CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O novo envelheceu.

Pegarei o chapéu de palha
Que não tenho,
Colocarei na cabeça,
E seguirei em busca de
Um velho caminho,
Pois o novo já envelheceu.

Caminharei por trilhas de pedra,
Com vestígios de relva.
Sentarei à beira-mar
Para ver o sol raiar,
E depois irei apreciar
A gigante lua
Em seu mais belo desabrochar.
Poderei fazer isso por
Dias e noites sem cessar,
Mas será sempre o mesmo sol,
E será sempre a mesma lua,
Ora lua nova, ora lua nua.

Desiludido...
Voltarei a caminhar na rua,
E reencontrarei
Uma velha nova aventura:
Encontrar algo novo de fato,
Que me fortaleça
E me reconstrua.

Mas não possuo mais esperança.
Para dizer a verdade,
Até ter esperança já me cansa.

O que era avançado retrocedeu.
Quem dizia me amar,
Hoje diz mais mentiras
Que um pastor ateu.
Quem se intitulava revolucionário
Infelizmente já morreu.
E até quem quebrou espelhos,
Hoje tem mais sorte do que eu.
E o pior disso tudo:
Tudo que era novo
Já apodreceu.

Só me resta jogar fora
Meu chapéu de palha,
Que parece-me ajudar,
Mas na verdade me atrapalha.
E recolher-me por fim,
Em minha velha e inseparável mortalha.

Submited by

sexta-feira, maio 14, 2010 - 21:48

Poesia :

No votes yet

Brunorico

imagem de Brunorico
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 11 semanas
Membro desde: 03/05/2009
Conteúdos:
Pontos: 528

Comentários

imagem de cecilia

Re: O novo envelheceu.

Bruno,

Em tempos que o novo envelheceu, andar em retidão é fonte de sabedoria.

Bom refletir em tua escrita.
Abraço

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Brunorico

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 1025 0 1.328 11/24/2010 - 00:37 Português
Poesia/Desilusão Sonhos envelhecidos. 0 922 11/18/2010 - 16:27 Português
Poesia/Pensamentos Cá entre nós. 0 861 11/18/2010 - 16:17 Português
Poesia/Geral Vidas orquestradas. 0 767 11/18/2010 - 16:01 Português
Poesia/Geral O saudosista 0 864 11/17/2010 - 23:41 Português
Poesia/Geral Misantropo até a morte 0 931 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Geral Medo de acordar. 0 744 11/17/2010 - 23:39 Português
Poesia/Meditação Sapiência infantil. 0 690 11/17/2010 - 23:21 Português
Poesia/Meditação Conselhos de um eremita. 0 1.018 11/17/2010 - 23:20 Português
Poesia/Meditação Um morto perdido no tempo. 2 838 09/01/2010 - 01:45 Português
Poesia/Meditação A bagagem da maturidade. 1 876 08/14/2010 - 11:03 Português
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 977 08/12/2010 - 18:14 Português
Poesia/Fantasia Sonho efêmero. 3 1.024 08/05/2010 - 01:29 Português
Poesia/Geral Mesmo que ninguém me leia. 1 1.084 07/19/2010 - 16:22 Português
Poesia/Desilusão Sinuca. 1 798 07/02/2010 - 15:12 Português
Poesia/Desilusão Dónde estás la revolución? 1 735 06/21/2010 - 22:37 Português
Poesia/Geral Subsistência. 2 879 06/11/2010 - 04:47 Português
Poesia/Desilusão Onde estão as flores? 1 747 06/07/2010 - 21:31 Português
Poesia/Meditação Medíocres virtuosos. 0 850 05/29/2010 - 18:47 Português
Poesia/Meditação Palavras vazias. 2 942 05/16/2010 - 19:25 Português
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 782 05/16/2010 - 19:21 Português
Poesia/Meditação Esboço poético desvairado. 1 834 05/14/2010 - 21:38 Português
Poesia/Dedicado Apolínea. 0 769 05/10/2010 - 01:57 Português
Poesia/Geral Insanidade visceral. 1 839 05/05/2010 - 23:08 Português
Poesia/Meditação Preciso dizer que... 1 714 04/26/2010 - 03:06 Português