CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Mesmo que ninguém me leia.

Quero escrever,
Mesmo que ninguém me leia,
Mas eu quero e preciso escrever.

Quero dar asas a pensamentos
E sentimentos que me invadem por completo.
Quero que as palavras saiam
De minha alma e alcem rumo
Ao voo da liberdade,
Quero a paz das palavras
Escritas com verdade.

Quero que madrugadas em claro
Virem poesias,
Quero que a alma de um poeta
Seja valorizada algum dia.
Quero poetizar tudo,
Inclusive as utopias.

Sonhos improváveis escreverei,
Situações inimagináveis descreverei,
Serei eu o poeta das aventuras e desventuras,
Mesmo que ninguém me leia,
Ainda assim, serei eu.

Ser lido não me faz poeta,
Dar vida as palavras
Que inquietantemente imploram
Por fuga, sim.

Submited by

segunda-feira, julho 19, 2010 - 06:48

Poesia :

No votes yet

Brunorico

imagem de Brunorico
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 3 semanas
Membro desde: 03/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 528

Comentários

imagem de CostaDaSilva

Re: Mesmo que ninguém me leia.

inicialmente, o silencio e uma folha em branco que reclama a alma do poeta e um momento que se sobrepõe à plateia. depois, a união das palavras que se impõem com o sentimento. por fim o poema que vive e permanecerá no tempo.

abraço

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Brunorico

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 1025 0 1.037 11/23/2010 - 23:37 Português
Poesia/Desilusão Sonhos envelhecidos. 0 672 11/18/2010 - 15:27 Português
Poesia/Pensamentos Cá entre nós. 0 673 11/18/2010 - 15:17 Português
Poesia/Geral Vidas orquestradas. 0 569 11/18/2010 - 15:01 Português
Poesia/Geral O saudosista 0 640 11/17/2010 - 22:41 Português
Poesia/Geral Misantropo até a morte 0 677 11/17/2010 - 22:39 Português
Poesia/Geral Medo de acordar. 0 547 11/17/2010 - 22:39 Português
Poesia/Meditação Sapiência infantil. 0 498 11/17/2010 - 22:21 Português
Poesia/Meditação Conselhos de um eremita. 0 796 11/17/2010 - 22:20 Português
Poesia/Meditação Um morto perdido no tempo. 2 635 09/01/2010 - 00:45 Português
Poesia/Meditação A bagagem da maturidade. 1 648 08/14/2010 - 10:03 Português
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 745 08/12/2010 - 17:14 Português
Poesia/Fantasia Sonho efêmero. 3 818 08/05/2010 - 00:29 Português
Poesia/Geral Mesmo que ninguém me leia. 1 821 07/19/2010 - 15:22 Português
Poesia/Desilusão Sinuca. 1 544 07/02/2010 - 14:12 Português
Poesia/Desilusão Dónde estás la revolución? 1 524 06/21/2010 - 21:37 Português
Poesia/Geral Subsistência. 2 635 06/11/2010 - 03:47 Português
Poesia/Desilusão Onde estão as flores? 1 530 06/07/2010 - 20:31 Português
Poesia/Meditação Medíocres virtuosos. 0 601 05/29/2010 - 17:47 Português
Poesia/Meditação Palavras vazias. 2 635 05/16/2010 - 18:25 Português
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 492 05/16/2010 - 18:21 Português
Poesia/Meditação Esboço poético desvairado. 1 593 05/14/2010 - 20:38 Português
Poesia/Dedicado Apolínea. 0 554 05/10/2010 - 00:57 Português
Poesia/Geral Insanidade visceral. 1 608 05/05/2010 - 22:08 Português
Poesia/Meditação Preciso dizer que... 1 479 04/26/2010 - 02:06 Português