CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Apolínea.

Fulguras como a figura
Mais notável do pomposo
Centro-Oeste.
Para os que sentem sede
És a água do agreste.
Para os que sentem frio
És o manto que os aquece.
E para os que padecem
De qualquer que seja o mal,
Sua energia é como
Uma força unilateral
Que surge sem igual, vibrante,
E de forma mais do que essencial.

És a jóia que não precisa
Ser avaliada
Para se ter a noção
De que és excessivamente
Valiosa e requintada.
Louco seria o rei
Que a quisesse de forma lapidada.
Jóias assim,
Precisam ser completas,
Para serem verdadeiramente
Apreciadas e valorizadas

És a pujança que veste
Os nus de espírito
E descamisados de esperança,
Num mundo
De tão pouca aliança
Onde os mortais
Já desistiram da utópica mudança.

És a bailarina
Que nem sequer dança
Mas ao entrar no palco,
És a que mais encanta,
Chegando a proporcionar
No velho espectador
Um renovado sorriso de criança.

És a suntuosidade
Em forma de gota de vida.
Quisera eu que todos os mares secassem
E germinassem com gotas que de ti pingassem.

APOLÍNEO - O adjetivo apolíneo é referente a Apolo, filho de Zeus e conhecido por ser o deus Greco - romano da harmonia, do equilíbrio, da razão e da ordem. Apolo é também considerado o deus da beleza

http://sentimentocritico.blogspot.com

Submited by

segunda-feira, maio 10, 2010 - 01:57

Poesia :

No votes yet

Brunorico

imagem de Brunorico
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 4 semanas
Membro desde: 03/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 528

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Brunorico

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 1025 0 1.040 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia/Desilusão Sonhos envelhecidos. 0 673 11/18/2010 - 16:27 Português
Poesia/Pensamentos Cá entre nós. 0 674 11/18/2010 - 16:17 Português
Poesia/Geral Vidas orquestradas. 0 570 11/18/2010 - 16:01 Português
Poesia/Geral O saudosista 0 641 11/17/2010 - 23:41 Português
Poesia/Geral Misantropo até a morte 0 681 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Medo de acordar. 0 549 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Meditação Sapiência infantil. 0 498 11/17/2010 - 23:21 Português
Poesia/Meditação Conselhos de um eremita. 0 798 11/17/2010 - 23:20 Português
Poesia/Meditação Um morto perdido no tempo. 2 636 09/01/2010 - 01:45 Português
Poesia/Meditação A bagagem da maturidade. 1 653 08/14/2010 - 11:03 Português
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 748 08/12/2010 - 18:14 Português
Poesia/Fantasia Sonho efêmero. 3 823 08/05/2010 - 01:29 Português
Poesia/Geral Mesmo que ninguém me leia. 1 827 07/19/2010 - 16:22 Português
Poesia/Desilusão Sinuca. 1 546 07/02/2010 - 15:12 Português
Poesia/Desilusão Dónde estás la revolución? 1 525 06/21/2010 - 22:37 Português
Poesia/Geral Subsistência. 2 637 06/11/2010 - 04:47 Português
Poesia/Desilusão Onde estão as flores? 1 533 06/07/2010 - 21:31 Português
Poesia/Meditação Medíocres virtuosos. 0 602 05/29/2010 - 18:47 Português
Poesia/Meditação Palavras vazias. 2 638 05/16/2010 - 19:25 Português
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 494 05/16/2010 - 19:21 Português
Poesia/Meditação Esboço poético desvairado. 1 598 05/14/2010 - 21:38 Português
Poesia/Dedicado Apolínea. 0 556 05/10/2010 - 01:57 Português
Poesia/Geral Insanidade visceral. 1 609 05/05/2010 - 23:08 Português
Poesia/Meditação Preciso dizer que... 1 480 04/26/2010 - 03:06 Português