23:36 Portuguese
Poesia/Thoughts DA CALMA 0 2.017 01/28/2015 - 20:27 Portuguese
Poesia/Thoughts REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.837 01/27/2015 - 21:48 Portuguese
Poesia/Thoughts MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.657 01/27/2015 - 15:59 Portuguese
Poesia/Aphorism NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.638 01/26/2015 - 19:44 Portuguese
Poesia/Thoughts SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.836 01/25/2015 - 21:36 Portuguese
Poesia/Thoughts MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.527 01/22/2015 - 21:32 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.415 01/21/2015 - 17:00 Portuguese
Poesia/Thoughts PALAVRAS À LUPA 0 2.355 01/20/2015 - 18:38 Portuguese
Poesia/Thoughts MADRESSILVA 0 1.400 01/19/2015 - 20:07 Portuguese
Poesia/Thoughts NA SOLIDÃO 0 1.721 01/17/2015 - 22:32 Portuguese
Poesia/Thoughts LÁPIS DE SER 0 1.604 01/16/2015 - 19:47 Portuguese