O novo envelheceu.

Pegarei o chapéu de palha
Que não tenho,
Colocarei na cabeça,
E seguirei em busca de
Um velho caminho,
Pois o novo já envelheceu.

Caminharei por trilhas de pedra,
Com vestígios de relva.
Sentarei à beira-mar
Para ver o sol raiar,
E depois irei apreciar
A gigante lua
Em seu mais belo desabrochar.
Poderei fazer isso por
Dias e noites sem cessar,
Mas será sempre o mesmo sol,
E será sempre a mesma lua,
Ora lua nova, ora lua nua.

Desiludido...
Voltarei a caminhar na rua,
E reencontrarei
Uma velha nova aventura:
Encontrar algo novo de fato,
Que me fortaleça
E me reconstrua.

Mas não possuo mais esperança.
Para dizer a verdade,
Até ter esperança já me cansa.

O que era avançado retrocedeu.
Quem dizia me amar,
Hoje diz mais mentiras
Que um pastor ateu.
Quem se intitulava revolucionário
Infelizmente já morreu.
E até quem quebrou espelhos,
Hoje tem mais sorte do que eu.
E o pior disso tudo:
Tudo que era novo
Já apodreceu.

Só me resta jogar fora
Meu chapéu de palha,
Que parece-me ajudar,
Mas na verdade me atrapalha.
E recolher-me por fim,
Em minha velha e inseparável mortalha.

Submited by

Viernes, Mayo 14, 2010 - 21:48

Poesia :

Sin votos aún

Brunorico

Imagen de Brunorico
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 4 años 13 semanas
Integró: 03/05/2009
Posts:
Points: 528

Comentarios

Imagen de cecilia

Re: O novo envelheceu.

Bruno,

Em tempos que o novo envelheceu, andar em retidão é fonte de sabedoria.

Bom refletir em tua escrita.
Abraço

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Brunorico

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Fotos/Perfil 1025 0 1.079 11/24/2010 - 00:37 Portuguese
Poesia/Desilusión Sonhos envelhecidos. 0 705 11/18/2010 - 16:27 Portuguese
Poesia/Pensamientos Cá entre nós. 0 703 11/18/2010 - 16:17 Portuguese
Poesia/General Vidas orquestradas. 0 587 11/18/2010 - 16:01 Portuguese
Poesia/General O saudosista 0 674 11/17/2010 - 23:41 Portuguese
Poesia/General Misantropo até a morte 0 727 11/17/2010 - 23:39 Portuguese
Poesia/General Medo de acordar. 0 584 11/17/2010 - 23:39 Portuguese
Poesia/Meditación Sapiência infantil. 0 523 11/17/2010 - 23:21 Portuguese
Poesia/Meditación Conselhos de um eremita. 0 829 11/17/2010 - 23:20 Portuguese
Poesia/Meditación Um morto perdido no tempo. 2 656 09/01/2010 - 01:45 Portuguese
Poesia/Meditación A bagagem da maturidade. 1 696 08/14/2010 - 11:03 Portuguese
Poesia/Amor Desregrado e desafinado. 2 776 08/12/2010 - 18:14 Portuguese
Poesia/Fantasía Sonho efêmero. 3 853 08/05/2010 - 01:29 Portuguese
Poesia/General Mesmo que ninguém me leia. 1 865 07/19/2010 - 16:22 Portuguese
Poesia/Desilusión Sinuca. 1 575 07/02/2010 - 15:12 Portuguese
Poesia/Desilusión Dónde estás la revolución? 1 552 06/21/2010 - 22:37 Portuguese
Poesia/General Subsistência. 2 666 06/11/2010 - 04:47 Portuguese
Poesia/Desilusión Onde estão as flores? 1 563 06/07/2010 - 21:31 Portuguese
Poesia/Meditación Medíocres virtuosos. 0 642 05/29/2010 - 18:47 Portuguese
Poesia/Meditación Palavras vazias. 2 682 05/16/2010 - 19:25 Portuguese
Poesia/Tristeza O novo envelheceu. 1 528 05/16/2010 - 19:21 Portuguese
Poesia/Meditación Esboço poético desvairado. 1 649 05/14/2010 - 21:38 Portuguese
Poesia/Dedicada Apolínea. 0 577 05/10/2010 - 01:57 Portuguese
Poesia/General Insanidade visceral. 1 641 05/05/2010 - 23:08 Portuguese
Poesia/Meditación Preciso dizer que... 1 518 04/26/2010 - 03:06 Portuguese