CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Se fosse um rebento...

Observo o quadro natural que se ergue perante os olhos, admiro a simplicidade do seu existir. Pergunto-me quantos antes de mim pararam, extasiados pelo movimento ondulante das folhas em suas copas majestosas. Árvores imponentes se afirmaram em terreno fértil, surgiram de frágeis rebentos, criaram raízes nas histórias dos homens.

Observo a superfície que oculta as suas densas raízes, vejo como o solo fervilha de vida e imagino-me como parte daquele todo!

A minha natureza insegura, marcada por ferimentos que não se curam, turva-me o reflexo daquele quadro. Agita-me as águas subterrâneas, já por si tumultuosas, fazendo emergir questões em catadupa:

_ Se fosse um rebento, a sombra das grandes árvores serviria de protecção?

_ Teriam essas árvores o desejo de me privarem dos raios alimentares?

_ Se fosse um daqueles rebentos teria espaço para crescer?

_ Poderia, na minha frágil existência, almejar espalhar as minhas raízes?

Fixar raízes… Algo dentro de mim impele-me a levantar a âncora. Dificilmente, as minhas raízes se fixariam, ainda que em terreno fértil, isto é, se fosse um rebento. Como sou, imagino-me à deriva carregada no abraço forte do vento, tocando o chão apenas pelo tempo suficiente, necessário a uma alimentação de subsistência.

Há vidas assim… Não se fixam e não se deixam tocar.

Sei que, se fosse um rebento, gostaria de espreguiçar as minhas raízes, lançando-as no mundo, abraçando todas as direcções. Cresceria, verticalmente, no centro da rede e majestosa abriria os múltiplos braços, convidando a vida a construir ninhos por entre os meus cabelos. O vento não me faria tremer, ainda que rodopiasse, agitando ou até arrancando algumas folhas. Sorriria, ao vê-lo carregar uma trança do meu cabelo!

Logo, quando pequenos bicos reclamarem alimento, verei, nos espelhos d’água, como fico bela ornamentada por flores… Amores… Uns produzirão frutos suculentos, outros apenas sangrarão nos espinhos ocultos.

Perguntem-me porque a beleza necessita de espinhos… Eu vos direi que a formosura se reveste de saliências agudas para sua própria protecção. Por outro lado, a verdadeira perfeição obriga-nos a carregar as farpas que retiramos de outro alguém… Alívio de uns, martírio de outros.

Se fosse um rebento também procuraria transformar as impurezas em algo melhor, algo que pudesse libertar. Não sei se concordam comigo, mas julgo que só devemos dar ao mundo a melhor parte nós. O restante deve descer ao subsolo e deixar-se doutrinar pelas raízes, convertendo paz em alimento e alimento em vida. Só assim, poderemos ascender e abrir aos céus os braços sem qualquer receio.

Amores… Uns produzirão frutos suculentos, outros apenas sangrarão nos espinhos ocultos.

Observo o quadro natural que se ergue perante os olhos, admiro a simplicidade do seu existir. Pergunto-me quantos antes de mim pararam, extasiados, perante a magnitude de tão majestosas árvores, surgidas em terreno fértil e que um dia foram tão frágeis rebentos…

Submited by

quinta-feira, julho 7, 2011 - 22:45

Prosas :

No votes yet

Ema Moura

imagem de Ema Moura
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 51 semanas 4 dias
Membro desde: 03/15/2011
Conteúdos:
Pontos: 317

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Ema Moura

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Amor Nada mais (nona carta) 0 587 09/22/2014 - 18:54 Português
Prosas/Contos «Pele...» 0 538 09/22/2014 - 18:52 Português
Prosas/Erótico Proposta 0 643 09/22/2014 - 18:50 Português
Poesia/Pensamentos Confissões de um conquistador 0 649 09/22/2014 - 18:47 Português
Poesia/Pensamentos Pintura introspectiva 0 815 09/20/2014 - 11:19 Português
Poesia/Pensamentos Silencia o teu amor 0 585 09/20/2014 - 11:17 Português
Prosas/Pensamentos Monólogo da memória 0 546 09/20/2014 - 11:15 Português
Poesia/Paixão Obsessão 0 670 09/20/2014 - 11:10 Português
Poesia/Erótico Tortura, anseio... 1 777 01/27/2013 - 22:47 Português
Prosas/Contos Inspira, relaxa e divaga... Suspira! 2 695 01/27/2013 - 17:40 Português
Prosas/Erótico Outra vez! 2 1.250 01/27/2013 - 17:36 Português
Poesia/Paixão Quero-te outra vez... 0 551 01/27/2013 - 17:08 Português
Poesia/Amor Ouve-me 1 686 01/27/2013 - 16:50 Português
Poesia/Erótico Amarro-te! 3 1.017 01/27/2013 - 16:45 Português
Poesia/Meditação Ofélia 0 660 01/12/2013 - 23:34 Português
Prosas/Contos Brilho 0 758 01/12/2013 - 23:20 Português
Prosas/Contos Esculpidos na pedra 0 556 01/12/2013 - 23:15 Português
Poesia/Amor Espero 0 736 01/12/2013 - 23:10 Português
Prosas/Romance Hoje, o céu é meu... 0 967 08/11/2011 - 14:09 Português
Poesia/Meditação Saudade poética 2 854 07/09/2011 - 02:59 Português
Prosas/Erótico O desejo é muito mais que um brilho no olhar... 0 954 07/07/2011 - 23:17 Português
Prosas/Erótico Tortura 0 783 07/07/2011 - 23:13 Português
Prosas/Pensamentos Hoje 0 909 07/07/2011 - 23:06 Português
Prosas/Erótico «Surpresa. Hoje é dia de pagamento!» 0 909 07/07/2011 - 22:59 Português
Prosas/Erótico Saltos inquietos 0 877 07/07/2011 - 22:56 Português