AMOR CUJO CARVÃO SE INCENDEIA DE GELO …

Ouvido ou visto,
sentido sem tido, sem tacto,
falado sem fala, inteiro destruído.

Morto sem morte, sem tecto,
sorte que sem saliva se diz e cala,
raso eco no beco do passo, cisco no olhar.

Insólita porta cuja saída sai caída em intácteis chãos.

Mãos de bofetadas borratadas de sombra,
atadas mãos a claustrofóbicos nadas,
fechadas sobre si em punhos

que esmurraçam os rascunhos do tempo.

Momento cem à hora, vento sem à hora pertencer.

Viver que sem vida vive em correntio inerte.

Letárgica desistência
que verte o sangue dessa distância
que me afoga os pulmões de todos os quereres.

Saraiva de acontecer em raiva,
ossadas de feroz ódio desarticuladamente gritado.

Prazer gretado de dor.

Amor cujo carvão se incendeia de gelo.

Candeia de lumes cuja luminância ilumina o abismo.

Fogo de petróleos que em choro se evaporam da alma.

Beijos cujos lábios são afiadas lâminas
a ceifar os neurónios do coração,
a barbear os seres da razão.

Abraços que sem saudade
são uma forca em volta do pescoço da noite,
engasgado sono por insónias tecedeiras de solidão e frio.

Pensamentos como coxos beirais
que se abeiram de nenhures.

Coveiras lágrimas que algures escavam covas
de procrastinação.

.
.
.
.

Submited by

Tuesday, July 2, 2013 - 20:15

Poesia :

Your rating: None (4 votes)

Henrique

Henrique's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 5 years 7 weeks ago
Joined: 03/07/2008
Posts:
Points: 34817

Add comment

Login to post comments

other contents of Henrique

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Videos/Others Já viram o Pedro abrunhosa sem óculos? Pois ora aqui o têm. 1 37.062 06/11/2019 - 09:39 Portuguese
Poesia/Sadness TEUS OLHOS SÃO NADA 1 1.634 03/06/2018 - 21:51 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O INFINITO SEJA O PRINCÍPIO 4 2.248 02/28/2018 - 17:42 Portuguese
Poesia/Thoughts APALPOS INTERMITENTES 0 2.154 02/10/2015 - 22:50 Portuguese
Poesia/Aphorism AQUILO QUE O JUÍZO É 0 2.008 02/03/2015 - 20:08 Portuguese
Poesia/Thoughts ISENTO DE AMAR 0 4.020 02/02/2015 - 21:08 Portuguese
Poesia/Love LUME MAIS DO QUE ACESO 0 2.713 02/01/2015 - 22:51 Portuguese
Poesia/Thoughts PELO TEMPO 0 1.702 01/31/2015 - 21:34 Portuguese
Poesia/Thoughts DA POESIA 0 5.467 01/30/2015 - 23:06 Portuguese
Poesia/Thoughts DO AMOR 0 1.847 01/30/2015 - 21:48 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SENTIMENTO 0 2.299 01/29/2015 - 22:55 Portuguese
Poesia/Thoughts DO PENSAMENTO 0 2.379 01/29/2015 - 19:53 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SONHO 0 1.648 01/29/2015 - 01:04 Portuguese
Poesia/Thoughts DO SILÊNCIO 0 2.864 01/29/2015 - 00:36 Portuguese
Poesia/Thoughts DA CALMA 0 2.205 01/28/2015 - 21:27 Portuguese
Poesia/Thoughts REPASTO DE ESQUECIMENTO 0 1.881 01/27/2015 - 22:48 Portuguese
Poesia/Thoughts MORRER QUE POR DENTRO DA PELE VIVE 0 1.775 01/27/2015 - 16:59 Portuguese
Poesia/Aphorism NENHUMA MULTIDÃO O SERÁ 0 1.781 01/26/2015 - 20:44 Portuguese
Poesia/Thoughts SILENCIOSA SOMBRA DE SOLIDÃO 0 2.944 01/25/2015 - 22:36 Portuguese
Poesia/Thoughts MIGALHAS DE SAUDADE 0 1.566 01/22/2015 - 22:32 Portuguese
Poesia/Thoughts ONDE O AMOR SEMEIA E COLHE A SOLIDÃO 0 1.480 01/21/2015 - 18:00 Portuguese
Poesia/Thoughts PALAVRAS À LUPA 0 2.400 01/20/2015 - 19:38 Portuguese
Poesia/Thoughts MADRESSILVA 0 1.437 01/19/2015 - 21:07 Portuguese
Poesia/Thoughts NA SOLIDÃO 0 1.771 01/17/2015 - 23:32 Portuguese
Poesia/Thoughts LÁPIS DE SER 0 1.684 01/16/2015 - 20:47 Portuguese