CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Viagem

Sei que esqueceste de como era no começo desta imensa viagem,
De como eram feitos os muros, as árvores ou os beijos na língua
Daquele mundo que te ia acrescentando aos poucos à eternidade.

Sei que vês que tudo passa, e não queres acreditar, que tudo corre,
Tudo morre para trás e no pedaço que falta em frente, tudo tem um silêncio
Que acaba por ficar e que nos faz homens e cobardes ao mesmo tempo.

Sei que sabes que nunca vai haver ninguém para escrever o teu nome nas ruas,
Nas casas, nos rios ou nas pontes apenas para acertar o jeito do mundo,
Apenas para desajeitar um pouquinho de amor nas coisas que são mais indevidas.

Sei que pensas que não é justo! Não é assim?

Bem, mas talvez julgues que as memórias não contam, que apenas convivem
Connosco nos lugares que esquecemos e atrás das palavras que parámos de usar.

E talvez nunca tenhas telefonado a outro alguém e perguntado se as vezes que
Olhaste e sorriste lá para fora foram suficientes para saber o caminho para casa.

E agora? O que pensas disto?

É que a vida às vezes pode ser assim, coroada de deslumbrantes passados que desprezas
E de silêncios que contam com eles para saber declamar o mais belo poema de amor.

Mas sim, seria bem mais fácil se morrêssemos primeiro para nos livrarmos logo disso,
E o resto da viagem cabia-nos bem melhor se fosse feito de trás para a frente
Para terminar no colo da nossas mães com todo o deslumbramento que nos é permitido.

Assim era bem melhor não era? Era?

Talvez não, talvez a vida ande de frente para trás para poderes lembrar tudo o que te trouxe e não tudo o que te leva,
E sempre corra para que não te arrependas do fundo do coração das coisas que tiveram
De ficar paradas por já não haver amor contigo que fosse suficiente para elas.

E o silêncio, o silêncio talvez seja a mais estranha certeza de que tudo o que devia ser feito ficou no tempo certo,
E que mais nada te resta, e mais nada te falta, para que possas anunciar
O último beijo sem que tenhas deixado nada por fazer ou mais ninguém por amar.

Submited by

terça-feira, junho 8, 2010 - 23:10

Poesia :

No votes yet

jopeman

imagem de jopeman
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 10 semanas
Membro desde: 01/04/2009
Conteúdos:
Pontos: 3172

Comentários

imagem de Conchinha

Re: Viagem

Eu acho que somos nós que vamos escrevendo o nosso nome "nas ruas, nas casas, nos rios e nas pontes".
À tua maneira, vais escrevendo o teu.
Gosto da tua escrita.

Abraço

imagem de danyfilipa

Re: Viagem

e que viagem...
viagem a memorias...viagem que leva a pensar...

"É que a vida às vezes pode ser assim, coroada de deslumbrantes passados que desprezas" - amei sobretudo esta parte...fez refletir no valor, ou nao que damos a determinadas coisas!

adorei imenso :-)

beijo

imagem de Librisscriptaest

Re: Viagem

Ai João... Ás vezes fico deslumbrada com essa tua doce sabedoria!
E de repente dei comigo a lembrar-me do filme do Benjamin Button e a pensar q a vida, nem sempre satisfaz, porque tb nem sempre a satisfazemos, mas caminha para o lado certo!

"Bem, mas talvez julgues que as memórias não contam, que apenas convivem
Connosco nos lugares que esquecemos e atrás das palavras que parámos de usar.

E talvez nunca tenhas telefonado a outro alguém e perguntado se as vezes que
Olhaste e sorriste lá para fora foram suficientes para saber o caminho para casa"

Impossivel não sublinhar esta parte!
Gosto mesmo de te ler, caramba!
Beijinho grande em ti!
Inês

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of jopeman

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos Violentas Alegrias 5 751 10/20/2011 - 21:16 Português
Poesia/Pensamentos Gostei sobretudo das árvores que davam pássaros 5 751 10/20/2011 - 21:13 Português
Poesia/Amor sei que o amor é coisa de homens 1 831 10/20/2011 - 21:10 Português
Fotos/ - 1129 0 1.548 11/24/2010 - 00:37 Português
Fotos/ - 1127 0 1.873 11/24/2010 - 00:34 Português
Poesia/Pensamentos Sou Vadio 4 1.111 08/30/2010 - 09:57 Português
Poesia/Geral Destino Manifesto 2 1.244 08/22/2010 - 22:17 Português
Poesia/Aforismo Quietude (Desafio Poético) 4 816 08/02/2010 - 02:08 Português
Poesia/Dedicado Jopeman - O caminho (ao WAF) 2 854 07/06/2010 - 08:10 Português
Poesia/Amor A (quase) eterna leveza dos malmequeres 1 1.104 06/24/2010 - 05:05 Português
Poesia/Pensamentos A terra é só terra e eu penso nisso vezes demais 6 653 06/19/2010 - 22:44 Português
Poesia/Meditação Portas 7 889 06/12/2010 - 10:54 Português
Poesia/Meditação Que morram todos os sinais 1 825 06/12/2010 - 10:48 Português
Poesia/Meditação Viagem 3 968 06/12/2010 - 10:41 Português
Prosas/Contos Intuições 5 857 05/17/2010 - 22:01 Português
Poesia/Geral Só tu sabes! 6 828 05/17/2010 - 22:00 Português
Poesia/Alegria Corro 8 1.019 05/10/2010 - 15:06 Português
Poesia/Meditação As pedras não voam 11 890 05/02/2010 - 03:15 Português
Poesia/Geral Distâncias 9 937 04/07/2010 - 20:29 Português
Poesia/Geral Há aquelas coisas de que nunca penso se houver uma porta aberta 8 676 03/26/2010 - 09:42 Português
Poesia/Amor Amor de sol e lua (duo com Analyra) 7 956 03/23/2010 - 16:00 Português
Poesia/Geral Continuo sentado à varanda 7 951 03/17/2010 - 21:17 Português
Poesia/Desilusão O filho do vento 13 905 03/15/2010 - 15:56 Português
Poesia/Meditação O refúgio de D. Dinis 1 1.051 03/05/2010 - 13:08 Português
Poesia/Amor A dança dos amantes 1 986 03/05/2010 - 03:05 Português