CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Acorda Clara... Por favor!

Não existe um final feliz nesta história, pelo que, ficam desde já advertidos para esse facto.
Clara se alguma vez duvidou que o caminho escolhido era contra natura, cedo confirmou as suas suspeitas. Ela optara pelo fel e com essa decisão viveria resignada e por essa decisão daria o melhor de si.
Clara era uma jovem que espantava os seus pares com a sua beleza inquietante e uma inteligência incisiva. Desde tenra idade diverti-a descortinar os enredos, descobrir os culpados das tramas. Algo que fazia muito bem dentro e fora do espaço de ficção, desde que não fosse ela própria um alvo. A ela não se via e todas as suas capacidades eram inúteis para sua defesa. Aliás, no que lhe dizia respeito nenhuma advertência surtia em Clara o efeito desejado, dado que ela , simplesmente, se entregava em sacrifício, em prole dos seus ideais românticos.
_ Nasci marcada por um sentido de missão! - Diria ela com toda a convicção, embora com um triste e sonhador sorriso, pedindo-vos que desviem os olhos dos cacos de vidro que optou pisar.
Existem pessoas assim que não pisam a relva fofa porque o caminho não lhes pertence. Outros existem que não querem saber e à mínima contrariedade invadem os terrenos vizinhos como se nada fosse.
Clara sabe que exagera. O seu zelo pelos outros chega a ser um acto de auto-flagelação. Ela dá o corpo à dor e deixa que esta amordace a sua alma no seu objectivo primordial de crescer e ser feliz.
A vida é misteriosa, um nevoeiro espesso que serpenteia como língua de gelo.
Quantas vezes pensamos, em demasia, nas coisas que perdemos ou que não temos... Na verdade tudo o que perdemos de mais valioso é Tempo. Tempo que podemos passar connosco e com os outros. Mas não vemos até ser tarde demais... Depois haverá Tempo para reflectir.
Ainda que acreditando na pureza das intenções, Clara sabe do que abre mão de cada vez que inspira e se força na trilha da dor. No caminho, foi despindo e despedindo-se da fé nos outros. Naturalmente, Clara já não acredita em si. Talhada foi para se abrir ao mundo, pelo que, não tem como se barricar dentro de si. Ela é pertença de outros... Nunca foi apenas sua e nada tem de seu.
Conseguem visualizar?
Fechem os olhos. Sintam as carícias do vento nos seus negros cabelos, contemplem os contornos da rosa em seus lábios, percam-se nas curvas alvas que serpenteiam o seu corpo. Esqueçam os pés pequenos e magoados.
Abram os olhos. Vejam as estrelas flutuantes no olhar dela. Vejam como os seus olhos sorriem, ainda que mergulhados numa calda angustiada. Esqueçam as lágrimas dentro do brilho, vejam o amor.
O Amor que Clara abraça como uma noção do qual depende como o ar que respira.
O Amor do qual é profeta e nunca destinatária.
Clara ama e não se deixa amar. O amor é uma gravura no horizonte. O caminho é longo e estilhaçado. Na trilha do amor sem o poder tocar. Tocada sem o poder sentir...
Clara sorri nas lágrimas que verte e que descem ondulantes acariciando o seu corpo, beijando os seus pés.
_Anda Clara! - parece-lhe ouvir - Vem e escolhe a liberdade... Escolhe a liberdade...
Abre os olhos e continua o seu caminho ainda que meia adormecida, para que sinta apenas meia dor.
_Clara! - ouve-se o vento por entre os seus cabelos, brincando no tecido que lhe cobre o corpo e lhe venda a alma.
Ele ama-a e Clara não sabe, não sente. Pergunta-se no seu torpor por que caminhos andará o seu amor.

Acorda Clara...Por favor!

Submited by

sexta-feira, abril 22, 2011 - 13:22

Prosas :

No votes yet

Ema Moura

imagem de Ema Moura
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 51 semanas 4 dias
Membro desde: 03/15/2011
Conteúdos:
Pontos: 317

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Ema Moura

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Amor Nada mais (nona carta) 0 588 09/22/2014 - 18:54 Português
Prosas/Contos «Pele...» 0 538 09/22/2014 - 18:52 Português
Prosas/Erótico Proposta 0 643 09/22/2014 - 18:50 Português
Poesia/Pensamentos Confissões de um conquistador 0 649 09/22/2014 - 18:47 Português
Poesia/Pensamentos Pintura introspectiva 0 815 09/20/2014 - 11:19 Português
Poesia/Pensamentos Silencia o teu amor 0 585 09/20/2014 - 11:17 Português
Prosas/Pensamentos Monólogo da memória 0 546 09/20/2014 - 11:15 Português
Poesia/Paixão Obsessão 0 671 09/20/2014 - 11:10 Português
Poesia/Erótico Tortura, anseio... 1 777 01/27/2013 - 22:47 Português
Prosas/Contos Inspira, relaxa e divaga... Suspira! 2 695 01/27/2013 - 17:40 Português
Prosas/Erótico Outra vez! 2 1.250 01/27/2013 - 17:36 Português
Poesia/Paixão Quero-te outra vez... 0 551 01/27/2013 - 17:08 Português
Poesia/Amor Ouve-me 1 686 01/27/2013 - 16:50 Português
Poesia/Erótico Amarro-te! 3 1.017 01/27/2013 - 16:45 Português
Poesia/Meditação Ofélia 0 660 01/12/2013 - 23:34 Português
Prosas/Contos Brilho 0 758 01/12/2013 - 23:20 Português
Prosas/Contos Esculpidos na pedra 0 556 01/12/2013 - 23:15 Português
Poesia/Amor Espero 0 736 01/12/2013 - 23:10 Português
Prosas/Romance Hoje, o céu é meu... 0 967 08/11/2011 - 14:09 Português
Poesia/Meditação Saudade poética 2 854 07/09/2011 - 02:59 Português
Prosas/Erótico O desejo é muito mais que um brilho no olhar... 0 954 07/07/2011 - 23:17 Português
Prosas/Erótico Tortura 0 784 07/07/2011 - 23:13 Português
Prosas/Pensamentos Hoje 0 909 07/07/2011 - 23:06 Português
Prosas/Erótico «Surpresa. Hoje é dia de pagamento!» 0 909 07/07/2011 - 22:59 Português
Prosas/Erótico Saltos inquietos 0 877 07/07/2011 - 22:56 Português