CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Sonho efêmero.

Sua face dominada pelo rubor;
A minha calejada pelo labor.
Mesmo assim tudo se encontrou,
A sintonia rolou
E o amor trouxe a peça que nos encaixou.

Cheguei a ouvir o cântico do seu coração,
As pérolas lacrimais caíam de nossas
Faces quando nos encontrávamos
Sedentos de nossos toques, beijos e abraços.

Até que um vento passou trazendo o frio,
Congelando tudo a nossa volta,
Foi quando enfim me vi acordado.

Foi tudo leve,
Tudo tão romântico,
Tudo tão breve.

Foi tudo tão rápido
Que eu sequer sei se foi verdade.

Submited by

quarta-feira, agosto 4, 2010 - 15:10

Poesia :

No votes yet

Brunorico

imagem de Brunorico
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 9 semanas
Membro desde: 03/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 528

Comentários

imagem de Henrique

Re: Sonho efêmero.

Até que um vento passou trazendo o frio,
Congelando tudo a nossa volta,
Foi quando enfim me vi acordado.

Foi tudo leve,
Tudo tão romântico,
Tudo tão breve.

Foi tudo tão rápido
Que eu sequer sei se foi verdade.

Soberbo desaguar de poesia!!!

:-)

imagem de Worlords

Re: Sonho efêmero.

Gostei de ler…

Parabéns

imagem de deborabenvenuti

Re: Sonho efêmero.

Às vezes sonho e realidade se misturam muito rápido.
Gostei.
Beijo

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Brunorico

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 1025 0 1.314 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia/Desilusão Sonhos envelhecidos. 0 904 11/18/2010 - 16:27 Português
Poesia/Pensamentos Cá entre nós. 0 854 11/18/2010 - 16:17 Português
Poesia/Geral Vidas orquestradas. 0 761 11/18/2010 - 16:01 Português
Poesia/Geral O saudosista 0 854 11/17/2010 - 23:41 Português
Poesia/Geral Misantropo até a morte 0 921 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Medo de acordar. 0 735 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Meditação Sapiência infantil. 0 677 11/17/2010 - 23:21 Português
Poesia/Meditação Conselhos de um eremita. 0 1.008 11/17/2010 - 23:20 Português
Poesia/Meditação Um morto perdido no tempo. 2 832 09/01/2010 - 01:45 Português
Poesia/Meditação A bagagem da maturidade. 1 864 08/14/2010 - 11:03 Português
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 972 08/12/2010 - 18:14 Português
Poesia/Fantasia Sonho efêmero. 3 1.018 08/05/2010 - 01:29 Português
Poesia/Geral Mesmo que ninguém me leia. 1 1.072 07/19/2010 - 16:22 Português
Poesia/Desilusão Sinuca. 1 789 07/02/2010 - 15:12 Português
Poesia/Desilusão Dónde estás la revolución? 1 729 06/21/2010 - 22:37 Português
Poesia/Geral Subsistência. 2 867 06/11/2010 - 04:47 Português
Poesia/Desilusão Onde estão as flores? 1 736 06/07/2010 - 21:31 Português
Poesia/Meditação Medíocres virtuosos. 0 838 05/29/2010 - 18:47 Português
Poesia/Meditação Palavras vazias. 2 931 05/16/2010 - 19:25 Português
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 768 05/16/2010 - 19:21 Português
Poesia/Meditação Esboço poético desvairado. 1 828 05/14/2010 - 21:38 Português
Poesia/Dedicado Apolínea. 0 762 05/10/2010 - 01:57 Português
Poesia/Geral Insanidade visceral. 1 828 05/05/2010 - 23:08 Português
Poesia/Meditação Preciso dizer que... 1 705 04/26/2010 - 03:06 Português