CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um morto perdido no tempo.

Faz tempo que não vislumbro uma noite
Como se a mesma fosse somente minha,
A ponto de chegar a ver a suntuosa lua
Como uma íntima e simples luminária gigante.

Faz tempo que não saio a velejar
Deixando o vento me guiar
Como pipa solta no céu
Em tempo de férias escolar.

Faz tempo que não dou de beber ao meu jardim,
Que mesmo sem ser regado continua encantado,
Apesar de ter um dono totalmente desregrado.

Faz tempo que estou sem tempo
Para fazer o que realmente
Gosto de fazer quando estou com tempo.

Faz tempo que não entendo a vida,
Tão insólita, tão corrida,
Tão doidivanas, tão sofrida.

Faz tempo que eu nasci,
Mas parece que foi ontem.
Mas por tanta coisa por fazer,
Parece que eu morri,
E pelo visto não foi hoje.

Quando deixamos de fazer as coisas que realmente gostamos, passamos a morrer aos poucos, pois a vida foi feita para se aproveitar, e quando isto, infelizmente não acontece mais, é porque viramos meros mortos vivos.

http://sentimentocritico.blogspot.com

Submited by

sábado, agosto 28, 2010 - 07:12

Poesia :

No votes yet

Brunorico

imagem de Brunorico
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 10 semanas
Membro desde: 03/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 528

Comentários

imagem de Henrique

Re: Um morto perdido no tempo.

Faz tempo que não dou de beber ao meu jardim,
Que mesmo sem ser regado continua encantado,
Apesar de ter um dono totalmente desregrado.

Bonita revisão da vida!!!

:-)

imagem de SuzeteBrainer

Re: Um morto perdido no tempo.

Brunorico,
Mesmo com a sensação de morto vivo,o teu poema é uma força viva que chama,acorda para a beleza do simples viver...
Gostei muito!
:-) suzete.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Brunorico

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 1025 0 1.319 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia/Desilusão Sonhos envelhecidos. 0 914 11/18/2010 - 16:27 Português
Poesia/Pensamentos Cá entre nós. 0 858 11/18/2010 - 16:17 Português
Poesia/Geral Vidas orquestradas. 0 764 11/18/2010 - 16:01 Português
Poesia/Geral O saudosista 0 860 11/17/2010 - 23:41 Português
Poesia/Geral Misantropo até a morte 0 927 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Medo de acordar. 0 740 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Meditação Sapiência infantil. 0 683 11/17/2010 - 23:21 Português
Poesia/Meditação Conselhos de um eremita. 0 1.011 11/17/2010 - 23:20 Português
Poesia/Meditação Um morto perdido no tempo. 2 834 09/01/2010 - 01:45 Português
Poesia/Meditação A bagagem da maturidade. 1 870 08/14/2010 - 11:03 Português
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 974 08/12/2010 - 18:14 Português
Poesia/Fantasia Sonho efêmero. 3 1.021 08/05/2010 - 01:29 Português
Poesia/Geral Mesmo que ninguém me leia. 1 1.077 07/19/2010 - 16:22 Português
Poesia/Desilusão Sinuca. 1 796 07/02/2010 - 15:12 Português
Poesia/Desilusão Dónde estás la revolución? 1 731 06/21/2010 - 22:37 Português
Poesia/Geral Subsistência. 2 873 06/11/2010 - 04:47 Português
Poesia/Desilusão Onde estão as flores? 1 739 06/07/2010 - 21:31 Português
Poesia/Meditação Medíocres virtuosos. 0 847 05/29/2010 - 18:47 Português
Poesia/Meditação Palavras vazias. 2 935 05/16/2010 - 19:25 Português
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 777 05/16/2010 - 19:21 Português
Poesia/Meditação Esboço poético desvairado. 1 831 05/14/2010 - 21:38 Português
Poesia/Dedicado Apolínea. 0 764 05/10/2010 - 01:57 Português
Poesia/Geral Insanidade visceral. 1 833 05/05/2010 - 23:08 Português
Poesia/Meditação Preciso dizer que... 1 707 04/26/2010 - 03:06 Português