CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Podemos conversar?

Podemos conversar?
Eu estou confusa, sou confusa ou algo me confunde.
Eu não sei se amo ou se não sei amar. Talvez ame o Amor e não alguém.
Confesso-me ao Amor entre homens e mulheres.
Aquele que cedo se tornou um imperativo e uma busca inglória. Aquele a que chamo de O Encaixe.
Quem o tem, tem tudo, mesmo não tendo mais nada.
Quem "encaixa" arrepia, ruboriza e o coração bombeia como um beija-flor.
O mundo pode estar de cabeça para baixo, a dor aumentando que no momento em que estes olhos se encontram e esses braços se abraçam tudo se esquece. Está-se com e no Encaixe. A salvo!
Ora, eu nunca estive a salvo. Se nunca estive a salvo, se a minha pele não arrepia, nem ruboriza e o meu coração chora porque não toca a melodia do Beija-flor, como eu sei que O Encaixe existe?
Existe apenas porque quero?
Existe num plano que me impele a escrever como um lamento, um pedido?
Porque eu quero sentir o coração aumentando a velocidade. Eu sei que se o sentir toda eu me ilumino e a felicidade é, no momento, transbordante. Sei porque já senti isso, ainda que a pele não tenha arrepiado e o rubor não tenha aflorado.
Eu já senti a pele a arrepiar, assim com um toque proibido, não necessariamente atrevido. A proibição estava onde foi plantada e as suas raízes emitiram pulsões nervosas e a pele arrepiou. Queria mais e não podia e este querer e não poder, gerou tão deliciosa energia... Mas não era amor, era brincar ao proibido. Mais do que isso e tudo desaparecia levado pelo nevoeiro. Apenas ficava o vazio e a indiferença pelo Outro.
Um dia eu senti tudo! Ondas e ondas de calor, o coração colorindo a pele, a pele arrepiada até às entranhas. As estrelas brilhavam mais e o nevoeiro levou a cidade, apenas ficámos nós. Nós e a proibição. A noite não foi menos mágica por isso. Sentir, falar, rir, beijar tiveram um outro significado. Respirava um outro ar, como se respirasse pela primeira vez.
Era bom e doía. Era tão bom que eu tive medo que desaparecesse. Se tocar, desaparece - pensei. Não houve outro encontro, fugi, repeli-o. Doeu ainda mais, mas era bom, estava lá...
Tentei esquecer, mas não esqueci...
Entregando-me a outro, sem perigo, cuidei que o afastamento fosse eterno, assim como o preservar desse monstruoso desejo e desse amar tão perdido... Casei! Escolhi o entusiasmo por alguém, mas sem fogueira. Dedicação total, mas sem perdição. O ar era respirável e o sentimento crescia. Sentimento, sem pele arrepiada e sem Beija-flor! Ainda assim, a intimidade era um movimento crescente, assim como, em sentido contrário, vi diminuir a liberdade e o meu crescimento. A vida corria sem projecto e o afecto era precário. Deixei-me agredir e continuei a dar tudo por tudo… Até não ter nada, não ser nada e sentir nada.
Vinte anos passaram, duas vidas que se consomem enquanto se desdobram nos cuidados das duas vidas que geraram…
Olhando bem no futuro, aquele que um dia será presente, diria que estou com a pessoa com quem quero envelhecer. Mas no presente, o gesto entre um homem e uma mulher enche-me os olhos de lágrimas e o coração bate como se estivesse à espera da morte. Ainda assim, olho-o com um misto de carinho e medo.
Inquietude.
Inquieto-me pelo desejo imenso de um arrepio, de um rubor e do meu coração Beija-flor.
Eu estou confusa, sou confusa ou algo me confunde.
Eu não sei se amo ou se não sei amar. Talvez ame o Amor e não alguém.
Confesso-me ao Amor entre homens e mulheres.
Podemos conversar?

 

Publiquei, hoje, nos meus Blogues: PEAPAZ e no Olhar_Joanna

Submited by

terça-feira, março 22, 2011 - 14:43

Prosas :

No votes yet

Ema Moura

imagem de Ema Moura
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 37 semanas 2 dias
Membro desde: 03/15/2011
Conteúdos:
Pontos: 317

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Ema Moura

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Amor Nada mais (nona carta) 0 523 09/22/2014 - 17:54 Português
Prosas/Contos «Pele...» 0 496 09/22/2014 - 17:52 Português
Prosas/Erótico Proposta 0 594 09/22/2014 - 17:50 Português
Poesia/Pensamentos Confissões de um conquistador 0 605 09/22/2014 - 17:47 Português
Poesia/Pensamentos Pintura introspectiva 0 769 09/20/2014 - 10:19 Português
Poesia/Pensamentos Silencia o teu amor 0 543 09/20/2014 - 10:17 Português
Prosas/Pensamentos Monólogo da memória 0 497 09/20/2014 - 10:15 Português
Poesia/Paixão Obsessão 0 618 09/20/2014 - 10:10 Português
Poesia/Erótico Tortura, anseio... 1 718 01/27/2013 - 21:47 Português
Prosas/Contos Inspira, relaxa e divaga... Suspira! 2 655 01/27/2013 - 16:40 Português
Prosas/Erótico Outra vez! 2 1.184 01/27/2013 - 16:36 Português
Poesia/Paixão Quero-te outra vez... 0 511 01/27/2013 - 16:08 Português
Poesia/Amor Ouve-me 1 643 01/27/2013 - 15:50 Português
Poesia/Erótico Amarro-te! 3 940 01/27/2013 - 15:45 Português
Poesia/Meditação Ofélia 0 624 01/12/2013 - 22:34 Português
Prosas/Contos Brilho 0 697 01/12/2013 - 22:20 Português
Prosas/Contos Esculpidos na pedra 0 501 01/12/2013 - 22:15 Português
Poesia/Amor Espero 0 673 01/12/2013 - 22:10 Português
Prosas/Romance Hoje, o céu é meu... 0 925 08/11/2011 - 13:09 Português
Poesia/Meditação Saudade poética 2 803 07/09/2011 - 01:59 Português
Prosas/Erótico O desejo é muito mais que um brilho no olhar... 0 877 07/07/2011 - 22:17 Português
Prosas/Erótico Tortura 0 733 07/07/2011 - 22:13 Português
Prosas/Pensamentos Hoje 0 840 07/07/2011 - 22:06 Português
Prosas/Erótico «Surpresa. Hoje é dia de pagamento!» 0 840 07/07/2011 - 21:59 Português
Prosas/Erótico Saltos inquietos 0 830 07/07/2011 - 21:56 Português