CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O Misantropo

Na angustia do meu temperamento extremista
Nunca buscarei ser tudo
Muito menos suportarei ser nada.
Não suportarei esperar a morte
Perambulando em vida
Apenas posso doar de mim pra mim
Um pouco a cada conquista

Não posso perder o espetáculo da vida
Essas figuras lendárias que são os mitos de suas próprias histórias
Preciso duma dose diária dessa humanidade doentia
Nela reside meu entusiasmo, minha alegria

Nunca serei feliz sozinho literalmente
Pois é preciso de muita gente
Para que me sinta sozinho plenamente
Somente assim, no fundo da minha alma
Estarei sempre sentado ali
Sobre a pedra filosofal
Compenetrado a divagar sobre tudo
Como se nada a minha volta existisse...

Submited by

terça-feira, novembro 8, 2011 - 19:49

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

carlfilho

imagem de carlfilho
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 anos 6 horas
Membro desde: 05/25/2009
Conteúdos:
Pontos: 519

Comentários

imagem de Cristy_f

"Nunca serei feliz sozinho

"Nunca serei feliz sozinho literalmente
Pois é preciso de muita gente
Para que me sinta sozinho plenamente"

Em três versos coube toda a intensidade desse poema, a meu ver. A primeira leitura é escorregadia porque o jogo de palavras desse trecho faz o leitor menos atento não entender de imediato. Seria a solidão a felicidade?

imagem de RICARDORODEIA

Valente

Valente final!

Impressivo:

 

Estarei sempre sentado ali
Sobre a pedra filosofal
Compenetrado a divagar sobre tudo
Como se nada a minha volta existisse...

Gostei bastante.

Parabéns.

Abraço

imagem de carlfilho

Valeu Ricardo! Obrigado pelas

Valeu Ricardo!

Obrigado pelas considerações!!

abraço

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of carlfilho

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Desilusão Anticorpo 0 507 09/18/2014 - 19:09 Português
Poesia/Geral Deixa 0 545 01/30/2014 - 21:10 Português
Poesia/Tristeza A Morte do Meu Sorriso 0 610 09/12/2013 - 21:13 Português
Poesia/Geral O Número 1 343 03/15/2013 - 18:48 Português
Poesia/Geral Os animais 3 680 03/15/2013 - 18:39 Português
Poesia/Geral Parceria Eterna 2 1.122 11/27/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Boa Noite 4 993 11/27/2012 - 17:56 Português
Poesia/Tristeza Caixeiro Viajante 1 738 11/26/2012 - 21:41 Português
Poesia/Tristeza Coração Notívago 2 914 11/26/2012 - 21:26 Português
Poesia/Geral Pulvi es (et pulverem reverteris) 2 1.265 11/23/2012 - 23:29 Português
Poesia/Geral A Idéia Assombra 1 858 11/23/2012 - 16:57 Português
Poesia/Fantasia O Misantropo 3 1.168 11/23/2012 - 16:45 Português
Poesia/Geral Isto Posto 4 622 11/21/2012 - 20:23 Português
Poesia/Paixão Desarme 1 456 11/21/2012 - 19:39 Português
Poesia/Geral Estranho Decorrer 1 614 11/20/2012 - 23:08 Português
Poesia/Amor Meu Amor Imaginário 1 569 04/20/2012 - 19:22 Português
Poesia/Soneto Soneto do Rei Álacre 0 649 01/11/2012 - 17:20 Português
Poesia/Meditação Faz toda a diferença 0 562 01/10/2012 - 16:00 Português
Poesia/Meditação Gosto Daqui... 1 536 12/16/2011 - 03:13 Português
Poesia/Amizade Adenium 0 641 12/15/2011 - 14:36 Português
Poesia/Fantasia O Tédio 0 579 12/09/2011 - 14:33 Português
Poesia/Fantasia Devida Verve 0 572 12/07/2011 - 14:16 Português
Poesia/Tristeza Asfalto 1 842 11/28/2011 - 20:47 Português
Poesia/Tristeza Punhais 0 581 11/28/2011 - 17:57 Português
Poesia/Fantasia Idas 0 899 11/08/2011 - 21:55 Português