CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Claramente

Imagino a vida por um fio, um fio farto em percalços,

uns frutos do destino, outros frutos da ilusão,

Uma venda que defrauda os sentidos

Claramente, a mente deriva sem orientação.

 

Alucina, perde-se em sonhos, pinta-os d’ouro

Encanta-se pelo falso reluzir, falsas intenções

Claramente, um bloqueio do raciocínio

Uma enxurrada mental de emoções.

 

Defraudada, à deriva, encantada e bloqueada

perde a impermeabilidade e qualquer outra protecção.

O olho da mente que não vê pelo órgão da vista, imagina

Claramente, pinta arco-íris em dias secos, cria a ilusão.

 

E na ilusão transforma porcos em pérolas

E no lodo vê um mar azul e uma praia de areias douradas

Regista num disco riscado, que encrava numa mesma faixa

Respira a névoa dos sonhos, bebe das suas palavras.

 

Claramente, acredita e segue pelo nevoeiro de uma mente turva

Gera o destino e as profecias, imortaliza a ilusão,

Congela o tempo e a evolução do espírito

Aguarda, certa da sua aspiração.

 

Existem momentos de vigília que nos despertam

E nesses engolimos os frutos do destino

A soma das acções passadas com as presentes

Resultado que diluí o verniz envelhecido.

 

Claramente, distinguimos a linha que se repete

A tendência de nos concentrarmos numa linha segura

Ainda que igualmente dura,

O resultado que já se conhece.

 

E quem não é real, não deve existir

Lição que se retira, preço que se paga

Destino que se desfaz, caminho sem retorno

Factura, ainda que liquidada, marca!

 

Claramente, no reerguer da fortaleza rejeito o mergulho

Na chama que arderia eterna,

Na imensidão do teu olhar

No abismo do teu nada!

 

De ti apenas teria os sonhos despidos

e o corpo profanado.

Claramente, cresci!

 

Publicado no Blog Broken Wings e no Blog da PEAPAZ

Submited by

terça-feira, março 15, 2011 - 14:16

Ministério da Poesia :

No votes yet

Ema Moura

imagem de Ema Moura
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 23 semanas 5 dias
Membro desde: 03/15/2011
Conteúdos:
Pontos: 317

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Ema Moura

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Amor Nada mais (nona carta) 0 468 09/22/2014 - 17:54 Português
Prosas/Contos «Pele...» 0 464 09/22/2014 - 17:52 Português
Prosas/Erótico Proposta 0 563 09/22/2014 - 17:50 Português
Poesia/Pensamentos Confissões de um conquistador 0 568 09/22/2014 - 17:47 Português
Poesia/Pensamentos Pintura introspectiva 0 737 09/20/2014 - 10:19 Português
Poesia/Pensamentos Silencia o teu amor 0 514 09/20/2014 - 10:17 Português
Prosas/Pensamentos Monólogo da memória 0 463 09/20/2014 - 10:15 Português
Poesia/Paixão Obsessão 0 578 09/20/2014 - 10:10 Português
Poesia/Erótico Tortura, anseio... 1 669 01/27/2013 - 21:47 Português
Prosas/Contos Inspira, relaxa e divaga... Suspira! 2 613 01/27/2013 - 16:40 Português
Prosas/Erótico Outra vez! 2 1.136 01/27/2013 - 16:36 Português
Poesia/Paixão Quero-te outra vez... 0 483 01/27/2013 - 16:08 Português
Poesia/Amor Ouve-me 1 597 01/27/2013 - 15:50 Português
Poesia/Erótico Amarro-te! 3 884 01/27/2013 - 15:45 Português
Poesia/Meditação Ofélia 0 575 01/12/2013 - 22:34 Português
Prosas/Contos Brilho 0 661 01/12/2013 - 22:20 Português
Prosas/Contos Esculpidos na pedra 0 468 01/12/2013 - 22:15 Português
Poesia/Amor Espero 0 632 01/12/2013 - 22:10 Português
Prosas/Romance Hoje, o céu é meu... 0 892 08/11/2011 - 13:09 Português
Poesia/Meditação Saudade poética 2 758 07/09/2011 - 01:59 Português
Prosas/Erótico O desejo é muito mais que um brilho no olhar... 0 831 07/07/2011 - 22:17 Português
Prosas/Erótico Tortura 0 705 07/07/2011 - 22:13 Português
Prosas/Pensamentos Hoje 0 804 07/07/2011 - 22:06 Português
Prosas/Erótico «Surpresa. Hoje é dia de pagamento!» 0 775 07/07/2011 - 21:59 Português
Prosas/Erótico Saltos inquietos 0 780 07/07/2011 - 21:56 Português