CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Desregrado e desafinado.

Sem reticências e sem ponto final,
Este é o amor que consome
Vísceras e neurônios,
Este é o amor que destrói anjos
E constrói demônios.
Este é o amor de inúmeras vertentes
Que jamais conseguirá ser lacônico.

Às vezes nos perguntamos
Por que amamos tal pessoa,
Às vezes nos perguntamos
Por que tal pessoa nos ama,
E muitas vezes nos questionamos
Por que tal pessoa não nos ama.
Às vezes amamos quem não nos apetece,
Às vezes odiamos quem realmente nos merece,
(pois é, acontece).

É assim o amor...
Às vezes injusto.
Mas quem quer saber?
Estamos ocupados demais amando,
Ou procurando um amor para a vida inteira;
Não queremos saber de justiça quanto a isto.
Não há tribunal que condene o ato de amar.
Mas existe o amor que nos prende
Em grades imaginárias
E nos faz padecer como se estivéssemos
No corredor da morte
Esperando pela cadeira elétrica.

É assim o amor...
Que às vezes segue nas batidas
Lentas e compassadas de um coração,
E às vezes segue nas batidas
Aceleradas e descompassadas
Deste mesmo coração.
O amor verdadeiro é totalmente sem regras,
Pois se assim não fosse, não seria amor.

O amor de que escrevo não possui definição,
Não é detentor de razão
E muitas vezes é guiado somente pela emoção.
O amor de que escrevo é o sentimento sem fim,
É o elo de dois mundos que se funde
Muitas vezes em uma só pessoa,
Fazendo nascer assim
A desdita da desilusão.
O amor de que escrevo é o amor desregrado,
Desgarrado, desajustado e desatinado,
É o amor que horas parece soar
Como uma bela canção,
Horas parece desafinado.

Submited by

quarta-feira, agosto 11, 2010 - 07:49

Poesia :

No votes yet

Brunorico

imagem de Brunorico
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 4 anos 3 semanas
Membro desde: 03/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 528

Comentários

imagem de cecilia

Re: Desregrado e desafinado.

Brunorico,

O amor em suas formas, o amor em seus tons, o amor

Destaco:
É o amor que horas parece soar
Como uma bela canção,
Horas parece desafinado.

Belo poema como sempre o é.
Cecilia Iacona

imagem de varenkadefatima

Re: Desregrado e desafinado.

definiste o amor como:
"Como uma bela canção,
Horas parace desafinado."
Lindo!!!Gostei!!!

Varenka

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Brunorico

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 1025 0 1.037 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia/Desilusão Sonhos envelhecidos. 0 672 11/18/2010 - 16:27 Português
Poesia/Pensamentos Cá entre nós. 0 674 11/18/2010 - 16:17 Português
Poesia/Geral Vidas orquestradas. 0 569 11/18/2010 - 16:01 Português
Poesia/Geral O saudosista 0 641 11/17/2010 - 23:41 Português
Poesia/Geral Misantropo até a morte 0 677 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Medo de acordar. 0 547 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Meditação Sapiência infantil. 0 498 11/17/2010 - 23:21 Português
Poesia/Meditação Conselhos de um eremita. 0 796 11/17/2010 - 23:20 Português
Poesia/Meditação Um morto perdido no tempo. 2 636 09/01/2010 - 01:45 Português
Poesia/Meditação A bagagem da maturidade. 1 649 08/14/2010 - 11:03 Português
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 746 08/12/2010 - 18:14 Português
Poesia/Fantasia Sonho efêmero. 3 819 08/05/2010 - 01:29 Português
Poesia/Geral Mesmo que ninguém me leia. 1 823 07/19/2010 - 16:22 Português
Poesia/Desilusão Sinuca. 1 545 07/02/2010 - 15:12 Português
Poesia/Desilusão Dónde estás la revolución? 1 524 06/21/2010 - 22:37 Português
Poesia/Geral Subsistência. 2 635 06/11/2010 - 04:47 Português
Poesia/Desilusão Onde estão as flores? 1 531 06/07/2010 - 21:31 Português
Poesia/Meditação Medíocres virtuosos. 0 601 05/29/2010 - 18:47 Português
Poesia/Meditação Palavras vazias. 2 636 05/16/2010 - 19:25 Português
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 494 05/16/2010 - 19:21 Português
Poesia/Meditação Esboço poético desvairado. 1 593 05/14/2010 - 21:38 Português
Poesia/Dedicado Apolínea. 0 555 05/10/2010 - 01:57 Português
Poesia/Geral Insanidade visceral. 1 608 05/05/2010 - 23:08 Português
Poesia/Meditação Preciso dizer que... 1 479 04/26/2010 - 03:06 Português